PORTO VELHO

Mundo

Síria: 34 migrantes são encontrados mortos na costa do país

Mundo

Autoridades dizem que pessoas haviam partido do norte do Líbano
Reprodução/Twitter

Autoridades dizem que pessoas haviam partido do norte do Líbano

As autoridades marítimas da Síria recuperaram 34 corpos de migrantes ao largo da costa da cidade portuária de Tartus nesta quinta-feira (22). A localidade fica próxima à fronteira com o norte do Líbano , de onde o governo acredita que as pessoas teriam partido.

“O número de pessoas encontradas afogadas chegou a 34 e outras 20 pessoas estão recebendo cuidados no hospital Al-Basel de Tartus”, informou ainda a nota do Ministério da Saúde de Damasco.

Outras oito foram resgatadas com vida no mar e os barcos governamentais seguem em busca de mais sobreviventes.

Não se sabe ainda precisamente quantas pessoas estavam na embarcação que afundou, mas a mídia libanesa informa que relatos de sobreviventes apontam que cerca de 50 pessoas estariam desaparecidas há mais de 72 horas.

Ajuda humanitária dos EUA

A Síria voltou a ser pauta da diplomacia internacional ns últimas semanas após os Estados Unidos anunciarem um financiamento de US$ 756 milhões em ajuda humanitária para o país.

A informação foi divulgada pela embaixadora do país na Organização das Nações Unidas (ONU), Linda Thomas-Greenfield, durante uma reunião do Conselho de Segurança.

Ao anunciar a assistência, Linda Thomas-Greenfield afirmou que a ajuda vai possibilitar o envio de água potável, alimentos, abrigo e suprimentos de higiene e socorro.

“Orgulho de anunciar mais de US$ 756 milhões em assistência humanitária para o povo sírio. Isso trará alívio imediato e se baseia nos mais de US$ 800 milhões em assistência aos sírios que anunciei em maio”.

Em maio, o governo do país já tinha anunciado o envio de US$ 800 milhões. Assim, o total enviado este ano é de US$ 1,5 bilhão. Segundo o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, o valor demonstra o “apoio inabalável” dos EUA ao povo sírio.

Em julho, o Conselho de Segurança da ONU  havia aprovado uma resolução que permite até 10 de janeiro de 2023 que países enviem ajuda humanitária a regiões controladas por grupos jihadistas e rebeldes sem precisar da permissão do governo sírio.

Leia Também:  Parlamento Europeu afirma que Hungria deixou de ser 'democracia plena'

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Mundo

Duma aprova anexação de DPR, LPR, Kherson e Zaporozhye na Rússia

Publicados

em

Soldado na Central nuclear de Zaporizhzhia
Reprodução/Ansa – 04.08.2022

Soldado na Central nuclear de Zaporizhzhia

A Rússia  aprovou por unanimidade projetos de leis constitucionais sobre a aceitação de Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk (DPR, LPR) e as cidades de Kherson e Zaporozhye em seu território. Estas regiões pertenciam à Ucrânia . A decisão foi tomada através da Duma do Estado, que representa o legislativo da Federação Russa.  

Segundo as leis, os residentes das novas entidades constituintes foram reconhecidos como russos em 30 de setembro, dia em que as regiões se juntaram à Rússia. Essa população tem ainda um mês para ajustar a documentação, enviando solicitações e prestando juramento como cidadãos russos.

Fronteiras

A DPR e a LPR continuarão sendo repúblicas, só que agora, da Rússia. Além disso, o russo será o idioma oficial. As regiões de Kherson e Zaporozhye também se juntarão à Rússia como entidades constituintes e continuarão sendo chamadas de “regiões”.

As fronteiras das repúblicas e regiões serão as mesmas que “existiam no dia de sua criação e adesão à Rússia”, diz o documento. Os acordos internacionais especificam que suas fronteiras com outros países serão consideradas fronteiras estaduais da Rússia. 

Leia Também:  Em resposta à China, Taiwan inicia exercícios com munição real

A transição durará entre o dia da adesão das novas regiões à Rússia até 1º de janeiro de 2026. Os cidadãos russos residentes nas regiões DPR, LPR, Zaporozhye e Kherson terão garantido o direito ao trabalho, segundo a Duma estatal. Além disso, serão reconhecidos documentos sobre a sua escolaridade e estado civil, bem como sobre o tempo de serviço e o direito a obter pensões e assistência social e médica.

Bombardeios se intensificam na Ucrânia

Os  bombardeios russos se intensificaram depois que Moscou anexou ilegalmente as áreas ucranianas, segundo informou o jornal Le Monde de Paris. No nordeste da Ucrânia um comboio de evacuação de civis teria sofrido um ataque a bomba que resultou na morte de pelo menos 20 pessoas, incluindo crianças. 

No sul, as forças russas são acusada de terem sequestrado efetuaram chefe usina nuclear da da Ucrânia, a maior da União Europeia. Esse é um momento importante no conflito, onde Putin acusa os Estados Unidos de ‘orquestrar um plano para destruir a Rússia’. 

Leia Também:  Ucrânia e Turquia assinam acordo para reconstrução no pós-guerra

As províncias de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia, já são parcialmente controladas por rebeldes pró-Rússia desde 2014, na esteira da anexação da Crimeia. Já os territórios de Kherson e Zaporozhye, no sul, foram invadidos pelas  tropas de Moscou na guerra iniciada em 24 de fevereiro.

*Com informações de agências russas

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA