PORTO VELHO

Colunistas

20 nomes na briga pela prefeitura da capital

Colunistas

Os nomes mais fortes continuam os mesmos: Hildon, Léo, Daniel, Nazif, Vinicius.

DUAS DEZENAS DE NOMES

Vamos tentar colocar todos no mesmo tópico: Hildon Chaves, Léo Moraes, Daniel Pereira, Mauro Nazif, Vinicius Miguel, Eyder Brasil, Breno Mendes, Cristiane Lopes, Guto Pellucio, Fabrício Jurado, Elis Regina, Jaime Gazola, Pimenta de Rondônia, Roberto Sobrinho, Fátima Cleide, Hermínio Coelho, Edgar do Boi, Kazan Roriz, Aluízio Vidal, Jesuíno Boabaid.

Todos esses 20 nomes já foram citados, alguns mais, alguns menos, como possíveis candidatos à Prefeitura da Capital. Ainda há dúvidas se o PT vai indicar alguém (Roberto Sobrinho, se puder concorrer, é certamente o mais forte da sigla) ou se aliará a alguma coligação que o fortaleça. Hermínio Coelho quer concorrer, mas se não tiver recursos para disputar a Prefeitura, vai recomeçar sua carreira tentando voltar à Câmara de Vereadores, que, aliás, já presidiu.

Os nomes mais fortes continuam os mesmos: Hildon, Léo, Daniel, Nazif, Vinicius. Mas nada está nem perto de ser definitivo. E ainda faltam indicações que podem vir com apoio do Palácio Rio Madeira/CPA e outra com o aval do MDB, que continua sendo o maior partido do Estado. Caberá tanta gente na urna ou a depuração natural vai reduzir a poucos os pretendentes?

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Cassol chama delegado da “Carne Fraca” de irresponsável. E ele tem razão
Propaganda

Blog do Confúcio

Aprender a ouvir

Publicados

em

Por isto que acho, aqui como leigo, que a meditação deve ser uma prática importantíssima. Para amansar o cérebro, aquietá-lo e depois incorporar à vida como hábito. Acredito que o homem pode se transformar num verdadeiro ser humano. Um ser humano que se junta à natureza das coisas. Que aprende a ser tolerante. E saber que a nossa vida é um curto sopro. Tudo bem evidenciado neste ano de pandemia. Todos nós perdemos amigos queridos, que em poucos dias, saíram da condição de sadios para cadáveres sem velório.

Este primeiro parágrafo, longo demais, vem abrir a janela, para que se possa aprender a ouvir o outro. Deixar a pessoa se expressar, antes de despejar em cima dele os seus pontos de vista, como sendo os mais certos. Como também, aprender a morder a língua para aceitar a opinião diferente da sua. O valor do entendimento divergente.

A gente tem vergonha de dizer que não sabe de um assunto em debate. É muito normal não saber mesmo. E dizer – eu não entendo deste tema. Vou aprender com vocês. Termina que você se torna admirável por dizer a verdade. A pior coisa é se meter em assunto que não domina. Ou que seja muito superficial. Apenas, repete o que passa nos telejornais, que todo mundo assiste e sabe.

Leia Também:  Prefeitura recebe ônibus de Jirau para fazer o transporte de professores da zona rural

Pensar em silêncio. Ficar apreciando debates. Não quer dizer que você concorde ou discorde. Apenas, aprecie em silêncio. O radicalismo nada mais é que uma estação. Passa. A liberdade de expressão é o máximo que se pode integrar ao conceito de democracia. E mesmo, aguentar a crítica calado. Mesmo as que saem nas redes sociais.  Nada de ficar brigando com quem discorde da sua opinião. Trate-os bem, uma resposta amena. Agradável. Até mesmo o de agradecimento por divergir. Nada demais.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA