PORTO VELHO

Polícia

Policiais Militares que atuam no enfrentamento à covid-19 da região Central de Rondônia são vacinados

Polícia

 

Policiais militares, integrantes do novo grupo prioritário, foram vacinados no 2º BPM, em Ji-Paraná

 

O Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Saúde) e Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) está empenhado no combate à pandemia do coronavírus em território rondoniense. Tão logo recebe os imunizantes, já faz a distribuição às Regionais de Saúde para repassa aos municípios. Só na região Central do Estado, foram distribuídas 57.601 doses de vacinas contra a covid-19.

A última remessa, com 12.030 doses de vacina contra covid-19 entregue pelo Poder Executivo, por intermédio da Agevisa aos 15 municípios da região Central, foi realizada no domingo (4) para atender aos grupos prioritários da força de Segurança que atuam diretamente no enfrentamento à pandemia e idosos com idades entre 65 e 70 anos.

Nesta quinta-feira (8), 80 policiais militares, sendo 60 de Ji-Paraná, 10 de Ouro Preto do Oeste e 10 de Presidente Médici foram vacinados. A imunização dos PMs ocorreu em suas respectivas cidades de atuação. “O governador, coronel Marcos Rocha está empenhado no combate à pandemia em Rondônia. A vacina traz mais segurança, principalmente, ao policial que luta diariamente contra um inimigo invisível”, pontua Everton Esteves, o secretário regional de Governo em Ji-Paraná.

Leia Também:  REVISTA ÉPOCA DESTACA: BB deixa de identificar origem e destino de R$ 23 milhões e atrasa investigação contra senador Ivo Cassol

A atuação dos policiais ocorre em atividades de rádio patrulhamento e patrulha C-19, guarnição que apoia a Vigilância Sanitária municipal nas ações de fiscalizações, especialmente no combate as festas clandestinas e em outras denúncias em que pessoas podem estar contaminadas com o coronavírus sem mesmo saber. “O quantitativo ainda é insuficiente para imunizar a tropa que se enquadra nos critérios de atuação na linha de frente da pandemia. Contudo, a vacinação ocorrerá de acordo com a chegada de mais dosagens”, explica a capitã Gleiciane Benfica.

A exposição dos policiais em ambientes desconhecidos no dever de resguardar vidas gera vulnerabilidade para si, para a sociedade e, especialmente à própria família. “A vacinação é importante porque assegura a saúde do policial, já que eles lidam com pessoas suspeitas de estarem contaminadas o tempo todo. Eles devem ser priorizados porque estão no ‘front’ da batalha”, pondera major Frota, o comandante do 2º Batalhão, em Ji-Paraná, ao lamentar uma baixa no efetivo causada pela covid-19.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Polícia

PF desarticula organização criminosa responsável por planejar atentado contra policiais penais federais

Publicados

em

As investigações tiveram início em junho de 2.020, após um atentado frustrado contra a vida de um homem que se passava por policial penal federal

 

A Polícia Federal, em ação conjunta com o Departamento Penitenciário Federal (DEPEN), deflagrou na manhã desta quinta-feira (22) a Operação Onix, para desmantelar uma organização criminosa responsável por atentado contra a vida de servidores públicos federais em Porto Velho.

As investigações tiveram início em junho de 2.020, após um atentado frustrado contra a vida de um homem que se passava por policial penal federal, na cidade de Porto Velho, a mando de uma facção criminosa estruturada no Estado de São Paulo e que tem líderes presos em penitenciárias federais.

Após meses de investigação, a Polícia Federal conseguiu identificar diversos responsáveis pela organização do plano criminoso, tendo a 3ª Vara Federal de Porto Velho decretado a prisão preventiva de seis pessoas no Estado de Rondônia e deferido o pedido de busca em três imóveis.

A operação realizada em conjunto entre a Polícia Federal e o Depen representa uma resposta das forças de segurança contra os ataques planejados por facções criminosas no país, buscado responsabilizar todos aqueles que integrem organizações estruturadas para atentados contra o Estado e seus servidores.

Leia Também:  Operação do exercito e polícia federal

Os presos, após serem ouvidos na sede da Polícia Federal, deverão ser transferidos para penitenciária federal e responderão pelos crimes de tentativa de homicídio qualificado e organização criminosa, com penas que ultrapassam 18 dezoito anos de reclusão.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA