PORTO VELHO

Polícia

Descoberto novo site falso que rouba dados de servidores públicos

Polícia


Pela segunda vez em poucos dias, o Ministério da Economia pediu a suspensão de um site falso registrado no exterior que rouba informações de servidores públicos federais. A página captura usuários e senhas do aplicativo SouGov.br.

O alerta foi publicado hoje (26) pela Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia. O endereço falso é servidor.sougovbr.online.

Lançado em maio, o SouGov.br substituiu o aplicativo Sigepe Mobile. A ferramenta tem cerca de 30 serviços disponíveis aos servidores federais, como fornecimento de contracheque, consultas de prévia de salário, envio de atestados médicos e prova de vida para aposentados e pensionistas .

A secretaria do Ministério da Economia orienta os servidores federais a digitar o login e a senha do SouGov.br somente no aplicativo baixado da loja virtual oficial do governo. Caso alguém tenha inserido os dados no site falso, o órgão pede a troca imediata da senha do Portal Gov.br e dos sistemas Sigac/Sigepe.

Em caso de dúvidas, os servidores públicos devem entrar em contato com a Unidade de Gestão de Pessoas do seu órgão ou com a Central de Atendimento Sipec, no telefone 0800-978-9009. A central também pode ser acessada pela internet.

Leia Também:  PF faz operação contra lavagem de dinheiro do tráfico de drogas

Este foi o segundo alerta emitido nos últimos dias pelo órgão. Na sexta-feira (23), a secretaria havia descoberto um site falso, também hospedado no exterior, que coletava informações de usuários e senhas do Sistema de Gestão de Acesso do Governo Federal (Sigac).

O Sigac permite que gestores alterem dados do funcionalismo federal e também dá acesso ao Sigepe. Nesse sistema, os servidores federais do Poder Executivo (ativos e inativos), funcionários de estatais e pensionistas obtêm informações sobre contracheques e férias, baixam comprovantes do Imposto de Renda e atualizam ou alteram dados cadastrais.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Polícia

Polícia Federal investiga fraudes no fundo Postalis

Publicados

em


A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (17) a Operação Amigo Germânico. É para investigar “crimes de lavagem de dinheiro, organização criminosa, crimes contra o sistema financeiro nacional e corrupção” supostamente cometidos contra o Instituto de Previdência Complementar, fundo de pensão dos Correios (Postalis).

Cerca de 44 policiais federais cumprem 19 mandados de busca e apreensão pela Justiça Federal no Distrito Federal, Paraná e em São Paulo. Por determinação da justiça, foram bloqueados R$ 16 milhões dos investigados. O valor corresponde ao limite estimado de prejuízos causados ao Postalis.

“As investigações, em parceria com o Ministério Público Federal, apontam que foram criados quatro Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios Não Padronizados – Fidc NP e, em seguida, diversos ativos do Postalis foram reprecificados em valor diferente de zero, quando deveriam ter sido reavaliados a valor zero”, informou, em nota a Polícia Federal.

Segundo os investigadores, os prejuízos foram “previamente admitidos pelos alvos investigados”. A situação acabou por agravar o cenário já deficitário do instituto. “Os alvos respaldaram seus atos em pareceres jurídicos elaborados por pessoas que possuíam interesse direto na indicação das empresas que, posteriormente, seriam escolhidas como gestora e administradora dos recursos dos Fidc NP”, informou a PF.

Leia Também:  PF deflagra operação no Acre e Amazonas contra desmatamento ilegal, lavagem de dinheiro e outros crimes

Taxas de comissão

Empresas indicadas para a administração dos fundos de investimento teriam direcionado taxas de comissão com o propósito de dividir esses valores entre os responsáveis pela indicação, que, segundo a PF, também atuavam no aconselhamento técnico-jurídico do Postalis.

“Além disso, por meio de transações dissimuladas, também foram direcionadas vantagens indevidas a gestores da entidade de previdência complementar dos Correios”, completa a nota.

Se condenados, os envolvidos poderão responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira e corrupção passiva e ativa. As penas podem chegar a 42 anos de reclusão.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA