PORTO VELHO

Agronegócio

a

Publicados

Agronegócio


O Agronordeste – plano de ação para impulsionar o desenvolvimento econômico e social sustentável do meio rural, implantado em 2020 no estado, já colhe resultados positivos com o crescimento da produção nas cadeias da bovinocultura de leite, fruticultura e ovinocaprinocultura.

No âmbito estadual, o AgroNordeste é executado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Pernambuco (Senar/PE). A instituição oferta Assistência Técnica e Gerencial – ATeG a 2.300 propriedades prioritariamente localizadas no semiárido.

Atualmente, o plano é responsável pelo acompanhamento técnico da produção mensal de 2,5 milhões de litros de leite, e também pelo gerenciamento das 900 propriedades, situadas no Agreste Meridional, principal bacia leiteira do estado.  

Já na fruticultura, são atendidas cerca de 1.100 propriedades, estando a maioria delas localizadas em Petrolina. A cultura da uva, que é predominante no município, normalmente registra duas safras por ano e, após o acompanhamento da ATeG,  ultrapassou essa marca e já contabiliza três safras da variedade BRS Vitória, no mesmo período.

Na ovinocaprinocultura, mais de 300 propriedades contam com o serviço. A cadeia produtiva é destaque no município de Dormentes, que detém mais de 60 kg da produção de carne por hectare, superando a média de 25 kg/hectare dos demais municípios produtores.  

Leia Também:  MANDIOCA/CEPEA: Oferta diminui e sustenta cotações

“Dessa forma, o AgroNordeste tem ajudado a expandir o negócio de pequenos e médios produtores, gerando mais renda e emprego na região onde vivem” enalteceu Adriano Moraes, superintendente do Senar Pernambuco.

A iniciativa é uma parceria entre o Senar e a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), com o apoio do Ministério da Agricultura, para atender gratuitamente produtores rurais do Nordeste e região semiárida do norte de Minas Gerais.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

CNA diz que emissões de Gases de Efeito Estufa podem ser totalmente neutralizadas

Publicados

em


Brasília (09/04/2021) O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, participou, na sexta (9), do lançamento de duas coletâneas com estudos que mensuram fatores de emissão e remoção de Gases de Efeito Estufa (GEEs) pelo agro, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Em seu discurso, Martins disse que as pesquisas agrupadas nas coletâneas confirmam que as emissões de GEEs podem ser totalmente neutralizadas. “Precisamos avaliar o ambiente de produção como um todo. Considerar o balanço das emissões e sequestro de GEEs e não somente calcular emissões a partir da liberação de gases em processos de ruminação animal”.

Para o presidente da CNA, os estudos revelam a necessidade de o Brasil evoluir nas tecnologias de baixa emissão de carbono, introduzindo insumos de base científica no processo de revisão do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono, o Plano ABC.

João Martins destacou o papel fundamental do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) nesse processo de implantação de sistemas de produção de baixa emissão de carbono. “Com seu modelo de Assistência Técnica e Gerencial, o Senar é vetor de ganhos econômicos, produtivos, sociais e ambientais”.

No evento, o presidente reiterou ainda o compromisso do Sistema CNA/Senar em levar aos agricultores e pecuaristas as tecnologias que permitem o uso correto e as boas práticas de manejo na produção, sem descuidar da sustentabilidade econômica da atividade, fator crucial para o incremento da renda, do aumento da produtividade e da proteção do meio ambiente.

Leia Também:  Ovos da raça índio gigante podem ser comercializados por até R$ 120,00 a dúzia em Rondônia

“Como representantes do sistema produtivo rural brasileiro, queremos ser indutores do processo de integração das cadeias produtivas, equalizando o custo e os benefícios advindos da mitigação às mudanças climáticas”, finalizou.

Já a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, disse que o lançamento das coletâneas amplia a disponibilidade dos dados sobre sistemas nacionais, que levam efetivamente em conta as especificidades climáticas a partir de metodologias científicas aceitas internacionalmente.

“Constituímos uma base de dados que será fundamental frente aos desafios que irão surgir no agro nas próximas décadas. Também vão contribuir para a construção de políticas públicas de enfrentamento das mudanças do clima”, afirmou.

Segundo a ministra, a partir dos dados será possível modernizar práticas produtivas, aperfeiçoar sistemas de manejos, promover ganhos crescentes de produtividade, o que se traduz em maior eficiência para o produtor, em renda e sustentabilidade.

“O Brasil já é um potência agroambiental. Nos próximos anos seremos chamados a intensificar nossa produção a fim de atender a crescente demanda global por alimentos seguros e nutritivos e os dados revelam que estamos no caminho certo”, concluiu Tereza Cristina.

Para o diretor-geral do Senar, Daniel Carrara, as coletâneas servirão de “livro de cabeceira” dos 10 mil técnicos do Senar. “O desafio de tirar as tecnologias das prateleiras e colocar no campo se vence com esse tipo de divulgação. A partir de agora temos a missão de divulgar esses estudos para os produtores e, principalmente, aos técnicos”.

Leia Também:  A MAIOR DO NORTE: Shows da EXPOARI são anunciados

O ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, afirmou que o lançamento dos estudos é um importante passo para transformar o agro brasileiro em um dos maiores do planeta.

De acordo com o secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação, Fernando Camargo, as coletâneas também vão ser úteis para os países que possuem o mesmo clima e bioma do Brasil. “Vamos mostrar como se faz uma boa agricultura e pecuária. Esse é apenas o início, o primeiro capítulo de uma longa saga”.

Coletâneas – Os estudos foram realizados por 400 pesquisadores e trazem resultados, desafios e oportunidades sobre a emissão e remoção dos GEEs pelo agro. Segundo a diretora do Departamento de Produção Sustentável e Irrigação do Mapa, Mariane Crespolini, a coletânea de pecuária agrupa trabalhos relativos de pequenos ruminantes, grandes ruminantes e não ruminantes (suínos, aves e tilápia).

“As pesquisas trazem fatores de emissão e remoção para todos os biomas e regiões. Por sistema produtivo, tipo de terminação, raça e diferentes idades dos animais”.

Já os estudos da agricultura incluem as cadeias de cana-de-açúcar, grãos, sistemas integrados de produção e florestas plantadas. Em sua apresentação, Mariane destacou a importância das tecnologias de colheita e irrigação, do plantio direto e rotação de culturas para redução expressiva das emissões e o potencial de florestas plantadas e integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF).

Clique aqui para ler a coletânea da pecuária.

Clique aqui para ler a coletânea da agricultura.

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLICIAL

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA