PORTO VELHO

Agronegócio

Leite: ATeG leva mais qualidade e profissionalismo para fazenda

Agronegócio


Os números sempre fizeram parte da vida de José Antônio Minarrini, mas, nos últimos anos os cálculos têm sido outros. Professor aposentado de matemática, e também com alguns anos dedicados à Engenharia Civil na capital mineira, ele substituiu a rotina da sala de aula pelo campo e, agora, as contas que faz buscam ajudar na boa gestão da fazenda em Olhos D’Água, no Norte de Minas, onde assumiu a direção. Com a ajuda do Sistema FAEMG/SENAR/INAES/Sindicatos, a propriedade, de 134 hectares, tem se destacado. Prova disso é que José Antônio recebeu, pelo terceiro ano consecutivo, a certificação “Fazenda Nota 10” da Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR), que avalia, entre outros pontos, critérios de bem-estar animal, gestão, infraestrutura e qualidade do leite.

Leite: ATeG leva mais qualidade e profissionalismo para fazenda - SENAR MINAS
José Antônio Minarrini e as certificações

“Eu não tinha nenhuma experiência, não chegava nem perto da cerca do curral com receio do gado, mas comecei a me inteirar. A propriedade era da família da minha esposa, seria vendida, mas tinha muita coisa para colocar em dia e regularizar. Nesse processo, fui entendendo mais sobre a atividade, passei a ler bastante e aumentar minhas visitas, até que me mudei de vez”, lembrou o produtor rural. Hoje, são mais de 25 vacas em lactação, gerando uma média de 360 litros de leite por dia, o que só foi possível após muito empenho para reestruturar a metodologia de trabalho na propriedade. “Primeiro eu visitei a fazenda junto a um técnico para conhecer os procedimentos adotados. Vi que precisava de algo maior e busquei informações. Foi quando encontrei o Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) e mudei os métodos de trabalho”.

Leia Também:  "Escorregando no banheiro": Governador Marcos Rocha esquece da reforma da previdência no Estado

Com auxílio do técnico de campo do ATeG Balde Cheio, no ciclo que se encerrou em 2021, várias mudanças foram implantadas ao longo dos últimos anos. “Começando com a organização do gado, que não tinha antes. Todos agora têm registro e utilizo aplicativos para acompanhar os animas. Implantei o pastejo rotacionado, com cerca de um hectare irrigado. Mudei o manejo, acrescentando estrutura de bebedouros. Também mudei o sistema da ordenha, que era lavada uma vez por semana e, agora, duas vezes ao dia para manter o leite em uma qualidade boa. Também modifiquei a ração oferecida aos animais, entre outros”.

O supervisor do ATeG Balde Cheio na região, Lucas Leocádio, acompanhou esse processo de perto. Para ele, a terceira certificação do Fazenda Nota 10 ratifica o trabalho do Sistema FAEMG junto aos esforços do produtor rural. “Esta certificação de boas práticas tem os pilares do bem-estar animal, gestão econômica, higiene nas práticas de ordenha, saúde do animal e cuidados com o meio ambiente. Na propriedade do José Antônio, algumas destas tarefas já eram executadas, mas não existia procedimento operacional montado. Introduzimos isso na propriedade, dando um aspecto ainda mais empresarial. Muito se discute sobre a importância de enxergar a fazenda como empresa, mas nem sempre é colocado na prática. Neste caso, conseguimos. Quando se consegue resultado como este, quando ganha um reconhecimento, você vê a satisfação de todos os envolvidos no processo”.

Leia Também:  Senar segue entregando cestas básicas do programa Agro Fraterno a agricultores de subsistência
Leite: ATeG leva mais qualidade e profissionalismo para fazenda - SENAR MINAS
Lucas Leocádio (à esquerda) e o produtor José Minarrini

Novas dinâmicas

Tudo o que é feito na propriedade é anotado. Mais um legado deixado pela assistência técnica que o professor faz questão de manter como ordem no dia a dia. Essa dinâmica garantiu, por exemplo, um maior controle da alimentação em uma região com chuvas inconstantes. Segundo o produtor rural, a alimentação para o período da seca deste ano já está preparada desde o fim de 2021. Com a adesão de silos, José Antônio acompanha a média de produção para a quantidade de gado e também inclui a previsão de novos animais que podem chegar na área de trato.

“Se tiver que fazer algo, tem que ser bem-feito. Vi que alguns produtores que seguem até hoje o mesmo conceito de trabalho dos pais de 30 anos atrás não aceitam mudanças e não evoluem. Para mim, é necessidade ter tudo planejado ao máximo. Toda vez que recebo a certificação de qualidade, tenho muito orgulho. Coloquei alguns objetivos lá atrás e tenho certeza que irei alcançá-los. Os propósitos são combustíveis para seguir com vitalidade. E isso é graças à intervenção e orientação técnica em campo”.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Com demanda superior à oferta, preços da laranja seguem em alta

Publicados

em

Mesmo com as mudanças de temperatura durante esta semana, que poderiam ter influenciado o consumo, a demanda por laranjas permaneceu superior à oferta. Diante disso, os preços da fruta seguem em alta.

De segunda a quinta-feira (15-18), a laranja pera teve preço médio de R$ 37,15/cx de 40,8 kg, na árvore, com aumento de 0,67% em comparação com o da semana passada. Para a lima ácida tahiti, os valores também seguem em elevação. Nesta semana, a tahiti tem média de R$ 45,55/cx de 27 kg, colhida, aumento de 9,74% frente à do período anterior.

Além da baixa oferta devido ao próprio calendário da colheita da fruta, alguns compradores ainda têm relatado dificuldades para encontrar lotes de boa qualidade.

Fonte: AgroPlus

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Aposta única leva prêmio de R$ 8,1 mi da Mega-Sena; veja números sorteados
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA