PORTO VELHO

Agronegócio

Paraná conquista o certificado de área livre de febre aftosa sem vacinação

Agronegócio


O Paraná obteve, nesta quinta-feira (27), o reconhecimento internacional como área livre de febre aftosa sem vacinação. A conquista do novo status sanitário foi oficializada na 88º Assembleia Geral da Organização Mundial da Saúde (OIE), realizada em Paris, na França, de forma online. Com isso, o Estado passa a ostentar o mais elevado selo de sanidade, equiparando-se a países como Canadá, Austrália, Japão e da União Europeia (UE). O novo status abre caminho para que os produtos pecuários do Paraná possam acessar mercados mais exigentes. Também obtiveram o reconhecimento o Rio Grande do Sul e os Estados do Bloco I – Acre, Rondônia e parte do Amazonas e do Mato Grosso.

“A partir de agora, nós não vendemos apenas carnes para o mundo, mas também segurança alimentar. Esse novo certificado estampado nos produtos paranaenses certamente vai abrir novos mercados, que pagam mais. Afinal, o olhar sobre os nossos produtos vai mudar para melhor”, aponta o presidente da FAEP, Ágide Meneguette. “Importante ressaltar que o selo não abre portas apenas à bovinocultura, mas a toda pecuária, principalmente suinocultura, que tem grande potencial de expansão, avicultura, pecuária leiteira e piscicultura”

O reconhecimento internacional como área livre de febre aftosa sem vacinação coloca o Paraná em um outro patamar, que permite acessar mercados que pagam mais pelos produtos. Com a chancela, os players paranaenses vão poder acessar países até então restritos.

Trajetória

A consolidação do sistema sanitário do Paraná é resultado de trajetória de décadas, a partir da união de esforços das iniciativas pública e privada. Para isso, o Sistema FAEP/SENAR-PR ocupou um papel indispensável, auxiliando a pavimentar o caminho a ser percorrido. A Federação foi pioneira ao investir em diferentes frentes para conduzir o processo de convencimento à priorização da sanidade por parte de vários governos que passaram pelo Palácio Iguaçu. Além de incentivar a organização do setor, a FAEP auxiliou em ações que exigiram mobilização, coordenou missões de lideranças políticas e administrativas e promoveu viagens para técnicos e produtores, fomentando a cultura da importância da sanidade animal para o agronegócio.

Leia Também:  SENAR capacita produtores rurais no curso Recuperação de Nascentes em Barrolândia

“Nós sempre atuamos pelo fortalecimento do sistema sanitário paranaense, seja buscando conhecimento para mostrar ao setor a importância econômica, seja investindo em infraestrutura e corpo técnico”, destaca Meneguette.

Há décadas, a entidade começou um trabalho direto para avançar rumo ao reconhecimento do Paraná pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), por meio do suporte ao cumprimento dos trâmites necessários para obter novas certificações de condição sanitária.

Investimentos robustos

A chegada dos anos 1990 marcou um período de intensa mobilização do campo paranaense e formação de uma infraestrutura sólida em sanidade animal. A FAEP passou a investir mais diretamente neste processo e assumiu o protagonismo da parceria público-privada.

“Houve uma participação mais ativa das instituições ligadas ao agro, capitaneadas pela FAEP”, destaca Ronei Volpi, diretor-executivo do Fundo de Desenvolvimento Agropecuário do Estado do Paraná (Fundepec), que coordenou o núcleo de defesa agropecuária no Sudoeste do Paraná, nos anos 1970.

EM 1996, a FAEP propôs a criação da Lei de Sanidade Animal no Paraná, complementando a legislação federal. A Lei 11.504, de 6 de agosto daquele ano, permitiu um aperfeiçoamento e modernização das normas e regras, facilitando ao produtor cumprir as reponsabilidades na manutenção sanitária.

Então, o SENAR-PR passou a colaborar de forma efetiva na formação técnica de profissionais. Foram centenas de treinamentos e capacitações, contribuindo de forma substancial para a formação de recursos humanos da defesa sanitária paranaense, além de contribuir na formação da consciência sanitária dos produtores. A combinação destes fatores fez com que, em 1996, o número de casos de febre aftosa no Paraná chegasse a zero.

Leia Também:  Curso gratuito vai mostrar as oportunidades e desafios pós-pandemia para o agro brasileiro nos países islâmicos

Houve, então, uma grande articulação técnica e política para que o Estado pleiteasse o status de área livre de febre aftosa com vacinação junto à OIE.

Estratégias

Segundo Antonio Poloni, secretário estadual de Agricultura de 1998 a 2001 e hoje assessor da presidência da FAEP, a Federação foi responsável por mobilizar as equipes de governo ao longo de diferentes mandatos para priorizarem a sanidade. “Foi preciso convencer os governos e as demais entidades representativas do campo a participarem desse desafio de fazer o Paraná pioneiro em questão sanitária”, afirma.

Nos anos 2000, o Paraná recebeu o reconhecimento internacional de área livre de febre aftosa com vacinação, o que coroou a primeira etapa dos esforços de uma longa caminhada.

Em 2018, a então governadora do Estado, Cida Borghetti, encaminhou um ofício ao Mapa pedindo a suspensão da vacinação contra a doença em maio de 2019, com o compromisso de implementar as ações e metas previstas no Programa Nacional de Erradicação de Febre Aftosa (PNEFA). Em 2019, Paraná oficializou a retirada da vacina contra aftosa, dando sequência à conquista do novo status. No mesmo ano, a Federação promoveu os encontros do Fórum Regional Paraná Livre de Febre Aftosa Sem Vacinação, também em parceria com outras entidades privadas do agro. Os eventos, que percorreram seis cidades, tiveram o objetivo de debater o futuro do Estado em relação à obtenção do novo status de área livre de febre aftosa sem vacinação.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

CNA Jovem destaca inovação e empreendedorismo na programação de sábado

Publicados

em


O multiempreendedor Tiago Mattos é o único professor brasileiro na maior escola de inovação do mundo

Brasília (19/06/2021) – A programação do segundo encontro nacional do CNA Jovem de sábado (19) focou no debate sobre o manifesto do Sistema CNA/Senar “Alimentar é construir o futuro”, e em temas como inovação e empreendedorismo e a busca de soluções para os desafios mais complexos da agropecuária.

Na abertura do encontro, que ocorre de forma totalmente remota, a diretora de Educação Profissional e Promoção Social do Senar, Janete Almeida, ressaltou a dedicação dos participantes.

“Ao longo desses 10 meses da quarta edição do programa, que teve início em agosto de 2020, observamos que os jovens estão extremamente empenhados no propósito de liderança empreendedora, que vem sendo lapidado a cada atividade”.

Os consultores Paulo Crepaldi e José Luiz Tejon e a diretora, Janete Almeida
Os consultores Paulo Crepaldi e José Luiz Tejon e a diretora, Janete Almeida

Na parte da manhã, os 80 jovens líderes conheceram o manifesto “Alimentar é construir o futuro”, apresentado pelos consultores do Sistema CNA/Senar, Paulo Crepaldi e José Luiz Tejon.

O movimento engloba uma série de iniciativas para o desenvolvimento de ferramentas de entendimento para construir um futuro melhor. Os consultores interagiram com as novas lideranças para explicar os conceitos de união, convergência e entendimento em prol daqueles que vivem no campo ou na cidade.

Leia Também:  Solenidade marca início de treinamentos para Corpo de Bombeiros

Para conhecer o manifesto, assista:


A jovem Ana Carolina Zimmermann é integrante de um dos grupos, cujo desafio é propor uma solução inovadora para fazer funcionar a ignição da comunicação entre jovens líderes do campo e da cidade, além de criar um espaço para o diálogo sobre a sustentabilidade do sistema alimentar.

Ana Carolina Zimmermann
Ana Carolina Zimmermann

“A narrativa é muito importante. Justamente por isso, às vezes a gente se pergunta como aplicá-la na prática em conversas do dia a dia para que o discurso que envolve o manifesto, de que o alimento que une a todos, seja praticado”, refletiu Ana Carolina.

A programação e os debates foram conduzidos pelos consultores do CNA Jovem, Gino Terentim e Ricardo Dornas.

Na parte da tarde, os jovens assistiram à palestra sobre inovação e futurismo com o multiempreendedor Tiago Mattos, único professor brasileiro da Universidade Singularity, nos Estados Unidos, considerada a maior escola de inovação do mundo, criada pela Nasa e pela Google.

“Quando ligamos conceitos relacionados ao agro e à tecnologia, o repertório fica mais atualizado e conseguimos avaliar melhor as soluções tecnológicas a serem propostas. Nós (empreendedores) não conseguimos prever o futuro e nem precisamos porque nós vamos construir o passo a passo do futuro”, disse aos jovens.

Thiago Mattos compartilhou os cinco segredos que descobriu empreendendo
Thiago Mattos compartilhou os cinco segredos que descobriu empreendendo

No bate-papo, ele compartilhou um vasto conteúdo sobre pensamento empreendedor, soluções tecnológicas, além de segredos e estratégias que descobriu ao empreender.

Leia Também:  CNA realiza workshop sobre mercado financeiro para o comércio exterior
A jovem Hullde Lorena
A jovem Hullde Lorena

A palestra foi uma surpresa para os jovens, que aprovaram a iniciativa.  “Participei de alguns cursos sobre reaprendizagem criativa desenvolvidos pelo Thiago em 2019 e fiquei surpresa com a palestra no CNA Jovem. Para mim, foi muito um momento muito especial”, declarou Hullde Lorena, representante da Paraíba.

O líder Thiago André tirou dúvida com o multiempreendedor Tiago Mattos
O líder Thiago André tirou dúvida com o multiempreendedor Tiago Mattos

O especialista em futurismo esclareceu dúvidas dos participantes, como a do jovem Thiago André. “A tecnologia é essencial para tudo. Mas em uma empresa, até que ponto pode ser benéfica e de que forma pode interferir negativamente?”, refletiu.

A programação de sábado também contou com uma oficina de Storyboard, técnica de representação visual para ilustração de ideias e uma live junina para o arraiá virtual com a dupla sertaneja conhecida com os meninos da pecuária, Léo e Raphael.

No domingo (20), a programação do CNA Jovem segue com palestra sobre como lidar com cansaço emocional na pandemia, oficinas de refinamento das soluções e lições de inovação para o líder empreendedor e os próximos passos da jornada.

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA