PORTO VELHO

Agronegócio

Adoção de tecnologias foi fundamental para o avanço do agro brasileiro

Agronegócio


Brasília (25/11/2021) O coordenador de Inovação do Sistema CNA/Senar, Matheus Ferreira, participou na quinta (25), de audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado Federal, para debater soluções tecnológicas para o agro brasileiro.

Durante sua exposição, Matheus destacou a importância da adoção de tecnologias para o avanço do setor rural. “O Brasil deixou de ser importador para ser um dos maiores exportadores de alimentos do mundo. E isso só foi possível graças às tecnologias implantadas pelos produtores nas propriedades rurais”.

Ferreira afirmou que o agro tem passado por constantes inovações tecnológicas nos últimos anos. Ele destacou o uso de sensores no campo, rastreabilidade animal e vegetal, energias renováveis, drones, biotecnologia, inteligência artificial, internet das coisas, veículos autônomos, entre outros.

Na audiência, o coordenador de Inovação falou de algumas ações do Sistema CNA/Senar sobre o tema, como o Programa AgroUp, uma rede nacional de fomento a adoção de tecnologias no campo, que identifica e resolve regionalmente os problemas e oportunidades apontados pelos produtores rurais.

Leia Também:  Participantes do CNA Jovem seguem na jornada de liderança do agro

Segundo Matheus, a baixa qualidade da internet, insegurança no campo, alto custo dos insumos e da energia elétrica e a dificuldade de acesso e baixa qualidade das estradas foram alguns desafios mapeados pelo AgroUp nos estados.

Com relação à capacitação dos produtores para o uso de tecnologia no campo, o coordenador citou a importância da Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Senar. “A ATeG é um dos principais vetores da inovação tecnológica no país. Além de ajudar o produtor a implantar a tecnologia, o técnico responsável faz a avaliação econômica dessa tecnologia para o sistema de produção”, disse.

Ferreira também falou sobre uma pesquisa do Sistema para a identificação das principais tendências de desenvolvimento do agro para os próximos anos. Um dos objetivos é identificar riscos e necessidades de mudanças estratégica e operacional, especialmente nas cadeias agroindustriais com maior potencial produtivo e de exportação.

Sobre os desafios da comunidade de inovação do agro, ele pontuou a difusão da cultura empreendedora, as conexões com atores importantes, o desenvolvimento de talentos, o trabalho com problemas reais dos produtores e o fornecimento de curadoria técnica ao setor.

Leia Também:  CAFÉ/CEPEA: Indicador do arábica sobe quase 180 Reais/sc na parcial deste mês

Participaram da audiência pública representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

Assista a audiência pública na íntegra:

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Sétima edição da Feira Natural do Campo traz artesanato

Publicados

em


Roupas em crochê e peças de decoração feitas em palha de babaçu. Essas foram as novidades para quem compareceu na edição da Feira Natural do Campo, desta quarta-feira (01.12).

Juscimeire Maria de Arruda, artesã de Cuiabá, trouxe conjuntos, croppeds, coletes, mochilas e bolsas em crochê. Ela que tinha o crochê como hobby, o tornou profissão após ficar desempregada na pandemia. A Feira foi uma oportunidade de mostrar o seu trabalho.

“Minha filha me inscreveu e eu aceitei vir e mostrar os meus produtos”, afirma.

Vindo de Nossa Senhora do Livramento, Juliano Pinto Moura, trouxe artesanatos feitos em palha de babaçu. “Comecei a produzir em 2010, depois de aprender sozinho”. Juliano, que já é experiente em feiras na sua cidade, afirma que essa é a primeira vez que expõe seus produtos em um shopping. “É a primeira vez que eu venho e estou achando bom”.

Rita de Cássia, do Distrito de Aguaçu, expôs na Feira pela quarta vez, mas nessa semana também trouxe uma novidade: o feijão de corda. “Hoje uma cliente levou cinco pacotes porque lembra a infância dela e fazia muito tempo que não encontrava para comprar. É gratificante ajudar a relembrar essa memória”.

Leia Também:  ‘Sem essa ajuda, não teria café da manhã na minha casa’

Primeira vez – Esta edição foi a primeira da produtora rural Jucilene Moraes, do Distrito de Aguaçu. Ela trouxe variedades de alface, couve, jiló, maxixe, dentre e outros produtos. ” Sempre tive contato com o campo e agora vivo apenas dele. A Feira é uma oportunidade de nos tornar conhecidos”.

A Feira realizará a sua última edição de 2021 na próxima quarta-feira (08.12), feriado municipal. O evento ocorrerá das 17h às 21h, no estacionamento do Shopping Estação Cuiabá.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA