PORTO VELHO

Artigos

HISTÓRIA É A CIÊNCIA DAS UTOPIAS QUANDO SE REFERE À DATAS, IDEOLOGIAS E MITOS.

Publicados

Artigos

 

 

Os construtores do mito “Chico Mendes” esqueceram ou não quiseram ouvir os moradores antigos de Xapuri.

Chico Mendes era filho de seringueiro, mas nunca foi seringueiro de fato.

O sindicalismo era um escape estratégico para um homem que se negou ao trabalho duro nos seringais.

Os antigos de Xapuri descrevem Chico Mendes como um homem de palavra cativante, amante da cachaça e da vida promíscua.

Os antigos comerciantes de Xapuri reclamavam de que ele não era acostumado a honrar as suas contas.

Recebi confidências da primeira família de Chico Mendes que arrepiam os cabelos…

Chico Mendes é um produto de ONG’s internacionais que sempre quizeram internacionalizar a Amazônia. Ele sempre foi um inimigo do Brasil, sempre agindo em busca de palco pelo mundo, sempre a serviço de sua própria causa, de sua própria glória…

Precisamos urgentemente reparar esse erro histórico e devolver a Amazônia brasileira para os brasileiros!!!

Foi um erro terrível a morte de Chico Mendes, ninguém tem o direito de fazer justiça com as próprias mãos, mas condenar os madereiros e empresários do agronegócio por limpar a floresta para produzir o alimento que é colocado todos os dias sobre nossas mesas, é também um crime imperdoável…

Leia Também:  #UNIÃOBANDEIRANTES: Prefeito Hildon sanciona lei que beneficia agricultores familiares

Eu vivi a construção do Estado de Rondônia. No ano de 1974 ajudei meu pai distribuindo medicamentos para os colonos do interior. Ele era o administrador das unidades de saúde de Vila Ariquemes até Vila de Vilhena. Eu contava os cadáveres de nossos heróis que desbravaram Rondônia, cheguei a contar nove corpos de pessoas que morreram de malária na pedra e no chão do necrotério do Hospital Nossa Senhora Aparecida em Vila Rondônia (Ji-Paraná), onde residimos por quatro anos…

O Acre cansou das mentiras do “governo da florestania”. O orgulhoso povo acriano quer recuperar o tempo perdido, esse povo é brasileiro por opção e muitos morreram para que isso fosse possível. O Acre tem as terras mais férteis do Brasil e pouca gente sabe que a acidez do solo de Tarauacá e Feijó é de 6,5%.

Precisamos preservar nossa riqueza florestal, mas precisamos também de alimentos…

A história de que desmatando a Amazônia virará um deserto é pra inglês ver. Rondônia (que também é Amazônia) trabalha com agricultura à mais 40 anos e agora que ficou bom para plantar soja…

Leia Também:  #Mega-Sena acumula e vai a R$ 27 milhões

Eu sei que a biodiversidade amazônica é a nossa maior riqueza, mais o ônus de protegê-la nos obriga a redimensioná-la. Várias áreas de proteção ambiental já não possuem mata nativa, o Estado perdeu o poder de lhes dar proteção. Sempre estamos precisando de áreas maiores porque somente nos autorizam trabalhar com 20% de nossas terras…

Isso tudo tem que mudar rapidamente, precisamos proteger as plantas que no futuro servirão de remédio contra o câncer, mas precisamos também colocar arroz e feijão à mesa, pois sem eles não teremos a sorte de morrer com câncer, morreremos antes disputando um pedaço de pão…

Amadeu Hermes

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Artigos

Produtores de leite em Rondônia insatisfeitos; Baixa na colheita da soja; Bedin fez compromisso de manter a preservação amazônica

Publicados

em

Um negociante…!

Napoleão Bonaparte, estadista Frances (1796/1821) frisava que, “o líder é um negociante da esperança”. Esta na hora do Brasil descobrir um líder que possua condições morais para cativar o sentimento de uma sociedade à beira do desespero. Que tenha humildade de aceitar às criticas, entenda a força dos desafios e planeje soluções, dividindo e decretando responsabilidades. Um líder não estimula divisões, pelo contrário agrega valores num momento histórico sem precedentes como este que atravessamos, com mais de 14 milhões de pessoas desocupadas sobrevivendo abaixo da linha da miséria, tendo puro e tão somente o agronegócio oferecendo uma luz no final do túnel.

Desculpem, mas não poderia deixar passar em branco, os 57 anos, daquele evento de 31 de março registrado como “A Revolução de 1964”, movimento histórico que deixou marcas indeléveis na vida de milhares de brasileiros. Fora um período de arbítrio, em que a imprensa passou momentos delicados sob a tesoura da censura, os direitos individuais e políticos desrespeitados, prisões e torturas, assim como o exílio aos que não concordavam com o sistema.

Que tempos escuros são aqueles, que oxalá não retorne mais. Contudo, vamos seguir acreditando que as crises se resolvem com dialogo e trabalho, respeito às leis e autoridades constituídas. Acreditar no campo que produz e coloca “bóia” na mesa dos brasileiros, nos homens e mulheres de boa vontade, pois é sempre melhor uma democracia atabalhoada do que uma ditadura, sem respeito às leis e direitos individuais.

Não repetirá

Ausência de chuvas no período do plantio, excesso de águas, na época da colheita da soja em Rondônia, provocará uma queda na qualidade dos grãos, assim como uma baixa em torno de 10% no número de toneladas na safra 2020/2021. A previsão é do engenheiro agrônomo, Robson Rizzon da Central Agrícola em Vilhena, uma vez que Cone-Sul, também o excesso de chuvas prejudicou a colheita. No município de Porto Velho, os produtores rurais enfrentam as mesmas dificuldades dos lavoureiros no Sul do estado.

Leia Também:  OPERAÇÃO SUBNEGARE – MP amplia investigações para desarticular esquema de sonegação fiscal na comercialização de gado

Insatisfeitos

Os produtores de leite em Rondônia, insatisfeitos com o preço do litro do produto R$ 1,20 pago pelos laticínios decidem até segunda-feira (05), se decretam uma greve total ou parcial, uma vez que eles desejam que o litro de leite seja quitado no valor de R$ 1,60, o que os laticínios não aceitam pagar. De acordo com Hélio Dias, presidente da Federação de Agricultura e Pecuária de Rondônia (Faperon), que vem mediando as negociações, os laticínios estão irredutíveis e não concordam com o valor proposto pelos produtores rurais.

Alerta Amarelo!

A diplomacia americana alertou essa semana que o presidente Joe Bedin, vai endurecer o jogo se o governo brasileiro, não mudar a política de preservação ambiental na Amazônia, combatendo as queimadas e desmatamentos. Antes de assumir o comanda da maior potência do planeta, Joe Bedin fez compromisso público de manter a preservação amazônica, evitando novas derrubadas de matas, assim como evitando a expansão do agronegócio na região.

Tudo em ordem!

Os técnicos da Suframa, em Manaus e da Sudam em Belém do Pará, colocam em ordem os últimos detalhes para o encontro dos governadores do Amazonas, Wilson Dias, do Acre, Gladson Camelli e de Rondônia, Marcos Rocha, e outras autoridades agendado para os 19 e 20 de abril na capital amazonense, quando será firmado o consórcio entre os três estados conhecido como AMACRO, beneficiando 32 municípios com projetos técnicos e ambientais. De acordo com informações da assessoria da Suframa, é aguardada a confirmação da presença do vice-presidente da República, Hamilton Mourão.

Leia Também:  Presidente Laerte Gomes entrega ônibus escolar para o município de Castanheiras

Café e peixe

Os bancos da Amazônia e do Brasil, em Rondônia, mesmo diante da crise política e social que vem afetando a economia em outras regiões, por aqui continuam liberando recursos para implementar a produção de café e peixe, bem como outros setores ligados ao agronegócio. O Secretário de Agricultura, Evandro Padovani aposta no crescimento sustentável da cafeicultura e piscicultura nas áreas cultivadas pelos médios e pequenos produtores rurais.

Cursos remotos

Com uma carga horária média de 24 a 32 horas, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) lança a partir de 19 de abril 30 cursos para produtores rurais, com destaque para as boas práticas nas agroindústrias e controle integrado de pragas no cultivo do café e cacau. De acordo com Emerson Lira, superintendente estadual do SENAR, os cursos online ao vivo com quatro horas/diária presenciais visam preparar os pequenos e médios produtores rurais e seus familiares para desenvolver atividades no campo após a pandemia.

Finalizando

Desejando uma boa Páscoa, sempre lembrando que o coronavirus continua grassando vidas, por isso não esqueça a máscara, deixe as aglomerações e festas para depois.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA