PORTO VELHO

Agronegócio

Senar-MT completa 28 anos de história e dedicação ao homem do campo

Agronegócio


Nesta quarta-feira (07.04), o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT) completa 28 anos de história. Com a missão de promover o desenvolvimento profissional e social para o meio rural com soluções integradas educacionais, a instituição já ultrapassou o atendimento de mais de um milhão de pessoas, não só formando profissionais para trabalharem no campo, como também levando serviços, cultura e lazer para as comunidades rurais.

Integrante do Sistema “S”, o Senar-MT – em parceria com os 93 Sindicatos Rurais – realiza em média cinco mil ações educacionais, por ano, em todos os municípios mato-grossenses. No portfólio são ofertados 350 treinamentos. Para realizar este trabalho a instituição conta com cerca de 300 instrutores credenciados.

Preocupado também com a infraestrutura para garantir a formação profissional rural, o Senar-MT conta com 31 Núcleos Avançados de Capacitação (Nacs) e dois Centros de Treinamentos e Difusão Tecnológica (CTs). Além de polos de formação de mão de obra, os CTs permitem aos produtores rurais um ambiente de conhecimento teórico e prático com os produtos e tecnologias de ponta do mercado. Para isso, o Senar-MT conta com 42 parceiros sem exclusividade de marcas.

Leia Também:  Ação da Assembleia foi fundamental para Rondônia declarar fim da vacinação contra aftosa

Outro destaque da instituição é o programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) que presta assistência a produtores do estado de forma gratuita. A finalidade é melhorar a rentabilidade da produção. Ao todo, a AteG atende quatro cadeias produtivas: Bovinocultura de leite, Bovinocultura de Corte, Olericultura e Fruticultura em mais de 300 propriedades rurais.

Além da formação profissional rural, o Senar-MT tem contribuído com a educação formal por meio do Curso técnico em Agronegócio e também os profissionalizantes: Tecnologia em gestão do agronegócio, Processos gerenciais, Gestão Ambiental e em Recursos Humanos, todos em parceria com a Faculdade CNA.

O Senar-MT, ao longo dos seus 28 anos, segue proporcionando ao homem do campo qualificação, conhecimento e promoção social. “Alimentando o conhecimento na vida de quem produz”.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Cadeia produtiva do coco em Trairi, no Ceará, recebe pela primeira vez Assistência Técnica do AgroNordeste – ATeG

Publicados

em


Segundo a Associação Brasileira de Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas) o Ceará é o segundo estado brasileiro na produção de  coco, perdendo apenas para a Bahia, mas precisa avançar ainda mais  na parte da comercialização. Dai a importância da Assistência Técnica e Gerencial do SENAR atuando juntamente com o Sindicato Rural de Trairi, por intermédio do programa Agronordeste, criado pelo Ministério da Agricultura, que orienta e encaminha os produtores também na obtenção de crédito.  

PRODUTOR DESTACA IMPORTÂNCIA DA ATeG 
O produtor João Alves Freire, do Sitio Camurupim, um dos assistidos pelo Agronordeste – ATEG do SENAR em Trairi, destacou a importância da assistência técnica e da parceria com o Sindicato Rural, e  segundo ele,  a cultura do coco nunca tinha recebido assistência.  “Tinhamos baixa  produtividade, muita praga, desnutrição, fata de irrigação das plantas e dificuldade de comercialização, disse João Alves. Com o apoio da técnica de campo do SENAR, Silviane, depois  de um ano de trabalho e muita persistência a   gente recebeu  novas informações,  novas tecnologias e a produção que antes era de 100 frutos/ ano planta em 2020, passou para  150 plantas ano / planta em 2021. Criamos até um grupo de whatsapp entre produtores pra trocar informações inclusive sobre o preço do coco. 

Leia Também:  Ação da Assembleia foi fundamental para Rondônia declarar fim da vacinação contra aftosa

PRINCIPAIS RESULTADOS 

1. Assistência a 30 produtores da  cadeia produtiva do coco (Coco seco, coco verde e água de coco);

2. Orientação e realização de análise de solo e foliar de 20 produtores;

3. Compra coletiva de insumos: adubos químicos, e orgânico;

4. Comercialização coletiva;

5. Orientação para Acesso a crédito rural (investimento) total de 4 produtores;

6. Orientação ao Acesso de políticas públicas (governo estadual: Fundo Desenvolvimento Agricultura familiar), para projeto de energia solar (usinas via solo e telhado): 9 produtores;

7. Produção anual: 2020: 100 frutos/ ano / planta e 2021: 150 frutos/ ano/ planta;

8. Orientação para Inscrição de produtores ao programa irrigação minha propriedade – PIMP (política pública do governo estadual): 5 produtores;

9. Orientação e apoio na Inscrição das Associações dos Moradores da Grande Região Camurupim e Carapeba no projeto São Jose IV, edital 1.1 Comercialização; 

10. Apoio para Comercialização junto às indústrias beneficiadoras:  ADELCOCO e DICOCO;

11. Orientação na Elaboração da proposta Fundo Brasil no valor de R$ 45.000,00 (objetivo: fomentar a construção de galpão para comercialização);

Leia Também:  Produtores de Porto Velho participam do Dia de Campo do Café Clonal

12. Apoio na elaboração de projeto para a agroindústria (consulado japonês).

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA