PORTO VELHO

Polícia

Polícia Federal deflagra operação Sofisma no Rio de Janeiro

Polícia

 

A Polícia Federal (PF) faz hoje (17) ação contra esquema de corrupção, fraudes a licitações, evasão de divisas e lavagem de dinheiro envolvendo instituição de ensino e pesquisa privada com sede no Rio de Janeiro. A PF não divulgou o nome da entidade investigada, limitando-se a informar que tem renome nacional.

São cumpridos 29 mandados de busca e apreensão expedidos pela 3ª Vara Criminal Federal do Rio, tanto na capital fluminense quanto na cidade de São Paulo. Também foram expedidas ordens de sequestro e cautelares restritivas, de acordo com a polícia.

Segundo a PF, o esquema envolvia órgãos federais e estaduais, que contratavam a instituição com dispensa de licitação. As investigações, iniciadas em 2019, mostram que havia superfaturamento de contratos.

A instituição era usada “para fabricar pareceres que mascaravam o desvio de finalidade de diversos contratos, que resultaram em pagamento de propinas”.

“Apurou-se que, mais do que emitir pareceres inverídicos que camuflavam a corrupção dos agentes públicos, a entidade superfaturava contratos feitos por dispensa de licitação e era utilizada para fraudar processos licitatórios, encobrindo a contratação direta ilícita de empresas indicadas por agentes públicos, de empresas de fachada criadas por seus executivos e fornecendo, mediante pagamento de propina, vantagem a empresas que concorriam em licitações coordenadas por ela”, informa nota divulgada pela polícia.

Leia Também:  FORTRESS – Operação da PF desarticula tráfico e lavagem de dinheiro em RO

Os alvos da ação usavam empresas sediadas em paraísos fiscais, como Suíça, Ilhas Virgens e Bahamas, para lavar dinheiro e praticar a evasão de divisas.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Polícia

METAVERSO: Polícia Federal deflagra operação de combate às fraudes bancárias eletrônicas

Publicados

em

Operação cumpre 11 Mandados de Busca e Apreensão

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira (22/11/2022), a Operação METAVERSO, visando o combate a crimes relacionados a prática de fraude bancária eletrônica.

 

A Operação METAVERSO é resultado da força-tarefa TENTÁCULOS de repressão a fraudes bancárias eletrônicas, a qual é coordenada pela Polícia Federal com a cooperação das instituições bancárias aderentes ao Acordo de Cooperação Técnica firmando com a Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN).

A deflagração da presente operação policial, em razão do montante desviado e da forma praticada, representa um importante passo na repressão às fraudes bancárias eletrônicas.

Dentro da atuação conjunta, o Núcleo de Repressão a Fraudes Bancárias da Divisão de Repressão a Crimes Cibernéticos iniciou investigação para apurar fraudes cometidas por meio da internet no montante de R$ 18.500.000,00 em transferências bancárias para empresas e pessoas físicas com posterior compras de criptomoedas, inclusive através de corretoras de outros países, a fim de dificultar a rastreabilidade das vantagens financeiras obtidas.

Os valores de R$ 16.700.000,00 (dezesseis milhões e setecentos mil reais) e R$ 1.800.000,00 (um milhão e oitocentos mil reais) foram desviados, respectivamente, das contas de duas empresas através de uma sofisticada fraude realizada pelos investigados a partir da utilização da conta bancária de uma empresa sediada em Porto Velho/RO. A partir do acesso às contas bancárias das vítimas, os valores foram remetidos para inúmeras contas em diversos Estados da Federação.

Leia Também:  PF faz operações contra estudantes suspeitos de fraude no CadÚnico

Em Rondônia, a investigação, conduzida pelos policiais federais do núcleo de análise da delegacia regional de combate ao crime organizado (UA/DRCOR/SR/PF/RO), iniciou-se em maio de 2020 após o recebimento do relatório produzido pela unidade central a partir das informações apresentadas pelas instituições bancárias vítimas.

Segundo as investigações demonstraram, uma organização criminosa explorou possível vulnerabilidade técnica e/ou sistêmica no site vítima de ataque para desviar o montante total de cerca de R$ 18.500.000,00 (dezoito milhões e oitocentos mil reais), distribuídos imediatamente para dezenas de contas bancárias, em um movimento claro de dificultar a rastreabilidade e ocultar as vantagens financeiras obtidas na fraude.

A Polícia Federal conseguiu identificar 30 (trinta) pessoas físicas e jurídicas envolvidas na fraude, sendo que diversas empresas foram abertas exclusivamente para a realização do desvio e imediatamente encerradas as atividades.

A 4ª Vara Criminal de Porto Velho/RO, atendendo a representação da Polícia Federal, deferiu o pedido de busca e apreensão em 11 (onze) endereços vinculados aos investigados nos Estados de Rondônia, Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Leia Também:  A ponta do novelo...Rondônia – PF diz que petista recebeu R$ 8,7 milhões entre 2008 e 2014 para atuar a favor de projetos das Usinas do Madeira

Os investigados responderão, na medida de suas culpabilidades, pela prática dos crimes de furto qualificado mediante fraude (art. 155, § 4º, inciso II, do Código Penal), organização criminosa (art. 2º da Lei nº 12.850/13) e lavagem de dinheiro (art. 1º, §§ 1º e 4º, da Lei nº 9.613/98), cujas penas somadas podem ultrapassar 20 (vinte) anos de reclusão.

Fonte – 20 – Assessoria
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA