PORTO VELHO

Acre

Justiça determina que grávidas e puérperas sem comorbidades devem voltar a ser vacinadas

Acre

A Justiça Federal atendeu, na manhã desta segunda-feira, 14, o pedido de tutela de urgência feito pelo Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público do Estado do Acre para que que a União e o Estado do Acre retomem, em 48 horas, a vacinação de gestantes e puérperas sem comorbidades.

A decisão é para que restabeleça, no prazo de 48 horas, a vacinação, de forma prioritária, contra a Covid-19 de gestantes e puérperas sem comorbidades, com uso das vacinas da Sinovac e Pfizer, mediante a apresentação de documento que comprove a gravidez/estado puérpero (exame de sangue, ultrassonografia, caderneta da gestante, declaração de nascimento da criança, certidão de nascimento) e independente de prescrição médica.

A magistrada, acolhendo os argumentos do MPF e do MPAC, entendeu que o evento adverso ocorrido após a administração da vacina AstraZeneca não justifica a interrupção da imunização desse público com as demais vacinas disponíveis, como Pfizer e Coronavac.

Além disso, a decisão também ressalta que estudos mais recentes dão conta de que a imunização das grávidas tem alcançado os fetos, protegendo com isso grupo ainda mais vulnerável, vez que vindo ao mundo sem qualquer imunização que não seja aquela obtida através da mãe.

Leia Também:  Declaração do Imposto Rural começa nesta segunda-feira

Com informações do MPF no Acre.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Acre

Acre “acusa” Rondônia, Amazonas e países da fronteira pela origem da fumaça em ser território

Publicados

em

Pelas imagens de satélite e pelos dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), a fumaça que pode ser vista no céu acreano é proveniente tanto de queimadas ocorridas aqui mesmo no estado quanto em outros estados brasileiros e países vizinhos.

A Bolívia, por exemplo, teve um aumento de 23% na quantidade de focos de queimadas entre 1º de janeiro e 8 de agosto com relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com os dados disponibilizados pelo programa Queimadas, do INPE.

Estados vizinhos, como Rondônia, também podem estar contribuindo para a presença de fumaça no Acre. Lá, o aumento de queimadas com relação ao ano passado é de 51%. São 2.102 focos registrados neste ano contra 1.389 do ano passado. Porto Velho é o município do Brasil com mais focos de queimadas até o momento.

Nesta segunda-feira, 9, o nível de fumaça que pode ser percebido na região de Rio Branco, capital do Acre, é menor que o observado durante o último fim de semana, mas ainda é possível sentir o índice anormal de poluição do ar.

Leia Também:  Hospital particular no AC se recusa a atender pacientes com coronavírus, e MP vai investigar caso

Nesta segunda-feira, 9, por volta das 14h25, Rio Branco registrou uma máxima concentração de material particulado de 157 (US EPA PM2.5 AQI), que representa efeitos mais graves na saúde de quem se expor a essas condições por 24 horas. Grupos sensíveis podem experimentar efeitos mais graves com esse nível de poluição.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas.com

As leituras são feitas por sensores de monitoramento da qualidade instalados na Universidade Federal do Acre (Ufac) e na sede do Ministério Público do Estado do Acre (MP-AC), no Centro de Rio Branco. O sistema faz parte de uma parceria das duas instituições com órgãos de saúde e do meio ambiente.

Neste ano, o Acre teve 1.226 focos de queimadas, entre 1º de janeiro e 8 de agosto, contra 991 focos no mesmo período do ano passado. A diferença para mais é de 23%. Apenas nos primeiros oito dias de agosto, o estado registrou 698 focos de queimadas. Nas últimas foram 169 focos detectados no estado.

Leia Também:  #GUAJARÁ-MIRIM: Receberá efetivo da PF e Força Nacional em operação 'Fronteira Segura'

Os municípios acreanos com os maiores registros em agosto são Feijó e Tarauacá, com 189 e 138 focos de queimadas, respectivamente. Feijó, inclusive, segue entre os 10 municípios brasileiros em número de ocorrências no decorrer deste mês.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA