PORTO VELHO

Colunistas

MENTIRAS, OMISSÃO, SABOTAGEM? SENADOR DENUNCIA  MOTIVOS DO ATRASO NA BR 319 E DA TRANSAMAZÔNICA

Colunistas

 “Precisamos abrir essa caixa preta!”. A frase do senador Eduardo Braga, do Amazonas, presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado (Acir Gurgacz e a Vanessa Graziotin fazem parte da mesma Comissão), sintetiza muito bem algo muito podre pode estar sendo engendrado contra nossa região. Há forte suspeita de que forças ocultas, como diria o ex Presidente  Jânio Quadros, estão mobilizadas dentro do Ministério do Transportes  e do Ministério do Meio Ambiente, para impedir que as obras da BR 319 e também da BR 230 (a Transamazônica), se tornem realidade. Mentiras, omissões, lava mãos, sabotagem? Para Eduardo Braga, não há explicação para o que está sendo feito, em termos de prejuízos em relação a essas obras, vitais para Rondônia e Amazonas. No caso da BR 319, é inacreditável que os representantes da região – tanto senadores quanto deputados federais – estejam recebendo informações oficiais falsas, há longo tempo. Duas delas são assustadoras: mesmo informando há anos que está faltando apenas a autorização ambiental para que as obras da 319 sejam realizadas, a verdade é que desde 2008, quando foi autorizado tal estudo, jamais foi feito absolutamente nada. Zero! Ou seja, o tal estudo, nesse período, foi um fake. Só há dois anos começou a existir o processo, mas ele só ficará pronto, segundo o Ibama, em meados de 2019. Ou seja, durante mais de uma década os amazonenses e os rondonienses foram enganados de que estavam sendo feitos estudos sérios e profundos, em termos ambientais, para que a rodovia pudesse ser recuperada. Mentira! Outra vergonha: também informações vindas do governo federal, imputavam à falta de detalhes sobre a existência de tribos indígenas, que poderiam ser afetadas pelas obras, o aval ao prosseguimento delas. Onde está mais essa mentira que Eduardo Braga e seus companheiros de Comissão descobriram? Simples: não existe e nunca existiu qualquer estudo oficial sobre esse assunto.

Quer mais? Braga também classificou como “gravíssima” a revelação feita por uma diretora do Ibama de que a BR-230, a nossa  Transamazônica, conta com licença de instalação para obras desde 2011. “Há uma emenda aprovada por esta comissão no Orçamento de 2018 para obra no trecho Lábrea-Humaitá, no Amazonas, da BR-230. Até agora, a informação oficial do Ministério dos Transportes  era de que não poderia fazer licitação desse trecho, porque não tinha licenciamento ambiental e projeto. Tem ambos e tem dinheiro”, denunciou o senador.  Uma vergonha. Mentiras e mais mentiras, de anos e anos, vindas de dentro do próprio Governo federal. No caso da Transamazônica, pior ainda, porque há autorização ambiental  desde 2011 para a obra, o projeto existe há  anos e o dinheiro também. No linkhttps://correiodaamazonia.com/licenciamento-da-br-319-possui-equivocos-e-falhas-aponta-senador-eduardo-braga/ tem toda a vergonhosa história. E ninguém vai para a cadeia? Claro que não!

 

 

MOREIRA E A PONTE DO MADEIRA

O mundo político rondoniense perdeu um dos seus grandes personagens. Rubens Moreira Mendes  morreu na madrugada desta terça, aos 71 anos, depois de um longo sofrimento, causado por um câncer. Foi um advogado atuante (fundador da OAB/RO) e um político respeitado. Sua participação no governo Osvaldo Piana, como um dos assessores mais poderosos, há época, apenas impulsionou uma carreira que já era vencedora. Moreira Mendes foi deputado federal e senador e, durante todos os seus mandatos, trabalhou duramente por seu Estado. Pouca gente se lembra, mas uma das suas maiores lutas foi pela construção da ponte sobre o rio Madeira, no bairro da Balsa, que hoje é uma realidade. Ele chegou a conseguir recursos para a obra e colocou-os no orçamento da União, ainda quando o Presidente era Fernando Henrique Cardoso. Quando Lula e o PT assumiram, os recursos foram para outros setores, embora, anos depois, tenham sido os petistas, já no governo de Dilma Rousseff, quem concluíram as obras da ponte. A política e suas complicações atingem de vez em quando em cheio algumas autoridades e gente que vive neste mundo conturbado. Na semana passada, o líder do PT no Estado, o deputado estadual Lazinho da Fetagro, sofreu um ataque cardíaco. Tratado rapidamente, ele superou o problema, felizmente e está firme na busca da reeleição.

Leia Também:  O que muda com a Reforma Trabalhista, parte 4

CAJU, O DESTRUIDOR DE MITOS!

Inteligente, contestador, articulado, Paulo César Caju foi um dos grandes jogadores do futebol brasileiro nos anos 70. Foi um dos campeões no México, jogando naquela Seleção que tinha Pelé, Tostão, Rivelino, Jairzinho e tantos outros craques que jamais os teremos novamente. Caju também escreve muito bem. Para quem acha que mesmo sendo derrotado na Rússia, o time brasileiro precisa continuar sendo comandado por Tite, vale a pena ler artigo sensacional publicado pelo ex craque, nas páginas do jornal O Globo, do Rio. No linck https://oglobo.globo.com/esportes/a-caminhada-de-didi-22866056#ixzz5KlF9VAiV se pode acessar o texto, controverso e recheado de duríssimas criticas. Caju desconstrói a figura de Tite como técnico e líder da Seleção e, aproveita ainda para esculachar a péssima qualidade da maioria dos comentaristas esportivos do país. O Tite motivador e com jeito de Pastor é considerado um fracasso, por Caju e, segundo o texto, principal responsável pela passagem efêmera da nossa Seleção por mais uma Copa do Mundo. Vale a pena ler, até para se ter uma ideia diferente do oba-oba que muitos comentaristas andam fazendo em torno do futebol brasileiro.

 

DEZ MIL FAMÍLIAS PREJUDICADAS

O presidente da Assembleia, deputado Maurão de Carvalho, voltou a criticar duramente o projeto do governo para criar mais onze áreas de conservação no Estado. O parlamento tinha derrubado o projeto, mas o governo recorreu e o recurso foi acatado pelo Tribunal de Justiça. A ALE vai recorrer da decisão. Em entrevista ao programa A Hora do Povo, na Rádio Rondônia, Maurão voltou a lamentar a situação de grande número e famílias de produtores, que serão extremamente prejudicados. “Temos hoje 40 reservas e pelo menos metade delas, não é mais reservas, mas sim terras ocupadas por famílias de trabalhadores rurais. Não temos avanços na aproximação do Zoneamento, que é esperado por todos. Mas, em contrapartida, recebemos essa má notícia para o setor produtivo, que sustenta a nossa economia, que é a criação de 600 mil hectares de novas áreas de reserva”, protestou Maurão.  Ele comentou ainda que “Rondônia se destaca por sua capacidade produtiva, e a criação de áreas de reservas, sem estudos, sem nenhum critério, vai afetar demais a nossa economia, prejudicando cerca de 10 mil famílias”. E questionou: “quem vai pagar a indenização a todos esses proprietários?”.

ÔNIBUS, TÁXIS E A MÃO DA JUSTIÇA

Não deu outra! A decisão da Câmara de Vereadores de Porto Velho, que autorizou (por 16 votos a 2) a criação do sistema de táxi compartilhado, foi barrado na Justiça. Em primeira instância, claro, mas a decisão da juíza Katyane Viana Lima Meire já está valendo e, portanto, está cancelada a decisão do legislativo municipal. Os ônibus, que estavam em greve, voltaram a circular tão logo a decisão da magistrada foi anunciada. Em sua decisão, a juíza alega que “táxi é considerado transporte individual de passageiros, sendo assim é “considerado clandestino o transporte alternativo que pretende, com o referido projeto, ser implantado no município de Porto Velho, o que macula com objeto do projeto apresentado, justificando o pedido liminar pretendido”. No mesmo contexto, ficou claro de que a  aprovação do projeto de táxi compartilhado causaria danos irreparáveis para as empresas de transporte coletivo, representadas, na ação, pelo Consórcio Sim. Ou seja, tudo voltou como antes, na terra de Abrantes. Os vereadores se saíram bem com os taxistas, porque aprovaram o projeto e agradaram a categoria e deixaram o pepino nas mãos do Judiciário. Coisa, aliás, que se imaginava desde o início deste imbróglio.

Leia Também:  Encerrou-se o prazo para adesão ao Novo REFIS

 

O PIOR AINDA ESTÁ POR VIR?

Olavo de Carvalho é um duro crítico do petismo e da esquerda. Seus textos são agressivos e exigem que se separe a ideologia, para compreendê-los. Mas de vez em quando suas escritas têm uma lucidez assustadora. Depois do episódio da tentativa frustrada de soltar o ex Presidente Lula, ele afirma que tudo foi feito de forma planejada e muito bem pensada. E que, ao contrário do que diz a maioria da sociedade, Lula e o PT não saíram derrotados do episódio. Pelo contrário. No trecho final do seu artigo sobre o tema, vejam o que ele escreveu: “A ação realizada  pelo PT foi uma manobra estratégica, conhecida como reconhecimento em força. O objetivo principal era apenas o de avaliar o  dispositivo de defesa das Instituições de Estado, Poder Judiciário, Ministério Público, Forças Armadas. A reação da sociedade. A força das redes sociais. O  comportamento da mídia. Os flancos expostos. É uma operação que precede o ataque. O ataque final está por vir. A decisão sobre o quando e o como será tomada por ocasião da reunião do Foro de São Paulo, em Cuba. Dirceu foi solto para coordenar isto. A  via de acesso que será utilizada está pavimentada e todos já conhecemos: o STF. A hora se aproxima, e será logo após o recesso da Corte. Estejamos preparados! Não há o que comemorar. O que o obtivemos no domingo foi  uma vitória de Pirro…”. Não dá arrepios?

PRENDE, SOLTA, PRENDE, SOLTA…

Até quando ficarão atrás das grades? A Justiça decretou a prisão preventiva de mais de duas dezenas, entre os cerca de 50 criminosos presos na semana passada, depois de invadirem uma Fazenda em Alvorada do Oeste, causando pânico, armas pesadas e roubando o que puderam levar. Alguns deles já foram presos e soltos vários vezes, sempre pelos mesmos crimes. A Polícia Civil continua com as apurações sobre o caso, segundo o a polícia. Todos seguem presos no presídio da região. Dias atrás, pelo menos 15 bandidos, encapuzados, fortemente armados, todos suspeitos de pertencerem à Liga dos Camponeses Pobres, a famigerada LCP,  atacaram a Fazenda Verde Vale. Entre outras ações criminosas, eles mantiveram  cinco pessoas em cárcere privado por mais de 10 horas. A polícia saiu em perseguição ao grupo e pegou não só os envolvidos diretamente no crime, como vários outros suspeitos, que também estavam armados e usando capuzes. No total, 23 homens e 10 mulheres foram conduzidos à Unisp do município. Há mais gente sob investigação.

 

PERGUNTINHA

Você não tem saudade do tempo em que o Arraial Flor do Maracujá era realizado durante as festas juninas, levando multidões ao centro de Porto Velho, ao invés, como é agora, de ser realizado no final de julho e início de agosto, quando os festejos oficiais já passaram há muito tempo?

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Artigos

QUANDO É DEUS QUE NOS CONFIA A MISSÃO

Publicados

em

Ele, como invariavelmente acontecia numa vida de quase meio século (ao menos a partir dos tempos de faculdade), estava com muita pressa.

Já era por volta de 09 horas e precisava trabalhar. Embora estivesse em teletrabalho, algumas coisas precisavam ser encaminhadas ainda pela manhã.

Trazia consigo o conforto de já ter feito a sagrada atividade física e ainda ajudado a noiva, que tanto amava, em algumas pequenas atividades domésticas.

No cruzamento das Avenidas Guaporé e Calama algo lhe chamou a atenção. Algo que, infelizmente, está cada vez mais comum na Capital das Terras de Rondon.

Havia um Senhor, provavelmente venezuelano, com duas crianças bem pequenas, certamente com menos de cinco anos cada, muitos lindas a despeito de maltrapilhas, os três tentando se esconder do sol escaldante, que o Prefeito Hildon Chaves já disse que “existe um sol para cada cidadão em Porto Velho”.

Pegou algumas moedas e chamou o pedinte. Perguntou por que as crianças não estavam na escola. Ele disse, no seu idioma (num Portunhol, na verdade), que não era a sua culpa.

O sinal abriu e ele seguiu, mas foi com o coração apertado, não sem antes proferir uma sentença motivacional: tenha fé que vai melhorar!

Alguns quarteirões bastaram para dar um aperto ainda maior no peito; como se Deus estivesse mandando voltar.

Apesar da pressa para ir trabalhar em casa, não titubeou. Deu meia volta e foi conversar melhor com o estrangeiro.

Descobrira que as crianças não estavam estudando porque ele não conseguira vaga numa escola pública e, naturalmente, não podia pagar uma particular.

O venezuelano insistia que precisava mesmo era de um trabalho.

O homem, cujos méritos todos na vida foram conseguidos pelos livros e pela educação, disse que primeiro conseguiria uma escola para as crianças; depois tentaria ajudá-lo com o trabalho. Pegou o celular da esposa do pedinte, puxou a maior cédula que tinha na carteira e renovou o pedido para que tivesse fé que as coisas iriam melhorar.

Leia Também:  QUEM VAI SALVAR OS QUASE 13 MILHÕES DE DESEMPREGADOS?

Infelizmente, essa situação – pedintes pelas ruas de Porto Velho – está proliferando mais que coelho no cio.

Hoje em dia é uma raridade não ter ao menos um num semáforo, mesmo distante do Centro (Avenida Mamoré, por exemplo); não raro com crianças, às vezes até bebês, a tiracolo.

Hoje eles estão até nos restaurantes e farmácias, ainda que travestidos de vendedores do que for. Para não ir muito longe, fiquemos só com a situação dos venezuelanos.

De acordo com dados oficiais da SEMASF – Secretaria Municipal de Assistência Social e Familiar, gentilmente compartilhados pelo Senhor Claudi, titular da pasta, são vinte e dois venezuelanos apenas no abrigo da Prefeitura.

Embora não se tenha feito nenhuma pesquisa, muito menos se saiba de qualquer uma, atreve-se a dizer que deveremos ter centenas de venezuelanos por aqui.

O mesmo que foi abordado, por exemplo, reside numa casa e, de certo, está longe dos registros oficiais, como o céu da Terra.

São tantos que já têm até uma associação, ainda segundo o prestativo secretário. Já passaram mais de trezentos por aqui, conforme ele mesmo disse.

Se a solidariedade e compaixão (leia-se AMOR) que existe no coração de todos nós não for acionada, essas pessoas continuarão a sofrer pela falta de duas coisas mais elementares que pode afligir o cidadão de bem e que estão expressas até na nossa Constituição Cidadã: A EDUCAÇÃO E O TRABALHO.

A maioria desses venezuelanos está com uma placa pedindo emprego! Vários deles são letrados (certa feita viu até um que era advogado!). Ontem mesmo, no cruzamento da Raimundo Cantuária com a Rio Madeira havia uma engenheira mecânica, se a memória não nos é falha, com uma criança como se fosse um marsupial (sim, um canguru!!!!!). O marido ficou na Venezuela. Ela nem tinha celular.

Será se as grandes empresas de Porto Velho não poderiam absorver essa força de trabalho?

Leia Também:  Entendendo Economia: A Reforma da Previdência é para Beneficiar os Bancos

Repare-se que não se fala de filantropia, pelo menos não no sentido mais puro da palavra; mas, simplesmente, dar uma chance a quem precisa!

Alguns vão dizer que tem muito brasileiro sofrendo com falta de emprego também. Mas, é diferente! O venezuelano está num mundo que não é o dele. Tem o preconceito. Tem a barreira da língua.

Brasileiro, aqui em Porto Velho ao menos, só não trabalha se não quiser!

Outros, ainda mais ousados, dirão que muitos preferem voltar para as ruas porque ganhavam mais e era mais “fácil”.

Bem, poder-se-ia pensar em uma espécie de cadastro das pessoas. Sei lá!

Ninguém está vendo isso, não?

O fato é que, se quiserem um motivo para não ajudar, darei um milhão de razões!

É até covardia acreditar que o governo/prefeitura, por mais bem intencionados que estejam, vão conseguir resolver o caos de Porto Velho (para não dizer do Estado inteiro – sim, até em Cacoal já tem venezuelano) sozinhos.

O que a sociedade vai fazer?

O que cada um de nós vai fazer?

Quem está disposto a ajudar????

_________________

Dedicado ao Jovem Gilberto Trindade, o “Beto”, que partira tão cedo, menos de meio século de vida; mas que, mesmo assim, foi o bastante para aproveitá-la ao máximo. Tudo o que poderia. Ele completaria, no próximo dia 27, apenas 46 anos…

_____________

REGINALDO TRINDADE

Procurador da República. Pós-Graduado em Direito Constitucional. Membro da Academia Rondoniense de Letras. Idealizador da Caravana da Esperança, do Bazar da Solidariedade do Movimento FAROL DE ESPERANÇA – Resgatando VIDAS! (anteriormente denominado Dio: O resgate de uma vida). Doador do Médico sem Fronteiras e do Greenpeace. Colaborador da Associação Pestalozzi, da Casa Família Rosetta e da Associação Acolhedora Vencendo Gigantes (outrora Confrontando Gigantes)Ser humano abençoado.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA