PORTO VELHO

Artigos

Foi no Bar do Canto

Artigos

O Movimento de Criação Cabeça de Negro nasceu no Bar do Canto

Recebemos a triste e lamentável notícia que o Bar do Canto fechou as portas. Agora só nos resta lembrar o que foi o Bar do Canto para nossa cidade de Porto Velho. Na verdade, o verdadeiro Bar do Canto já tinha fechado há muito tempo,  desde quando – no reparte da herança da tradicional família –  o tradicional ponto ficou para o irmão Ivo, ex-boêmio e cristão católico praticante que depois que parou de beber   passou a detestar bebida alcóolica  e muito mais conversa com bêbado, o que lhe levou encerrar as atividades de bar e continuou o comércio, que o pai Pedrinho deixou, no ramo da alimentação, diga-se de passagem, o Ivo é um excelente chef, inclusive, é bom registrar, a receita do famoso bola Moca do Bar do Canto, é do Ivo. Em tempo, o Bar do Canto fecha e ficamos sem o melhor bolo Moca da cidade.

Pois bem, não era mais o bar, mas o restaurante/lanchonete manteve a marca: Bar do Canto, e assim, manteve a tradição para a alegria dos porto-velhenses, que trazem na vida e na alma aquele local como um ponto de referência de encontros e bate-papos saudáveis e criativos. O Bar do Canto era uma referência.

Dentre as tantas referências do Bar do Canto vou relatar uma. No Bar do Canto nasceu o Movimento de Criação Cabeça de Negro que na década de 80 e nos primeiros anos da década de 90, do século XX, agitou a cidade de Porto Velho defendendo a igualdade racial e o respeito pela cultura ribeirinha cabocla que naquele momento sofria a invasão de levas de migrantes de todas as regiões do Brasil, cada uma trazendo a cultura da sua região. Defender a nossa era necessário.

Numa tarde quente de sábado, saio de casa, no Areal, e vou ao Bar do Canto, em busca de cerveja gelada e um bom papo. Na época, o gerente do Bar do Canto, era o poeta Mado. Vivíamos o momento da redemocratização no país e o poeta Mado tinha transformado o Bar do Canto num ponto de debates em prol da democracia. Todas as cabeças de esquerda e as malucas se encontravam no Bar do Canto para defender suas ideias  lutando para esmagar de vez a ditadura militar. Devido o local ser permanente frequentado pelos revolucionários e libertários, também era ponto, obvio, da polícia federal.

Leia Também:  A importância da Igreja para a sociedade

O Bar do Canto encarnava todos os anseios daquela juventude e daquela gente que começava a sentir o cheiro e o gosto da democracia. Jornais independentes, livros antes censurados agora liberados, músicas antes proibidas agora liberadas, tudo isso rolava no Bar do Canto. E rolava muito mais porque a moçada era produtiva então logo se armava um projeto de show, um projeto de sarau, inclusive, lá foi pensado e realizado o livro “Papo de Taberna” – uma coletânea de poesias dos poetas frequentadores do Bar, inclusive, o saudoso, Flávio Carneiro.

Ali se reunia para debater praticamente os artistas da cidade de todas as áreas. Ilustrando as paredes do Bar do Canto cópias ampliadas coloridas de quadros com tema libertários como o do pintor francês   Eugène Delacroix “A liberdade guiando o povo”, ou o do pintor italiano Giuseppe Pellizza da Volpedo “O Quarto Estado”; as músicas que rolavam iam do experimentalismo de Arrigo Barnabé e Itamar Assunção até o último LP, na época, do Milton Nascimento – Encontros e Despedidas.

Retomando, numa tarde quente de sábado, saio e vou direto para Bar do Canto. Duas para três horas da tarde. O bar ainda não estava no auge. Poucas pessoas. Numa mesa do lado de fora, pela Av. Carlos Gomes, numa mesa sozinho estava o Jeshuá Jonhson, o Bubú. Recentemente naquela época tínhamos participado de um debate sobre a questão do negro no Brasil na Universidade Federal de Rondônia. Pensei:  – ótima companhia. E fui me sentar à mesa com o Bubu.

Leia Também:  Câmara aprova urgência para votar porte rural de armas

Conversamos bastante sobre cultura principalmente quanto a luta do negro no Brasil por igualdade racial. Ele me falou de sua experiência no “Grupo Tez” no qual militou em Campo Grande, que era um braço do Movimento Negro Unificado – MNU, e lhe falei da minha experiência na militância no Movimento Alma Negra – MOAN em Manaus (AM), o qual fui um dos fundadores e primeiro presidente.

Conversa vai, conversa vem, falei para o Bubu que estava ensaiando um show, de músicas, no Sesc, com a chancela do movimento “Grito de Cantadores”, com o apoio do Júlio Iriarte que inclusive era quem estava fazendo os arranjos das músicas. O show era o “É preciso Gritar” que tinha sido elaborado em Manaus, com 14 músicas autorais;  e quando estava começando a ensaiar, terminei o curso de Comunicação Social e tive que voltar para Porto Velho.

Falei que os ensaios já estavam rolando no Sesc e convidei o Bubu para participar como produtor e diretor  no show. Ele topou e começou a ir participar dos ensaios no Sesc. O Bubu chegou com várias ideias e o show acabou saindo do Sesc e foi produzido e dirigido por nós mesmos com outras pessoas e artistas que se juntaram a nós naquele momento. O show que era “É preciso Gritar” passou a se chamar “Cabeça de Negro” e os textos e as músicas voltadas para a questão negra.  Desse show nasceu o Movimento de Criação Cabeça de Negro.

Foi no Bar do Canto que nasceu o “Cabeça de Negro” …

Foi no Bar do Canto que nasceu o livro de poesias “Papo de Taberna” …

Foi no Bar do Canto que conheci o teatrólogo professor Bedotti…

Foi no Bar do Canto que escutei “Tubarão Voadores” de Arrigo Barnabé…

Foi no Bar do Canto que dei de presente ao amigo poeta Mado o livro “Folhas de Relva” do Walt Whitman…

Foi no Bar do Canto…

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Artigos

Agro é mais que Pop!

Publicados

em

 

 

 

Mesmo sendo injustamente tratado como a “Geni” brasileira, o agro continua liderando o Brasil rumo a um novo padrão de desenvolvimento, em que a sustentabilidade ambiental, coordenada com a melhoria de índices sociais, serve como parâmetro mundial de prosperidade e de trabalho decente e justo.
Claro que ainda existem enormes avanços a serem construídos, mas é um dos setores em que o Brasil atua enquanto líder mundial na implementação das melhores práticas ambientais, sociais e de governança, também conhecidas como coluna “ESG”.
Criminosos há, entretanto, travestidos de produtores rurais, que destroem a Natureza e violentam os povos e saberes tradicionais. Buscam o lucro do extrativismo e da especulação fundiária, criando ínfimas cabeças de gado e plantando poucos pés de alguma cultura para justificarem a irregular titulação fundiária. Esses bandidos devem ser severamente responsabilizados.
O agronegócio brasileiro difere diametralmente dessa barbárie, buscando o desenvolvimento de mecanismos transparentes de governança que combatam esse tipo de criminalidade privada que só existe enquanto cultivada sob o manto da corrupção pública.
Por isso, posturas danosas são combatidas diuturnamente – como reconhecido no painel “Accelerating a just rural transition to sustainable agriculture”, na COP-26 -, com ações de reflorestamento e preservação coordenadas com práticas produtivas agropecuárias. A verdade é que o agro nacional é exemplo de postura ESG para o mundo, como referido no painel citado.
O agro brasileiro é responsável pela preservação de 33,2% das áreas ambientais no país. Os dados são resultado de um novo estudo divulgado pela Embrapa Territorial que mostrou que cerca de 1/3 das áreas protegidas no país estão dentro das propriedades rurais. O estudo analisou quase 6 milhões de estabelecimentos, por meio de dados do Censo Agropecuário e do Sistema Nacional do Cadastro Ambiental Rural (Sicar), e concluiu que os produtores preservam 282,8 milhões de hectares.
Outro dado relevante mostra que, em média, 49,4% das áreas das propriedades estão sendo utilizadas para atividade agropecuária, ou seja, praticamente metade fica preservada. Ao todo, o estudo da Embrapa indica que o Brasil possui mais de 66% de áreas protegidas e preservadas.
Ainda, a produtividade do agro brasileiro, segundo relatório do “Economic Research Service”, órgão do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), foi a que mais cresceu no século 21, perfazendo índices de crescimento médio de 3,18% ao ano.
Reflexo dessa melhoria produtiva é a otimização no uso de defensivos agrícolas. Pesquisa recente, divulgada em evento organizado pela FAO/ONU, EMBRAPA, ABAG e ANDEF, mostra que o Brasil é um dos países com alta produção agrícola que menos utiliza químicos, proporcionalmente à sua produção. Além disso, há melhor aplicação de moléculas cada vez mais adequadas à cultura, gerando menores passivos ambientais e sociais.
O aumento de produtividade reflete-se, outrossim, na vida do trabalhador rural. Dados recentes do IBGE (Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2021 / IBGE) mostram que houve melhora consistente nos indicadores sociais desses trabalhadores.
Além disso, o Brasil, signatário recente das Discussões Estruturadas de Comércio e Sustentabilidade Ambiental – iniciativa da Organização Mundial do Comércio (OMC) -, tem buscado alternativas para liberalizar o comércio agropecuário, eliminando subsídios e impulsionando uma agenda de sustentabilidade.
O protecionismo, muitas vezes implementado como barreira fitossanitária aos produtos brasileiros, gera maior distorção e insustentabilidade, na medida em que impede produtos brasileiros (mais “limpos”) de atingirem mercados, incentivando práticas subsidiadas insustentáveis e predatórias.
Em resumo, enquanto o agro nacional é ambientalmente adequado e socialmente justo, pautando-se pelas melhores práticas que visam ao aumento da dignidade do trabalho, o agro pouco produtivo, que necessita de proteção, costuma se pautar pelo vilipêndio ao meio ambiente e pela exploração da mão-de-obra.

Leia Também:  #ARTIGO: Coitado do Coronel

Entretanto, a Política Nacional de Inovação, (Decreto nº 10.534, de 28/10/2020), que deveria balizar a elaboração de políticas públicas referentes à Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) padece de recursos orçamentários para sua efetivação.
O agro, ainda que seja extremamente produtivo e sustentável, necessita da existência de políticas públicas que incentivem a adição de maior valor agregado a seus produtos. Dessa maneira, a competitividade agropecuária brasileira, já grande, tenderá a um crescimento ainda maior.
Portanto, para que o agro continue sendo, cada vez mais, o motor “ESG” do Brasil, é necessária uma melhoria institucional que valorize a produtividade agropastoril de maneira mais inovadora e tecnológica.
Hoje, o Agro é Justiça, Inclusão e Sustentabilidade, e reúne potencialidade para ser muito mais!

 

*André Naves é Defensor Público Federal, especialista em Direitos Humanos e Sociais. Escritor, professor e palestrante .

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA