PORTO VELHO

Brasil

Distribuição de livros exalta culturas negra e indígena

Brasil


O programa Leia para uma Criança distribuirá gratuitamente dois milhões de livros infantis este ano para escolas e creches públicas, bibliotecas comunitárias, organizações da sociedade civil (OSCs) e outros equipamentos públicos voltados para a garantia de direitos das crianças de zero a seis anos de idade. 

A superintendente do Itaú Social, Angela Dannemann, disse hoje (14), em São Paulo, que, por causa da pandemia as famílias mais ricas terão acesso ao livro digital, e os livros físicos serão distribuídos para as organizações públicas que atendem crianças em vulnerabilidade social, contribuindo para o desenvolvimento das crianças mais impactadas pela covid-19. 

“É uma questão de compensação de desigualdade, não vamos esquecer que essa pandemia gerou muita fome e orfandade”, afirmou a superintendente durante entrevista coletiva para a apresentação da edição 2021 do programa. 

Desde 2010, a iniciativa do Itaú Social e do Itaú Unibanco  distribui livros direcionados a crianças matriculadas na rede pública de municípios vulneráveis, organizações da sociedade civil e bibliotecas. Em 2019, o programa recebeu pela primeira vez o Prêmio Jabuti na categoria Fomento à Leitura.

Apesar de a solicitação de livros impressos estar aberta apenas a instituições ligadas ao fomento da leitura com crianças de zero a seis anos, a expectativa é que toda a sociedade possa fazer parte do movimento indicando o programa para uma instituição elegível de sua região. Além disso, estão disponíveis os 16 títulos da estante digital  e o acervo de 20 obras já distribuídas em anos anteriores, em versões audiovisuais.

Leia Também:  Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 7,2 milhões

A iniciativa convoca os voluntários para ajudar na solicitação de livros físicos. “Os voluntários podem inscrever as entidades que representam e levar esses novos livros, ampliando essa mensagem para que chegue literatura de qualidade atraente”, explicou Angela. 

Visibilidade negra e indígena

O Itaú Social promoveu edital público para selecionar apenas obras que valorizem histórias, pessoas e culturas negras e indígenas. A medida reconhece o potencial da literatura para contribuir na diminuição das desigualdades e na valorização das diferenças.

Participaram editoras brasileiras com prioridade para livros de autores ou ilustradores que se autodeclaram negros e/ou indígenas. Os livros selecionados foram “Enquanto o almoço não fica pronto’, da Editora Zit, e “Os olhos do jaguar da Editora Jujuba”.

Escrito por Sonia Rosa, “Enquanto o almoço não fica pronto” conta com versos e ilustrações de Bruna Assis Brasil e faz um convite para que as crianças observem e percebam os afetos do dia a dia.

Já em “Os olhos do jaguar”, o autor de livros de literatura indígena Yaguarê Yamã conta no livro uma história oriunda das culturas dos povos Sateré-Mawé e Maraguá, passada de geração para geração. Com ilustrações, cores e formas que demonstram as riquezas da floresta, a obra aborda o relacionamento do jaguar com outros animais.

“Nesse edital decidimos escolher obras que valorizassem culturas negras e indígenas, isso não é novidade [no programa], mas houve um focalização nesse assunto, há poucas obras com essa temática no país, mesmo sendo uma população que é metade parda e negra”, disse a  superintendente.

Leia Também:  Apostador de RO ganha prêmio de 37,4 milhões na Mega-Sena

Como solicitar

As instituições podem solicitar um kit, ou seja, os dois livros, para cada criança atendida ou matriculada. Basta acessar o site. Como os livros são destinados exclusivamente a crianças, o solicitante que não atender esse público não estará apto a participar do programa.

Podem participar secretarias municipais de Educação; creches e escolas públicas ou sem fins lucrativos; organizações da sociedade civil; bibliotecas públicas e comunitárias; centros de acolhimento e outros aparelhos públicos, como UBS (Unidade Básica de Saúde), Cras (Centro de Referência de Assistência Social) e Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social).

Os pedidos serão analisadas e podem ser aprovados ou reprovados segundo os critérios de vulnerabilidade social do município, disponibilidade de estoque e regionalidade, entre outros. Solicitações que ultrapassem o número total de crianças matriculadas ou atendidas não serão contempladas. 

É possível pedir ainda as versões das obras em Braille e fonte ampliada para crianças com deficiência visual, e em formato audiovisual com múltiplos recursos de acessibilidade, como libras e audiodescrição. Mas, devido ao número limitado de livros nesses padrões, há prioridade para os municípios em maior situação de vulnerabilidade. As versões audiovisuais acessíveis também podem ser acessadas online, na página do programa, por responsáveis de crianças com deficiência.

   

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Brasil

Aquecimento global: mudanças podem ser irreversíveis entre 2040 e 2050

Publicados

em


A capacidade de adaptação dos países às mudanças causadas pelo aquecimento global pode acabar, caso as emissões de gases de efeito estufa não sejam drasticamente reduzidos nesta década. Segundo relatório da Chatham House, think tank (instituições que se dedicam a produzir conhecimento sobre temas políticos, econômicos ou científicos) britânica de pesquisa sobre o desenvolvimento internacional, fundada em 1920, as mudanças podem ser irreversíveis entre 2040 e 2050.

O alerta está na Avaliação de Riscos das Mudanças Climáticas, documento desenvolvido para subsidiar as tomadas de decisões dos chefes de Governo e ministros antes da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021 (COP26), marcada para ocorrer de 31 de outubro a 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia.

Para o pesquisador sênior do Programa de Meio Ambiente e Sociedade da Chatham House, Daniel Quiggin, um dos autores do relatório, as metas estabelecidas por muitos países para neutralizar as emissões de carbono e a maior ambição com relação às metas nacionais de redução de gases de efeito estufa são uma esperança. Embora, segundo ele, não passem de promessas.

“Muitos países não têm políticas, regulamentações, legislação, incentivos e mecanismos de mercado proporcionais para realmente cumprir essas metas. Além disso, os NDCs [da sigla em inglês para Contribuição Nacionalmente Determinada] revisados globalmente ainda não fornecem uma boa chance de evitar o aquecimento em 2ºC. Devemos lembrar que muitos cientistas do clima estão preocupados que, além dos 2ºC, uma mudança climática descontrolada possa ser iniciada”, alerta.

As metas nacionais foram determinadas a partir do Acordo de Paris, tratado negociado durante a COP21, em 2015, no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima. O acordo rege a redução de emissão de gases de efeito estufa a partir de 2020, para tentar manter o aquecimento global abaixo de 2ºC até o fim do século, num contexto de desenvolvimento sustentável.

Leia Também:  CUIDADO: Ministério da Agricultura proíbe venda de 6 marcas de azeites fraudados

Quiggin alerta que as metas definidas ainda não garantem a neutralidade do carbono.

“O balanço zero líquido das emissões depende de tecnologias de emissão negativa, que atualmente não são comprovadas empiricamente em escala comercial. Em resumo, as metas que os países buscam estão se movendo na direção certa, mas ainda não conseguem evitar a devastadora mudança climática. E as políticas de apoio às metas existentes são insuficientes para atingir essas metas”, disse.

Ondas de calor

A avaliação, lançada essa semana em Londres, aponta que a falta de medidas concretas por parte dos governos pode levar a temperaturas extremas a partir da década de 2030, causando 10 milhões de mortes ao ar livre. Ondas de calor anuais podem afetar 70% da população mundial e 700 milhões de pessoas estarão expostas a secas severas e prolongadas todos os anos.

O documento também alerta para a redução de 30% na produção agrícola até 2050 e que 400 milhões de pessoas não poderão mais trabalhar ao ar livre por causa do aquecimento global. Para 2040, há uma expectativa de perda de rendimento de pelo menos 10% nos quatro principais países produtores de milho: Estados Unidos, China, Brasil e Argentina.

Na virada do próximo século, um aumento de 1 metro no nível do mar pode aumentar a probabilidade das grandes inundações em cerca de 40 vezes para Xangai, 200 vezes para Nova York e mil vezes para Calcutá.

Leia Também:  Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 2,5 milhões

Segundo Quinggin, os atuais esforços globais para conter o aquecimento dão ao mundo menos de 5% de chance de manter o aquecimento abaixo de 2°C.

“Sem ações radicais em todos os setores, mas especialmente dos grandes emissores, temperaturas extremas, quedas dramáticas nos rendimentos agrícolas e secas severas prolongadas provavelmente resultarão em milhões de mortes adicionais na próxima década. Ainda há uma janela de oportunidade real (embora ela esteja se fechando) para uma ambição muito maior de todos os governos, para evitar os impactos mais catastróficos das mudanças climáticas”.

A avaliação da Chatham House indica que o ritmo atual dos esforços de descarbonização podem segurar o aquecimento até 2100 em 2,7°C, mas a chance de a temperatura média do planeta subir 3,5°C é de 10%. O pesquisador explica que as restrições de mobilidade ocorridas por causa da pandemia da covid-19 contribuíram apenas momentaneamente para a redução das emissões.

“Nós consideramos isso, mas dado que as emissões se recuperaram muito rapidamente, e agora estão subindo novamente, o breve alívio oferecido pelos bloqueios nas emissões foi insuficiente para mudar nossa avaliação do ritmo e gravidade das mudanças climáticas”, explica.

A Avaliação de Riscos das Mudanças Climáticas é o primeiro de uma série de relatórios de pesquisa aprofundados que a Chatham House vai lançar até a COP26, analisando as consequências do aquecimento do planeta e indicando as ações que precisam ser tomadas para evitar o desastre climático. O trabalho é feito por cientistas e analistas políticos no Reino Unido e na China.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA