PORTO VELHO

Agronegócio

CNA debate mercado futuro e previsibilidade de preços do leite

Agronegócio


Brasília (10/05/2021) A Comissão Nacional de Pecuária de Leite da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu na segunda (10) para discutir, entre outros temas, as oportunidades do mercado futuro e a falta de previsibilidade do preço do leite pago ao produtor.

Segundo o presidente da Comissão, Ronei Volpi, o mercado futuro é uma forma de o produtor vender o seu produto por um preço já conhecido, garantindo a margem no cálculo dos custos de produção. “É uma opção de comercialização aos produtores que precisam controlar a gestão de riscos”.

O diretor de Política Agrícola e Informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Sérgio De Zen, afirmou que a previsibilidade dos preços na pecuária de leite é fundamental. “O risco de preços passa pelo mercado futuro e através dele há uma transferência desse risco a fundos que estão dispostos a comprá-lo”.

De acordo com De Zen, o risco de preço foge do controle dos produtores, que não têm como financiar o fluxo de caixa. “Há uma diferenciação entre região, produto final e sistemas de produção, o que dificulta ainda mais a previsibilidade dos preços pagos pelo leite”.

Durante a reunião também foi discutida a situação do Programa Mais Leite Saudável (PMLS) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A inciativa permite que agroindústrias, laticínios e cooperativas participantes utilizem créditos presumidos do PIS/Pasep e da Cofins, da compra do leite in natura usado como insumo para produtos lácteos, em até 50% do valor a que tem direito, desde que apliquem 5% do montante em projetos de assistência técnica ao produtor.

Leia Também:  SUÍNOS/CEPEA: Demanda mantém preços do suíno em alta

A coordenadora-geral de Produção Animal do Mapa, Marcella Teixeira, informou que, em cinco anos, o programa já atendeu 83 mil produtores. “São 1.014 projetos em 2.342 municípios e, desde 2015, já foram investidos R$ 418 milhões”.

Teixeira também falou do Plano de Qualificação de Fornecedores de Leite (PQFL), instituído pela Instrução Normativa nº 77/2018, em que é definida a política do laticínio em relação à capacitação e qualificação dos seus fornecedores de leite. “O Plano é mais abrangente e permite o aprimoramento do PMLS no campo”.

O assessor técnico da CNA, Guilherme Souza, disse que o objetivo da apresentação foi discutir a situação do programa nos estados, pois algumas regiões ainda o desconhecem e lacticínios de menor porte têm encontrado dificuldades no credenciamento ou na previsão creditícia para sua operacionalização. A criação de um comitê para tratar dos indicadores dentro da porteira no âmbito do Mais Leite saudável foi debatida.

Outro tema que esteve na pauta da reunião foram as perspectivas para o mercado de leite em 2021 e 2022. De acordo com o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Glauco Carvalho, os preços internacionais de lácteos estão em patamar mais elevado, com destaque para manteiga e queijo.

Leia Também:  Senar Goiás capacita famílias que recebem apoio do Estado para ter renda com produção de aves, peixes e hortas

“O preço pago ao produtor segue uma tendência de alta, sustentado pela redução da oferta interna e pequena recuperação nos derivados. Outra perspectiva é com relação à importação de lácteos pelo Brasil que segue em desaceleração e a exportação em aceleração, com importante desempenho em abril”.

Glauco pontuou alguns desafios para o setor em 2021/2022, como os custos de produção elevados e a demanda fraca contínua, consequência da pandemia do coronavírus, que diminuiu o poder de compra dos consumidores.

Para Ronei Volpi, os dados mostram que a previsão para esse ano é de mais dificuldade no controle dos custos de produção, exigindo cautela e planejamento por parte do pecuarista.

“Precisamos alavancar as exportações brasileiras como uma forma de equilibrar a oferta e demanda e ter previsibilidade de preços. É um objetivo de médio prazo que envolve acordos comerciais e sanitários, preparo dos produtores e das indústrias com relação à competividade, boas práticas e qualidade do produto”, disse.

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

CNA levanta custos da pecuária de leite no Paraná

Publicados

em


Brasília (18/06/2021) – A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) realizou nesta semana três painéis do Projeto Campo Futuro para levantar os custos de produção da pecuária de leite no Paraná.

Os encontros virtuais contaram com o apoio de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) e a participação de produtores rurais e representantes de sindicatos dos municípios de Castro, Cascavel e Toledo.

De acordo com o assessor técnico da CNA, Guilherme Dias, resultados preliminares revelaram que, de maneira geral, o concentrado é o principal item dos custos de produção, representando cerca de 40% do Custo Operacional Efetivo (COE) da atividade leiteira.

Toledo – O levantamento de custo em Toledo foi realizado na sexta (18). No município, predomina a produção em pequenas propriedades, de 25 hectares, com produção diária de 700 litros de leite de uma ordenha de 41 animais. Segundo Dias, a mão de obra é predominantemente familiar e o sistema de produção é semiconfinado.

“A alimentação do rebanho foi o item que mais pesou no bolso do produtor, com a ração concentrada comprometendo cerca de 43% da receita da atividade”, explicou.

Leia Também:  ALGODÃO/CEPEA: Com "queda de braço" entre agentes, preço segue firme

Cascavel – Os produtores de Cascavel participaram do levantamento de custo na quinta (17). Durante o painel, foi relatada a evasão da atividade por parte dos produtores com dificuldades de escala, em função dos elevados custos de produção.

O rebanho desses pecuaristas está sendo absorvido por produtores que têm investido na produção e possuem rebanho médio em torno de 70 vacas em lactação em propriedade modal de 50 hectares.

“Os produtores informaram que nos últimos anos também tem havido a migração do sistema produtivo semiconfinado para o sistema de compost barn. Entretanto, esses investimentos não se traduziram em maiores rentabilidades em razão das adversidades climáticas”, disse o assessor.

Castro – O painel realizado na quarta (16) apontou que a alta tecnologia está presente na maior parte das propriedades de Castro. A produção diária fica em torno de 5.500 litros, com cada animal, dos mais de 180 em lactação, produzindo 30 litros de leite por dia.

“Comparando ao painel realizado em 2017, percebemos que a inflação dos preços ao homem do campo culminou em aumento de cerca de 50% no valor imobilizado na propriedade leiteira. Nas fazendas da região os custos com alimentação giraram em torno de 58,4% do COE”.

Leia Também:  SOJA/CEPEA: Demanda firme mantém preço em alta

Panorama – Segundo o assessor técnico da CNA, o valor recebido pelo leite cobriu os desembolsos dos produtores em todas as regiões pesquisadas. Contudo, as margens da atividade seguem apertadas.

“Ao calcular a margem líquida, surge a preocupação quanto à capacidade de manutenção da atividade no médio prazo. Com relação aos custos totais, nenhum dos sistemas produtivos foi capaz de suplantar tais custos”, destacou.

Assessoria de Comunicação CNA
Foto: Wenderson Araújo
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
cnabrasil.org.br
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA