PORTO VELHO

Colunistas

AS MORTES DOS PMS E O FRIO NOTICIÁRIO DO TEMPO NA TV

Colunistas

Cinco PMs foram mortos no Rio de Janeiro em apenas quatro dias. Qual a repercussão? No noticiário, frases simples, como se estivesse sendo comunicado como será o tempo no dia seguinte. Nada de protesto ou emoção; nada de acompanhar velório e enterro. Ah, mas quando facínoras se confrontam dentro do presídio, uns tentando exterminar os outros por causa do domínio do crime; disputando pontos de venda de drogas, vendidas até para crianças, aí o mundo vem abaixo. Coitados dos presos! Pobres das famílias deles, mulheres chorando e crianças de colo, fazendo poses de desespero nas portas das cadeias. Aí sim, a mídia deita e rola. Só falta (mais daqui a pouco vai acontecer), o repórter culpar a vítima, assassinada, trucidada, estuprada, roubada, com a vida destruída, porque acabaram sendo responsáveis pelos pobres coitadinhos estarem na prisão. É essa inversão de valores, imposta por defensores do crime e dos direitos dos canalhas que entopem e superlotam presídios país afora, que apavora. Porque as grandes redes de TV estão criminalizando a polícia, escudando-se em eventuais erros dela ou de bandidos fardados, que são exceção e tentando “ensinar” a sociedade que indefesos, coitados, pobrezinhos, são os que estão na cadeia, certamente a grande maioria, pela visão torta dessa gente, não tenha cometido qualquer crime. Direitos Humanos, mas só para bandidos. Nenhum pai, mãe, filho, nenhum irmão ou irmã, recebem, dessa gente que adora fazer orações e prosas em defesa dos bandidos, qualquer aceno, um abraço que seja, uma mão amiga, quando perdem seus entes queridos, normalmente em crimes bárbaros.

Claro que o sistema penal brasileiro é ridículo, vergonhoso, irrecuperável. Não há dúvida disso. Mas é importante não esquecer que as penitenciárias estão lotadas de criminosos, alguns deles praticando violência contumaz. Um dos maiores bandidos da história do Brasil, Lúcio Flávio Villar Lírio, assaltante de bancos e assassino, já definiu muito bem como devem ser as coisas, nesse país, quando foi preso, nos anos 70. “Bandido é bandido; polícia é polícia!”. Simples assim. Viver defendendo assassinos, traficantes e animais vestidos com roupagem humana, não é defender a sociedade e nem a democracia. É ajudar a destruir o que temos de mais caro!

ENCASTELADOS

Que não pense que será fácil, o prefeito Hildon Chaves, fazer todas as mudanças que está anunciando, para enxugar a Prefeitura. Todo mundo acha bonitinho, queridinho, cheirosinho, até que alguém próximo ou ele (ela) mesmos tenham seus bolsos tocados. Sacrifício tem que ser apenas para os outros. Por isso, já começaram algumas ameaças, a ponto do prefeito começar a se preocupar com a segurança dele, do vice e de suas famílias, segundo noticiam vários sites. Há alguns marajás encastelados no serviço público, que não aceitam abrir de mão de nada. Querem que os outros façam todos os sacrifícios, mas que neles não se toquem. Nesse sentido, Hildon terá que ter muito coragem para enfrentar alguns desse grupo. Não são muitos, mas são fortíssimos. Os grupos que dominam a Prefeitura há anos não vão querer perder privilégios e muito menos um centavo do que ganham. Portanto, coragem, Prefeito! Não deixe de realizar o que planejou…

Leia Também:  UMA AFRONTA ÀS PESSOAS DE BEM E A TRISTE DEFESA DOS MAUS

AREIA MOVEDIÇA

Reservadas as proporções, é essa espécie de  mini latifúndio que o novo secretário de Educação do Estado, Waldo Alves, vai encontrar na Seduc. Dentro da Secretaria, haveriam alguns feudos intocáveis, dividindo as ações e cada um puxando a cordinha para seus interesses. Sabe-se que Alves começa a trabalhar com carta branca do governador Confúcio Moura, inclusive para mexer no abelheiro, doa em quem doer. A Seduc é a maior secretaria do governo, tem mais gente do que qualquer outra; uma equipe técnica de boa qualidade e centenas de professores qualificados, embora muitos deles estejam fora das salas de aula, por apadrinhamentos. O novo titular da pasta terá certamente, alguma dificuldade para reorganizar a casa e começar a mostrar resultados. Mas ele tem sido “o cara”, por todos os órgãos pelos quais passou. Não será diferente na perigosa Seduc, uma verdadeira areia movediça, caso não seja conduzida com mão forte.

 

CINQUENTA MUILHÕES

Glaucione Nery, terá grandes desafios pela frente. Além de administrar uma cidade endividada – são mais de 50 milhões de reais no passivo – terá que recuperar a imagem da administração pública perante a comunidade. Seu antecessor, o Padre Franco, deixou a casa com muita grana a pagar e muitos problemas a resolver. O povo de Cacoal, que teve a chance de substituir o então prefeito petista quando ele encerrou o primeiro mandato pífio, preferiu mantê-lo no cargo por mais quatro anos. Escândalos, confusão, poucas melhorias na cidade e uma Cacoal praticamente dividida, demonstraram que um gestor público que vive de conflitos, acaba causando muitos males à sua cidade. Glaucione começou com menos secretarias e, se tiver bom senso, não nomeia mais ninguém. Com a equipe que montou, já dá para fazer um bom trabalho e começar a reconstruir uma Cacoal que seu povo merece.

Leia Também:  Coluna Simpi – Mandetta no Simpi: Brasil na visão do ex-ministro 

NOITE ADENTRO

A Câmara de Vereadores entrou noite adentro, para votar as reformas que o prefeito Hildon Chaves pretende implantar. É um pacote de mudanças que, implantada, economizará  perto de 10 milhões de reais durante quatro anos, só com a reestruturação administrativa, corte de cargos comissionados, controle total de gastos e medidas que, no geral, pretende enxugar a máquina pública. Dr. Hildon, obviamente terá que ceder em algumas questões, para poder mexer no principal. Muitos vereadores não aceitariam sequer pensar em votar algo contra o funcionalismo, por exemplo. Mas, faltando ainda longo tempo para que a sessão extra desta quinta terminasse, as principais questões estavam bem encaminhadas. Há uma tendência da Câmara em dar o aparato político para que o novo Prefeito possa tocar em frente seus projetos. Vamos esperar para ver se isso trará resultados práticos ou se tudo ficará no discurso, outra vez.

MATANDO CRIANÇAS

A violência continua apavorando Rondônia. O brutal assassinato do ex prefeito de Ministro Andreazza, que deixou o cargo há apenas quatro dias, deixa claro que os crimes com cunho políticos e praticado por pistoleiros, voltaram com tudo ao Estado. Já em Porto Velho, outro crime incrível. Para se vingar de um conhecido que lhe devia dinheiro, um doido varrido matou uma criança de 13 anos, que seria namorada do devedor. É uma coisa inacreditável como o desrespeito pela vida e o total desprezo por qualquer sentimento de pena ou solidariedade esteja predominando. Junte a tudo isso a absurda, doentia, criminosa impunidade, porque o matador sabe que jamais receberá a punição que merece e teremos o dantesco quadro que alimenta a voracidade da violência. Não há, em praticamente todos os recantos desse país, uma comunidade que não tenha história semelhante. Matar por qualquer motivo se tornou hábito. São 50 mil assassinatos por ano, no Brasil. Apenas 10 por cento são esclarecidos e em somente metade disso o culpado é devidamente punido.

PERGUNTINHA

Ano Novo, Vida Nova, viadutos velhos. Quando será que vamos ver concluídos aqueles trombolhos que chamam de viadutos, na BR 364, principalmente os na altura da Campo Sales?

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Artigos

O DIA MAIS FELIZ DA MINHA VIDA

Publicados

em

Ele esperava por aquela data como se fosse casar ou se formar. Milhões, para não dizer bilhões, na verdade, esperavam. Em todo o mundo.

Desde fevereiro ou março ele desejara ardentemente que gostaria de se vacinar contra a COVID-19 até o seu aniversário, dali a três, quatro meses. Por volta de maio, há algumas semanas da sonhada data, ele passara a profetizar que iria ser vacinado no dia de seu nascimento.

Cadastrou-se no aplicativo da Prefeitura de Porto Velho/RO e ficou aguardando. Ansiosamente.

Foi acompanhando, passo a passo, o ritmo da vacinação e não é que, pela lógica do andamento, bem como sua faixa etária, não seria possível conciliar as duas tão relevantes datas?

No entanto, a confirmação efetiva veio apenas na noite anterior. Sua noiva deu-lhe a boa nova e ainda comentou: “Meu Amor, você vai ser vacinado no dia do aniversário, como você havia dito. Olha só como Deus é bom com você?”

Mais algumas informações básicas obtidas com a Secretária Municipal de Saúde e tudo pronto. No dia 22 de junho ele realizaria o sonho de bilhões ao redor do mundo. Seria, finalmente, imunizado!

No felizardo dia, colocou a sua melhor roupa; “roupa de tirar sangue” – como os antigos chamavam. Além de ser roupa de trabalhar.

Chamou o UBER e só nessa hora percebera que o cartão cadastrado havia sido recusado. Os poucos trocados que tinha na carteira foram o suficiente para pagar a corrida e dar uma boa gorjeta (quase o dobro) para o gentil motorista, Sr. Ênisom.

Chegou lá bem antes do início da vacinação. Queria mesmo ser vacinado na data em questão. No entanto, tinham alguns mais ansiosos. Para ser mais exato, de 800 a 1000 pessoas. Não importava. Aguardaria o que fosse preciso. Por precaução, levara consigo um livro (Roosevelt, de Lord Roy Jenkins) para ler.

Na fila, parecia que a capital inteira estava lá. Divertira-se bastante conversando com muitas pessoas. Que dia agradabilíssimo!

Lembrara-se que vira, num jornal qualquer, que, nos Estados Unidos, o governo estava premiando e mesmo dando dinheiro para quem fosse se vacinar. Por aqui, as pessoas se acotovelavam para conseguir o imunizante. Cerca de meia hora depois que chegara a fila já havia dobrado!

Neste ponto, que me perdoe nosso Presidente da República, os brasileiros têm razão!

A conversa com as pessoas, aliada à eficiência do pessoal da Prefeitura, fez com que nem necessitasse abrir o livro.

Chegou a aguardada hora. Primeira dose, três dias sem beber e ponto final. Imunizado!

Estava radiante. Tão feliz que se sentiu na “obrigação” de fazer um discurso. Pediu a atenção de todos e disse algo mais ou menos assim:

Leia Também:  UMA AFRONTA ÀS PESSOAS DE BEM E A TRISTE DEFESA DOS MAUS

“Atenção, sou Reginaldo Trindade, do Ministério Público Federal.

O mundo inteiro está de joelhos e mesmo de luto diante dessa pandemia.

No entanto, isso vai passar, como tudo na vida.

Gostaria de parabenizar, com toda a força do meu coração, todos vocês.

Vocês, profissionais da saúde, são soldados! Soldados de branco a serviço da vida!”

As breves palavras (o serviço não podia parar!) foram sucedidas de caloroso aplauso de todos que ali estavam.

Não perguntem o porquê, mas justamente na hora em que iria vacinar-se havia uma equipe de televisão no local que registrou tudo. Deve ter sido uma dessas coincidências que só Deus explica, na medida em que somente sua noiva, familiares e servidores que trabalhavam consigo sabiam que ele receberia sua vacina naquela data.

Pediram-lhe e ele concedeu uma entrevista.

Falou da sensação de alívio e, talvez até exagerando um pouquinho, comparou o dia com a data de sua formatura, de seu casamento, do seu divórcio, do seu noivado e do nascimento dos filhos.

Chegou até a concitar as pessoas a tomarem a segunda dose. Segundo viu no noticiário, são milhões que não voltaram para o reforço.

Lamentou apenas o fato de que perdera seu irmão há pouco mais de dois meses para o maldito vírus.

Findos os trabalhos – vacinação, discurso, entrevista –, foi embora.

Embora pudesse cadastrar outro cartão no aplicativo do UBER, preferiu voltar a pé.

Nada melhor que uma boa caminhada para pensar na vida – em como ela era generosa consigo.

O clima de “quase neve” no dia ajudou muito na incomum decisão. Se fosse dia de sol abrasivo na Capital das Terras de Rondon ou, como diria o Prefeito Dr. Hildon Chaves, “com um sol para cada cidadão”, de certo que não ousaria tanto. Não haveria felicidade, nem empolgação que permitisse a façanha.

No caminho, meditara bastante.

Relembrara que, certa feita, fora a um Stand Up Comedy em São Paulo/SP e o comediante contou uma piada assim: que o lugarejo era tão pobre, mas tão pobre que o sonho de uma criança de oito anos era tomar uma vacina. Jamais imaginara que o mundo inteiro estaria nessa condição tão singular dali a tantos anos.

Não se cansava de dizer que quando os números de mortes, por mais horrendos que fossem, começassem a alcançar pessoas próximas, as estatísticas virariam lágrimas.

Até a Páscoa deste ano falava, com muito alívio e gratidão, que sua família e até mesmo amigos mais próximos haviam sido todos poupados.

A partir daquele domingo, porém, seu discurso mudou.

Seu irmão caçula, o mais próximo de si, foi levado precocemente pelo flagelo do novo milênio – ao menos até agora.

Leia Também:  BOLIVIANOS FECHAM NOVAMENTE A FRONTEIRA COM GUAJARÁ. SITUAÇÃO É CADA VEZ MAIS TENSA NO NOSSO VIZINHO

Ele foi internado no domingo de Páscoa; dali a oito dias foi entubado e bastaram dois dias de UTI para o implacável vírus levá-lo.

Apesar da dor da perda, lembrava não com raiva por eventual atraso/ausência na compra das vacinas. Não culpava ninguém.

Jesus Cristo, Nosso Senhor, tem desígnios que estão muito acima de nossa vã compreensão – tentava confortar-se.

Seria hora de celebrar a vida. E uma vida extraordinária, recém-renascida, é para ser muito celebrada!

Quanto ao irmão, sua passagem, curiosamente, teve um significado todo especial para ele. Aprendera muito com o caçula da família. Sua gratidão era tamanha que resolvera até fazer uma homenagem em camisetas e outdoor:

“Homem que viveu quase meio século da forma mais feliz possível.

Ele demonstrou, diuturnamente, também pela beleza radiante e iluminada do seu sorriso, que O SER HUMANO PRECISA DE MUITO POUCO PARA SER FELIZ E, MENOS AINDA, PARA VIVER.

Marido, Pai, Filho, Irmão, Amigo que levou ao extremo, em cada momento de sua abençoada vida, a máxima de Gandhi…

NÃO EXISTE UM CAMINHO PARA A FELICIDADE. A FELICIDADE É O CAMINHO!

Sua presença jamais morrerá com o seu corpo!

Muito obrigado, Meu Querido e Amado Irmão, por ter ensinado que nossas vidas têm que ser vividas de forma leve, gostosa, amena – porque viver é assim!

Muito obrigado por ME ENSINAR A SER FELIZ!!!!!!

Sou tão grato ao Altíssimo por ter convivido 45 anos, 07 meses e 14 dias contigo. Foram tantos momentos felizes e inesquecíveis…

Hei de, com a Graça de Deus, até o fim dos tempos, dar o meu melhor para retribuir, principalmente esforçando-me para, ao menos, tentar imitar-lhe a beleza da vida!!!!

Com MUITO AMOR,

Reginaldo Trindade”

_______________

Uma hora e quinze depois chegara em casa.

Estava alegre, aliviado, em êxtase.

Sua vida nunca mais seria a mesma…

____________

Dedicado ao Jovem Gilberto Trindade, o “Beto”, que partira tão cedo, menos de meio século de vida; mas que, mesmo assim, foi o bastante para aproveitá-la ao máximo. Tudo o que poderia….

_____________

REGINALDO TRINDADE

Procurador da República. Responsável, no Estado de Rondônia, pela Defesa do Povo Indígena Cinta Larga, de abril de 2004 a dezembro de 2017. Pós-Graduado em Direito Constitucional. Membro da Academia Rondoniense de Letras. Idealizador da Caravana da Esperança, do Bazar da Solidariedade, do Fórum do Amor e do Movimento FAROL DE ESPERANÇA – Resgatando VIDAS! (anteriormente denominado Dio: O resgate de uma vida). Futuro doador do Médico sem Fronteiras e do Greenpeace. Colaborador da Associação Pestalozzi, da Casa Família Rosetta e da Confrontando Gigantes. Ser humano abençoado.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA