PORTO VELHO

Brasil

Agenda de sustentabilidade envolve todas as áreas, afirmam ministros

Brasil

Os impactos que tecnologias ambientalmente sustentáveis terão para a economia em um futuro próximo deixam clara a necessidade de ações interligadas entre diferentes pastas governamentais. É com esse espírito que algumas políticas públicas têm sido elaboradas e anunciadas durante o Congresso Mercado Global de Carbono – Descarbonização & Investimentos Verdes.

Em uma das plenárias desta sexta-feira (20), sobre crescimento verde, três ministros ressaltaram a necessidade de trabalhar conjuntamente algumas pautas. É o caso da produção sustentável de combustíveis a partir do hidrogênio – o chamado hidrogênio verde – e da elaboração de um selo para “estradas parque”, que são rodovias com passagens aéreas e subterrâneas para minimizar os impactos causados à fauna e à flora próximas.

Esta é uma das tecnologias que estão na mira do ministro da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, que destaca ainda a preocupação em incentivar cada vez mais rodovias “racionalmente impermeáveis”, que devolvem a água da chuva para o meio ambiente, evitando erosões. “Tudo para mitigar ou garantir impacto mínimo [para esses ambientes]”, afirmou Sampaio.

“A agenda de sustentabilidade é transversal e pega todos ministérios”, completou.

Também participaram do debate os ministros do Meio Ambiente, Joaquim Leite, e da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim, que fizeram algumas sugestões. “O caminho é crescer verde; é se desenvolver na direção do verde”, disse Joaquim Leite. “Os investidores querem isso: estradas que garantem proteção ambiental”, disse Alvim, ao sugerir que tais empreendimentos tenham “pontos de paradas para observação das florestas”.

Leia Também:  Capital paulista inaugura Fábrica do Samba

Alvim sugeriu que alguns tipos de material que têm sido usados em laboratórios, inclusive flutuantes, na Amazônia poderiam ser testados nas estradas e pavimentações. “Em ciência e tecnologia, além do papel de construir soluções, temos alternativas de pavimentação, como construção de pavimentos bons ambientalmente e duradouros.”

“Há políticas públicas convergentes que se falam e se somam”, disse o ministro. Para ele, a exemplo do que tem ocorrido em outras iniciativas, é preciso que se traga o setor empresarial para este “mercado, que só vai crescer”.

Hidrogênio Verde

Outro mercado que tende a crescer, principalmente após o interesse manifestado por outros países, é o do hidrogênio verde, que é a produção de hidrogênio para ser usado como combustível, a partir de fontes ambientalmente sustentáveis.

A produção do combustível verde requer uso de grande quantidade de energia. Caso o processo de produção hidrogênio não faça uso de fontes energéticas danosas ao meio ambiente, dá-se a ele o nome de “hidrogênio verde”.

Entre as possibilidades em estudo, está o uso da energia obtida a partir de offshores (energia eólica gerada a partir de estruturas instaladas no mar) para produzir hidrogênio combustível. “Temos uma costa sem tempestades e com ventos constantes. Poderemos instalar muita coisa offshore para produzir hidrogênio”, disse o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite.

De acordo com ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, segurança energética é um dos principais desafios e precisa ser debatida. “Quando falamos disso, falamos dos combustíveis do futuro e do hidrogênio. Temos políticas que avançam nesse sentido; no desafio tecnológico do hidrogênio, que vai contribuir não só para ativar a bioeconomia como também para permitir maior distribuição espacial de energia limpa”, destacou Alvim.

Leia Também:  Em decisão liminar, CNJ afasta alegação de ilegalidade em provimento que agiliza os Juizados Especiais

Ele disse que o governo está preocupado com a questão do hidrogênio. “A água [de onde se pode extrair hidrogênio] é uma das fontes, mas há outras rotas tecnológicas para chegar na energia do hidrogênio, como é o caso do etanol”, acrescentou.

“Já temos produção em alguns estados, e temos carros de hidrogênio rodando. Temos inclusive linhas de produção em fábricas. É algo que está muito próximo. Há ainda possibilidade de usar essa energia em indústrias, energia elétrica e em outras áreas. O hidrogênio tem um arco-íris [de possibilidades] porque, a partir de cada fonte, tem uma alternativa. São fontes ilimitadas”, destacou.

Alvim aproveitou o encontro para adiantar que, nos próximos dias, haverá uma grande chamada para empreendedores e pesquisadores de energia verde. “Milhões serão investidos para que, em breve, tenhamos novas soluções.”

O Congresso Mercado Global de Carbono, que termina hoje, inclui 24 painéis que estão sendo apresentados em quatro salas temáticas. O evento traz ainda 120 cases (evento como a criação de uma empresa ou o lançamento de um produto ou serviço) de sucesso de empreendedores verdes.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Brasil

Sesc-RJ investirá R$ 30 milhões em produções artísticas

Publicados

em

Terminam no dia 8 de julho as inscrições de propostas artísticas de todo o país para o Edital de Cultura Sesc-RJ Pulsar 2022/2023. A iniciativa quer fomentar e apoiar a produção artística e cultural em suas diversas manifestações, estimulando os processos artísticos em desenvolvimento com a formação de público e a inclusão social. Serão distribuídos, no total, R$ 30 milhões para as produções artísticas selecionadas, incluindo o edital principal e seus desdobramentos, que serão lançados ainda este ano, para outros projetos culturais estratégicos.

O presidente do Sesc-RJ e do Sistema Fecomércio-RJ, Antonio Florencio de Queiroz Junior, lembrou que, no ano passado, foi lançada a primeira edição do Edital Sesc-RJ Pulsar. “O sucesso da iniciativa pode ser observado hoje nos nossos equipamentos culturais, que estão recebendo uma enorme variedade de obras artísticas, de elevada qualidade técnica e com conteúdos de grande relevância social”. Queiroz Junior destacou que, este ano, o Sesc-RJ está consolidando o edital como uma ferramenta de democratização da cultura e de fomento a esse setor da economia que foi bastante afetado durante a pandemia, merecendo, por isso, toda a nossa atenção”.

Leia Também:  Parcela do 13º salário para pensionista do INSS é publicado no DOU

O edital se baseia em três pilares, representados pelos verbos reconectar, movimentar e impulsionar. A intenção é reconectar o artista com o palco, movimentar a relação dele com o público do Sesc-RJ e impulsionar o fazer artístico em todas as suas esferas. O título Pulsar remete à ideia de “estar vivo”, numa alusão à resistência da cultura diante da pandemia da covid-19, informou o presidente do Sesc-RJ.

Pessoas jurídicas

Podem se inscrever no edital projetos de todo o Brasil de exposições de artes visuais; de audiovisual expandido; espetáculos teatrais, circenses e de dança; temporadas de teatro, dança e circo; realizações literárias; apresentações musicais; além de licenciamento de curtas-metragens, destinados aos públicos adulto e infantil. As inscrições são feitas por meio de formulário eletrônico disponível no site do Sesc RJ (www.sescrio.org.br) e estão abertas a pessoas jurídicas estabelecidas no Brasil, com ou sem fins lucrativos, de natureza cultural, legalmente constituídas, além de microempreendedores individuais (MEI).

A seleção ocorrerá em duas etapas, sendo a primeira de caráter eliminatório, quando serão avaliadas a documentação e adequação técnica da proposta. Na segunda etapa, os projetos serão analisados pela Comissão de Seleção e Avaliação do Sesc-RJ. A divulgação dos resultados está prevista para acontecer no dia 28 de outubro.

Leia Também:  Em decisão liminar, CNJ afasta alegação de ilegalidade em provimento que agiliza os Juizados Especiais

As obras selecionadas serão apresentadas em diferentes ambientes como espaços expositivos, salas de teatro, auditórios e espaços abertos dentro das unidades do Sesc no território fluminense. Os valores destinados a cada produção dependem do porte e da linguagem artística, informou o Sesc-RJ.

Edição: Kelly Oliveira

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA