PORTO VELHO

Brasil

Bombeiros encerraram trabalho no desabamento em comunidade do Rio

Brasil


Os bombeiros encerraram às 14h40 os trabalhos no local do desabamento que ocorreu por volta das 3h20 de hoje (3), na Rua das Uvas, na comunidade de Rio das Pedras, na zona oeste do Rio. Com isso, a área já está entregue à Defesa Civil municipal para a avaliação dos impactos do desabamento em prédios próximos. Foram interditados seis imóveis, além do que desabou.

“Após avaliação da Defesa Civil, funcionários das secretarias de Conservação e de Infraestrutura farão, respectivamente, a limpeza do local e a avaliação dos riscos de novos desabamentos”, informou a Prefeitura.

A Secretaria Municipal de Habitação (SMH) informou que o imóvel era irregular, mas de acordo com a Secretaria de Estado de Polícia Civil, informações iniciais indicam que o imóvel foi construído há mais de 20 anos por familiares que moravam no local. Sua construção não teria ligação com milícias, conforme ocorre com outros imóveis construídos na região.

A Secretaria Municipal de Conservação revelou que, desde janeiro, somente nas Áreas de Planejamento AP4 e AP5, que englobam a zona oeste da cidade, mais de 180 construções irregulares foram demolidas. Além disso, foram emitidas mais de 150 notificações, que geram processos administrativos e podem resultar em demolição.

Leia Também:  Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 90 milhões; confira

Logo após o desabamento, o Centro de Operações da Prefeitura (COR) acionou equipes para o local e toda a área foi isolada. Foram para o local integrantes do COR, do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar, da concessionária de energia Light, da Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio (CET-Rio), da Defesa Civil e da Guarda Municipal.

Também foram acionadas equipes da companhia de gás Naturgy, da empresa de limpeza urbana Comlurb, a Subprefeitura de Jacarepaguá, as secretarias Municipal de Conservação e Serviços Públicos, de Ordem Pública, de Infraestrutura e de Assistência Social, que acolheu 20 pessoas de sete imóveis diferentes, que estavam desalojadas.

Entre as vítimas, três pessoas foram encaminhadas ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, também na zona oeste. Nataniela Gomes, de 27 anos; Antônia Mariana de Souza, de 35 anos; e Jonas de Souza, 29 anos. Apenas Nataniela segue internada. Os outros dois feridos tiveram alta no fim da manhã.

Kiara Abreu, de 27 anos, foi resgatada dos escombros do prédio que desabou e foi levada para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, na zona sul, onde está sendo acompanhada pela equipe médica após fazer exames. Conforme a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a mulher está em estado grave.

Leia Também:  Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 6,6 milhões; veja os números sorteados

O marido dela, Natan Gomes, de 30 anos e a filha com idade entre 2 e 3 anos foram resgatados sem vida. Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML), na zona norte do Rio.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Brasil

Palco Virtual apresenta produções inéditas de artes cênicas

Publicados

em


O Palco Virtual de Cênicas, realizado pelo Itaú Cultural, apresenta ao público produções inéditas, de 24 a 27 de junho, que abordam a negritude e as diferentes formas de se relacionar. Todas as apresentações são gratuitas e seguidas por conversas dos espectadores com diretores, elencos e convidados. Os ingressos devem ser reservados via Sympla.

A programação abre na quinta-feira (24) com a pré-estreia de Maré, do coletivo potiguar Cida, tratando do amor a partir da situação da pandemia e da realidade dos cinco artistas em cena, seus corpos e suas vivências. As diferentes maneiras de se relacionar são problematizadas também por questões como gênero, raça, capacitismo e violência contra a mulher.

Na estreia da peça-filme Desfazenda – me enterrem fora desse lugar, do coletivo O Bonde, quatro crianças são salvas da guerra e crescem em uma fazenda. Quando jovens, começam a reconhecer-se como negras, vendo o mundo e a liberdade de outra forma. A obra é livremente inspirada no filme Menino 23: Infâncias Perdidas no Brasil, de Belisario Franca, no qual a descoberta de tijolos em uma fazenda com o símbolo da suástica desvendou a história de crianças negras que foram levadas de um orfanato para essa fazenda.

Os dois espetáculos foram pensados inicialmente para apresentações presenciais ao público. No entanto, diante da necessidade de isolamento social durante a pandemia, as peças ganharam novas produções voltadas para o audiovisual.

Leia Também:  IPC-S registra inflação de 1% em março, diz FGV

Criado em 2017 pelo Cida, núcleo artístico de dança contemporânea, fundado por jovens artistas emergentes, negros, com e sem deficiências, radicados em Natal (RN), o espetáculo Maré foi remontado em 2021 como uma obra audiovisual em dança acessível. Após a exibição de pré-estreia, Maré ficará disponível até 1 de julho no Youtube do Itaú Cultural.

“Com a chegada da pandemia, tivemos que repensar o nosso modo de trabalho. A gente não tinha intimidade com o audiovisual, mas acabamos nos aproximando de pessoas da área, e estamos agora trabalhando juntos esse novo modo de pensar a dança”, disse o bailarino René Loui, fundador do coletivo ao lado de Rozeane Oliveira.

De sexta-feira a domingo (25 a 27), o Palco Virtual será ocupado pela temporada de estreia de Desfazenda – me enterrem fora desse lugar, que trata de questões ligadas ao corpo e à subjetividade de pessoas negras diante do processo de abolição inconclusa no Brasil, conforme apontou a diretora Roberta Estrela D’Alva.

13. Desfazenda_O Bonde_foto Jose de Holanda 13. Desfazenda_O Bonde_foto Jose de Holanda

Desfazenda – me enterrem fora desse lugar – José de Holanda/Direitos reservados

“Estamos em plena decorrência dessa abolição inconclusa, inventando estratégias – e a arte tem um papel fundamental nisso – para questionar coisas que a gente não aceita mais. Na peça, também tem esse passo de descobrir o que aconteceu. Ela fala sobre entender-se negre no Brasil, e isso necessariamente é descobrir a história da escravidão”, avaliou Roberta.

Devido à pandemia, o espetáculo, que vinha sendo ensaiado virtualmente pelo elenco ao longo do último ano, foi repensado para o audiovisual e ganhou o formato de peça-filme, que tem como destaque a ênfase à palavra durante o espetáculo. A força do texto são potencializados pelas batidas, trilhas e paisagens sonoras criadas pela compositora e DJ Dani Nega.

“O espetáculo traz essa característica que vem do spoken word, das rodas de Slam, das batalhas de poesia, da poesia falada como fio dessa radicalidade narrativa, poéticas. A gente não tem muitos elementos de cenário, para que o público veja tudo o que tem que ver a partir dessa performance da palavra. É para fazer com que, quem tenha que ver essa fazenda, veja pelos olhos, pela palavra, pelo ritmo, pela entonação e memória de quem está falando”, disse a diretora.

Após a temporada de estreia, a peça ficará disponível até 14 de julho no canal do YouTube de O Bonde.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA