PORTO VELHO

Agronegócio

Parceria garante incremento na cadeia produtiva da apicultura

Agronegócio


A união do Governo de Mato Grosso, Sindicato Rural de Primavera do Leste e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT) garante treinamentos para capacitar os índios Xavantes da terra indígena Grande Sangradouro. Eles estão investindo na cadeia produtiva da apicultura. De acordo com a mobilizadora do Sindicato Rural de Primavera do Leste, Cassia Isabela de Oliveira Souza, o conteúdo disponibilizado aos 15 participantes será repassado aos demais integrantes da comunidade indígena.

A mobilizadora conta que está parceria entre Senar-MT, Sindicato Rural e os indígenas existe há três anos e é intermediada pela Cooperativa Rural de Primavera do Leste.  “Percebemos a necessidade de capacitação para os indígenas. Buscamos os treinamentos e as aulas práticas foram feitas com as 90 caixas de mel doadas pelo Governo do Estado, por meio do projeto Programa MT Produtivo – Apicultura”.

Cassia acrescenta que o Senar-MT tem a projeção de realizar outros cursos de capacitação junto à comunidade indígena. “Um deles será o de mecanização agrícola”.

Leia Também:  AÇÚCAR/CEPEA: Alta externa e baixa oferta no Brasil elevam preços do cristal

O cacique Bartolomeu Patira, da comunidade da Aldeia Sangradouro, elogiou o incentivo que os indígenas têm recebido para desenvolver a apicultura na região. “Não podemos ficar parados no tempo. Temos área suficiente e o mais importante: interesse em produzir mel e, portanto, é de muita valia esse apoio que temos recebido”, complementa o líder.

Programa MT Produtivo-Apicultura

O Governo de Mato Grosso, por intermédio da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), e da Superintendência de Assuntos Indígenas, ligada a Casa Civil, entregou 90 caixas de mel aos índios Xavantes da terra indígena Grande Sangradouro, em Primavera do Leste. A entrega, realizada no fim de maio visa incluir a comunidade indígena na ação governamental de fortalecimento da apicultura. A ideia é aumentar nos próximos anos a produção de mel, passando dos atuais 471 toneladas de mel/ano para 651 t/a.

Esta ação integra o programa MT Produtivo – Apicultura, que prevê a disponibilização de 6 mil caixas de mel para agricultores familiares e também indígenas de todas as regiões do Estado até o final de 2021.

Leia Também:  Programa do Senar melhora desempenho escolar de adolescentes no campo

Além da comunidade indígena, produtores familiares que já atuam na atividade apícola, porém com baixa produção ou para consumo próprio, também estão sendo beneficiados com a doação de caixas de mel.  No total 714 caixas de mel já foram entregues nas cidades de Cuiabá, Confresa, Nortelândia, Porto Esperidião, Canarana, Vera, Querência, Primavera do Leste e Barão de Melgaço.

O superintendente do Senar-MT, Francisco Olavo Pugliesi de Castro, popularmente conhecido como Chico da Paulicéia destaca que a instituição contribuirá com este projeto capacitando os interessados em desenvolver a atividade. “Já temos sete cursos programados para os próximos três meses”. Estes treinamentos acontecerão nos municípios de Novo Horizonte, Paranatinga, Portal do Araguaia, São José dos Quatro Marcos, Rondonópolis, Poconé e Nova Mutum.

Os interessados nos treinamentos ofertados pelos Sindicatos Rurais e Senar-MT devem procurar o sindicato de seu município para ver se há turmas previstas e se há vagas.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

CNA debate escassez de milho para a produção agropecuária

Publicados

em


Brasília (21/06/2021) – A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou, na segunda (21), de uma audiência pública para debater a escassez de milho para a produção agropecuária.

A discussão foi promovida pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados, por meio de requerimento da deputada federal Soraya Manato (PSL/ES), e reuniu representantes do setor e do Governo.

O diretor técnico da CNA, Bruno Lucchi, ressaltou a gravidade da menor oferta do cereal para atender as cadeias de bovinos, aves e suínos.

Em relação ao cenário atual, ele destacou pontos como quebra de, aproximadamente, 6% da produção da 2ª safra, estoques menores, aumento de 5,1% no consumo doméstico, contratos de exportação a serem cumpridos, aumento da necessidade de importação e competição entre soja e milho 1ª safra no sul do Brasil na safra 2021/2022.

“A CNA tem uma visão global sobre a agropecuária brasileira e temos buscado alternativas para a redução dos custos dos pecuaristas e fomento à produção desse importante cereal”, afirmou Lucchi.

Segundo Lucchi, os preços já estão em valores recordes e a sinalização é de uma média superior a R$ 85/saca para o segundo semestre, conforme a B3, mantendo o cenário complicado para os produtores. As importações do cereal, principalmente do Paraguai, seguem crescendo neste ano, mas a recente liberação da importação de milho transgênico poderá conter o preço da saca e evitar especulações nos próximos meses.

Leia Também:  Abertas inscrições para o Curso Técnico em Agropecuária do Senar/MS

Entre as propostas apresentadas pela CNA para a diminuição dos custos estão a redução a zero das alíquotas de PIS/Cofins incidentes sobre rações e suplementos destinados à produção animal, isenção da cobrança do Adicional do Frete para a Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) incidente sobre insumos destinados à ração animal e sobre fertilizantes, além da recomposição dos estoques de milho da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) a fim de que possam ser utilizados no Programa de Venda em Balcão.

Para estimular o plantio do cereal em importantes regiões consumidoras, a Confederação sugere subvencionar as opções de venda do milho, com o intuito de assegurar menor volatilidade de preços aos agricultores. Além disso, é importante manter o percentual de subvenção diferenciado para o seguro faturamento, incentivar as seguradoras a desenvolver e melhorar produtos de seguro por talhão e aumentar o nível de subvenção do milho 1ª safra de 20% e 25% para 35%.

“Precisamos ter algo estruturante e uma oferta de acordo com o crescimento da nossa agropecuária. Sabemos que o momento é turbulento, mas existem ações paliativas que podem ser tomadas até que cheguemos a uma nova safra”, disse o diretor técnico da CNA.

Leia Também:  AÇÚCAR/CEPEA: Cotações do cristal continuam firmes no mercado spot

A audiência também contou com a participação do diretor executivo da Associação de Avicultores do Espírito Santo (Aves), Nélio Hand; do superintendente do Ministério da Agricultura no Espírito Santo, Aureliano Costa; do diretor do Departamento de Comercialização e Abastecimento da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Silvio Farnese; do superintendente de Abastecimento Social da Conab, Diracy Betânea Lacerda; do superintendente Regional do Espírito Santo da Conab/ES, Kerley Mesquita de Souza; do presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin; e do presidente Institucional da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), Cesário Ramalho.

Assessoria de Comunicação CNA
Foto: Wenderson Araujo
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA