PORTO VELHO

Agronegócio

Trabalhadora aprende profissão em treinamento e se torna operadora de máquinas

Agronegócio


Viviane Capela Faria, 31 anos é operadora de máquinas agrícolas e atua no setor de pulverização. Ela iniciou na profissão depois de ter feito um treinamento ofertado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT).

Moradora do Assentamento Jonas Pinheiro, no município de Sorriso, Viviane conta que este já é o segundo treinamento de operação de máquinas agrícolas que ela participa. “Os cursos ofertados pelo Senar-MT em parceria com o Sindicato Rural são fantásticos porque temos a oportunidade de estudar a teoria na prática”.

Para Viviane o contato com as máquinas é primordial para aqueles que querem estar sempre bem capacitados. Ela acrescenta ainda que ao concluírem as aulas, os participantes dos cursos saem preparados para atuarem em qualquer área do setor de máquinas e equipamentos agrícolas. “Este curso que fiz no Centro de Treinamento de Sorriso acrescentou muito à minha carreira”.

O curso aplicação de agrotóxico utilizando o autopropelido está entre os mais solicitados junto ao Senar-MT. O objetivo é capacitar o trabalhador para trabalhar no setor de pulverização.

Leia Também:  Mega-Sena acumula de novo e vai a R$ 40 milhões na segunda-feira; veja os números

Mais que capacitação, o Senar-MT também oferece ao homem do campo por meio dos Sindicatos Rurais a Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) e vários outros serviços dentro de programas especiais como o Mutirão Rural, Colheita de Talentos e Equoterapia.

Para saber mais acesse o www.senar-mt.org.br ou procure o Sindicato Rural de seu município.Viviane Faria começou a trabalhar como operadora de máquinas agrícolas após uma capacitação do Senar-MT.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Projeto Campo Futuro promove primeiros painéis de 2022

Publicados

em

Brasília (27/05/2022) – O Projeto Campo Futuro iniciou os levantamentos de custos de produção agrícolas e pecuários de 2022 nesta semana. Foram realizados painéis sobre pecuária de leite, cafeicultura e cana-de-açúcar em Santa Catarina, São Paulo e Paraíba.

Os encontros sobre bovinocultura de leite aconteceram em Santa Catarina e reuniram produtores de leite, técnicos de campo, representantes de laticínios e agentes de comercialização de Treze Tílias, na terça (24), e de Braço do Norte, na quinta (26).

Na região de Treze Tílias predominam empreendimentos rurais familiares com, aproximadamente, 30 hectares, que produzem 500 litros por dia, com a ordenha de 25 animais da raça holandesa. 

A produtividade média é de 8.700 litros por hectare/ano, que associada a bons índices zootécnicos em relação à idade no primeiro parto, taxas de lotação em área de pastagem superiores a 1,8 UA/ha e produtividade animal em torno de 22 litros/cabeça dia, permite um bom aporte tecnológico na atividade.

Segundo o assessor técnico da CNA, Guilherme Souza Dias, em relação aos custos, o principal item nos desembolsos dos produtores foi a alimentação concentrada, que compromete cerca de 30% da receita do leite. A produção de alimentos volumosos por sua vez representa mais 13% do montante, enquanto a suplementação mineral responde por mais 3%. Com isso, o principal item identificado nos custos de produção foi a alimentação do rebanho, comprometendo quase metade da receita com o leite na propriedade.

Em Braço do Norte foram caracterizadas propriedades modais de cerca de 650 litros/dia, obtidos com a ordenha de 43 animais da raça Jersey, com produtividade média de 15 litros/dia. 

Leia Também:  Caiu a "casinha": Liberação do auxílio emergencial passará por cruzamento com dados do IR

O empreendimento se mostrou viável no curto e médio prazos, com a receita bruta permitindo a remuneração dos custos operacionais efetivos e totais. Os custos com a dieta comprometeu cerca de 55% da receita com o leite, com o concentrado respondendo por 44% do total, seguido pela silagem (7%), produção de forragens de inverno (1,98%) e suplementação mineral (1,97%).

O diretor executivo da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), Enori Barbieri, destacou a importância do evento e as preocupações com a atividade leiteira, que tem apresentado queda no número de produtores no estado em função do pequeno porte das propriedades e dos elevados custos de produção.

Cafeicultura

O painel, realizado na terça (24), contou com a participação de cafeicultores da região de Franca (SP) e representantes da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp). O moderador foi o presidente do Sindicato Rural do município, José Henrique Mendonça.

A propriedade modal da região tem 50 hectares de lavoura com produtividade média de 25 sacas de 60kg de café beneficiado por hectare. O levantamento apontou redução na produtividade média em decorrência de adversidades climáticas em dois anos consecutivos: seca, em 2020, e três geadas, em 2021.

A condução dos tratos culturais e da colheita são mecanizados para este modal. O Custo Operacional Efetivo (COE) para a saca de 60kg foi 119% maior em comparação ao índice calculado no levantamento de 2021. Com isso o modal produtivo apresentou margem bruta positiva, arcando com os custos de desembolso, contudo a margem líquida foi negativa, em R$ 18,29/saca, resultado do impacto dos custos fixos com a atividade.

Leia Também:  #ESBR: MORADORES DO REASSENTAMENTO RURAL COLETIVO VIDA NOVA E REGIÃO PARTICIPARAM DE CURSO SOBRE AVICULTURA

Conforme a assessora técnica da CNA, Raquel Miranda, em comparação com o painel realizado em 2021 para a mesma propriedade modal, os componentes do custo de produção elevaram-se nas seguintes proporções: mecanização (67%), mão de obra (69%), defensivos (87%), corretivos (107%) e fertilizantes (141%).

Cana-de-açúcar

O encontro, que ocorreu na sexta (27), contou com a participação de produtores de João Pessoa (PB) e representantes da Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba (Faepa) e da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan).

Para a região foi determinada uma propriedade modal de 100 hectares, com ciclo médio de cinco cortes, onde 100% do plantio e da colheita são realizados manualmente.

De acordo com a assessora técnica da CNA, Eduarda Lee, a produtividade da cana caiu em relação à safra anterior, saindo de 48 para 41 toneladas/ha, pois algumas áreas chegaram a apresentar perdas de 30% a 50% da produção devido às condições de estresse hídrico enfrentadas na região. Dentre os componentes de produção que apresentaram altas expressivas de preço está o diesel.

O levantamento dos dados apresentados nos quatro painéis do Campo Futuro contaram com o apoio do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), Centro de Inteligência de Mercados da Universidade Federal de Lavras (CIM/UFLA) e Pecege (Esalq/USP).

Assessoria de Comunicação CNA
Foto: Wenderson Araujo
Telefone: (61) 2109-4135/1421/1447
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA