PORTO VELHO

Brasil

Bosque da Memória faz homenagem a vítimas da covid-19 no estado do Rio

Brasil


Várias espécies da Mata Atlântica serão plantadas neste sábado (5), quando se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, em uma área de 7 hectares, na Reserva Ecológica Guapiaçu (Regua), em Cachoeiras de Macacu, região metropolitana do Rio de Janeiro. A iniciativa é uma homenagem às vítimas da covid-19 e integra a campanha Bosques da Memória.

Lançada em 2020, com o objetivo de plantar árvores e recuperar florestas, a campanha é também um gesto simbólico para homenagear pessoas que morreram na pandemia de covid-19 e agradecer aos profissionais de saúde dedicados ao combate dessa doença no Brasil. Estarão presentes dois representantes por família, divididos em grupos.

Os Bosques da Memória resultam de ação conjunta da Rede de Organizações não Governamentais (ONGs) da Mata Atlântica, da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica e do Pacto pela Restauração da Mata Atlântica. ”Todas as instituições que aderem a essa iniciativa fazem um plantio, como parte de suas atividades de reflorestamento, em homenagem às vítimas da covid-19”, disse à Agência Brasil a coordenadora executiva do Projeto Guapiaçu, Gabriela Viana.

A Regua já faz um trabalho de reflorestamento, e o plantio do Bosque da Memória Guapiaçu é parte de sua atuação normal. No momento, a Regua está procedendo ao reflorestamento de mais 100 hectares. “Parte desse plantio, equivalente a 7 hectares, nós estamos oferecendo em homenagem às vítimas da covid, a familiares e a parte da nossa equipe, como eu, por exemplo, que perdi minha avó há um ano. Então, decidimos ceder essa área em homenagem às vítimas, como uma lembrança”, disse Gabriela.

Leia Também:  Conselho Nacional de Seguros aprova fundo para indenizar acidentes rodoviários

A avó de Gabriela, Leda D’Ávila Viana, tinha 94 anos, era uma pessoa forte, “sem nenhuma comorbidade”, que acompanhava os noticiários, mas pegou covid, ficou 38 dias internada e tinha, inclusive, negativado para a doença, quando morreu.

Futuras gerações

Segundo coordenadora do Projeto Guapiaçu, aqueles que trabalham com meio ambiente, de maneira geral, têm o pensamento de que aquilo que está sendo feito agora pela natureza serve para eles, mas serve, principalmente, para as futuras gerações. “O ato de plantar uma árvore tem esse sentimento. Talvez eu não consiga ficar debaixo da sombra dessa árvore, mas, com certeza, meus filhos e meus netos ficarão e poderão usufruir do benefício dessa árvore.”

De acordo com Gabriela, o máximo de retirada de carbono da atmosfera ocorre em um prazo de 30 anos. “Portanto, quem vai receber os benefícios são as futuras gerações”. Por esse motivo, o Projeto Guapiaçu, realizado pela Regua, com patrocínio da Petrobras, resolveu aderir à campanha Bosques da Memória.

Leia Também:  Começa a valer, a partir desta quarta-feira (1), a resolução que eleva a composição de biodiesel ao óleo diesel

Nos 7 hectares do Bosque Guapiaçu serão plantadas 50 mil mudas de 20 espécies da Mata Atlântica: jequitibá-branco, araribá, jacarandá-da-bahia, ipê-amarelo, ipê-roxo, jatobá, ingá-cipó, boleira, paineira, pau-ferro, pau-brasil, vinhático, quaresmeira, aroeira, guapuruvu, sapucaia, grumixama, jenipapo, mamão-jaracatiá e cajá-mirim.

A área do bosque faz parte dos 100 hectares que estão sendo recuperados pelo Projeto Guapiaçu e foi adquirida pela Regua por meio de uma doação da Millichope Foundation, do Reino Unido.

A reserva ecológica trabalha com 120 espécies da Mata Atlântica, com mudas produzidas em sua própria área. “Nós temos um viveiro com capacidade de produção de mais de 100 mil mudas por ciclo anual e grande parte também das sementes é coletada na região, para garantir justamente que esse material genético de alta qualidade seja usado para ligar pequenos fragmentos de Mata Atlântica”, acrescentou Gabriela.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Brasil

Ministro de Minas e Energia descarta racionamento de energia

Publicados

em


O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, descartou hoje (23) a necessidade de racionamento de eletricidade. Em audiência pública da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, o ministro alertou para a importância de medidas que evitem o risco de interrupção no fornecimento em horários de pico e a dependência do próximo período úmido.

Segundo o ministro, em 2020, a condição dos reservatórios era de normalidade, mas com a diminuição de chuvas entre outubro do ano passado e maio deste ano, 2021 já começou em uma situação pior. Atualmente, os reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste, responsáveis por 70% da geração de energia do país, estão com apenas 30,2% de sua capacidade.

“Se nós tivermos uma repetição das chuvas de 2020 em 2021, nós podemos chegar, se nada for feito, a uma condição bastante desfavorável ao final desse ano, em novembro e dezembro, com os nossos reservatórios abaixo de 20%”, disse.

Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, participa do programa A Voz do Brasil Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, participa do programa A Voz do Brasil

Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, descartou a necessidade de racionamento de eletricidade – Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Leia Também:  Conselho Nacional de Seguros aprova fundo para indenizar acidentes rodoviários

Bento Albuquerque afirmou que o plano de ação posto em prática em outubro de 2020 tem 40 itens, como o acionamento das usinas termelétricas; o aumento da importação de eletricidade da Argentina e Uruguai; e uma campanha para estimular o uso racional de energia; além de um programa com a indústria para reduzir o consumo no horário de pico.

Outras providências listadas pelo ministro de Minas e Energia são a antecipação de obras em usinas e linhas de transmissão e o suprimento de combustível para as usinas já em funcionamento. Desde maio, uma Sala de Situação instalada na Casa Civil da Presidência da República monitora a situação hídrica do país.

Bento Albuquerque ressaltou que não é possível comparar a crise atual com as que aconteceram em 2001 e 2014.

“É importante ressaltar que a nossa capacidade instalada mais do que dobrou, saindo de 81 GW para 186 GW de 2001 para 2021. A representação da matriz hidráulica era cerca de 85%; hoje ela corresponde a 61%. A nossa matriz também se diversificou bastante, principalmente, com energias renováveis”, observou.

Leia Também:  Novo programa social do governo se chamará Renda Cidadã

*Com informações da Agência Câmara de Notícias

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA