PORTO VELHO

Brasil

Estado do Rio está em bandeira amarela para covid-19

Brasil

O estado do Rio está em bandeira amarela de risco baixo para covid-19. É o que mostra a 81ª edição do Mapa de Risco da Covid-19, divulgado todas as sextas-feiras pela Secretaria de Estado de Saúde. A análise divulgada hoje (13) indica que as regiões da Baía da Ilha Grande, Centro Sul e Noroeste fluminense se encontram com bandeira verde, de risco muito baixo para a doença. Já as regiões da Baixada Litorânea, Metropolitana I, Metropolitana II, Médio Paraíba, Serrana e Norte permaneceram com bandeira amarela, de risco baixo para a covid-19. 

A secretaria informou que esta é uma das últimas edições do mapa de risco, já que a ferramenta de acompanhamento do cenário epidemiológico da doença  está sendo reelaborada para se adequar à atual fase da pandemia.

O secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe disse que no momento em que os números de casos, óbitos e de exames de PCR realizados estão baixos, qualquer variação, por menor que seja, provoca um impacto nos indicadores usados na equação do mapa de risco que não reflete a realidade. 

Leia Também:  Mulheres são maioria das mortes em Petrópolis por causa das chuvas

“Se o número de óbitos em determinado município sobe de 1 para 2, gera um aumento de 100% no indicador e uma grande pontuação na fórmula que gera o bandeiramento. O mesmo acontece com a taxa de positividade de exames RT-PCR. Por isso, a área técnica está reformulando a ferramenta de acompanhamento do cenário da covid-19 no estado”, explicou o secretário.

No período analisado, o número de internações caiu 42%, saindo de 24 internações para 14, nas últimas duas semanas. Os óbitos reduziram 71,4%, passando de 14 óbitos para 4 nos últimos 14 dias.

Chieppe disse que nas próximas semanas, a Secretaria de Saúde vai apresentar um novo sistema, com novos indicadores mais adequados para o atual momento da pandemia. “Vamos aumentar a atenção nos indicadores precoces, como atendimentos de síndrome gripal em UPAs e testagens de antígenos registradas no e-SUS”, esclareceu o secretário.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Brasil

Rio: manifestantes pedem justiça para homem morto em Sergipe

Publicados

em

Manifestantes se reuniram na manhã de hoje (28) no centro do Rio de Janeiro em um protesto organizado pelo movimento negro e ativistas dos direitos humanos pedindo justiça para Genivaldo dos Santos, morto em Sergipe no dia 25. O sergipano, de 38 anos, morreu após uma abordagem de policiais rodoviários federais. Imagens veiculadas na internet mostram a vítima presa dentro de uma viatura esfumaçada e as suspeitas são de que a fumaça era um gás disparado pelos policiais.

O ato foi marcado para as 10h na Avenida Presidente Vargas, em frente ao Monumento a Zumbi dos Palmares. Os participantes do ato também pediram o fim das chacinas e do que classificaram de genocídio do povo negro.

Os manifestantes levaram faixas e cartazes com dizeres como “Parem de nos Matar” e “Vidas Negras Importam”, além de uma ilustração do rosto de Genivaldo com um pedido de justiça.

O Instituto Médico Legal (IML) de Sergipe identificou de forma preliminar que a vítima teve como causa da morte insuficiência aguda secundária a asfixia. A Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) estão investigando o caso e a PRF disse, em nota divulgada na quinta-feira (27), que está comprometida com a apuração da ocorrência e colaborando com as autoridades responsáveis pela investigação. os policiais rodoviários federais envolvidos na morte de Genivaldo foram afastados pela Polícia Rodoviária Federal.

Leia Também:  Filme brasileiro é um dos vencedores do Festival É Tudo Verdade

A manifestação se manteve em frente ao monumento e teve falas de ativistas, políticos e lideranças de movimentos sociais e de favelas, que protestaram contra a brutalidade do crime e a violência policial contra a população negra. 

O ato também lembrou a operação conjunta da Polícia Militar do Rio de Janeiro e da Polícia Rodoviária Federal realizada nesta semana no Complexo da Penha, em que houve 23 mortes. A ação foi a segunda mais letal da história do estado.

A PM afirmou no dia da operação que as equipes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e da PRF se preparavam para uma incursão que tinha como objetivo de prender lideranças criminosas, quando bandidos começaram a fazer disparos de armas de fogo na parte alta da comunidade e houve confronto.

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro instaurou um Procedimento Investigatório Criminal (PIC) para apurar as circunstâncias das mortes, que também estão sendo investigadas pela Delegacia de Homicídios da Capital (DHC).

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA