PORTO VELHO

Polícia

PRF ajuda andarilho Norte Americano dado como desaparecido a encontrar familiares no Canadá

Publicados

Polícia

 

Um norte-americano de 38 anos, confuso, sem saber falar português ou dizer ao certo seu nome, colocou sua vida em risco ao caminhar em meio aos veículos que transitavam na BR 364, em Ji-Paraná(RO). Detido pelos Agentes da Polícia Rodoviária Federal(PRF) ele foi hospitalizado em Porto Velho/RO, onde fugiu seguindo rumo a Manaus/AM
Na tarde de segunda-feira (28.11.16), a equipe da PRF foi acionada por populares para conter um indivíduo, que visivelmente transtornado e proferindo palavras desconexas e xingamentos, estava colocando sua vida em risco na rodovia. A equipe de plantão da PRF constatou o comportamento anormal do andarilho e o deteve encaminhando-o a Polícia Federal em virtude do mesmo dizer ser Canadense, não portar documentos e não falar português. O Canadense não soube dizer seu sobrenome ou de onde vinha, apenas chamar-se Anton. Diante do seu estado o Canadense foi encaminhado para o Hospital local e de lá encaminhado ao do Hospital de base em Porto Velho/RO.
Porém no dia 13.12.2016, os Agentes da PRF tiveram a informação que o estrangeiro teria sido visto na Br 230, em Humaitá/AM se dirigindo rumo a Manaus/AM.
Sensibilizados com o estado de vulnerabilidade que o homem apresentava, os PRFs entraram em contato com a Embaixada Canadense repassando o primeiro nome, as características físicas e a foto dele na esperança de que talvez familiares estivessem a sua procura ou pudesse ser identificado em algum grupo de desaparecidos naquele Pais. Em tempo, foi repassado também aos colegas PRFs de Manaus a informação do andarilho para o caso dele chegar em Manaus/AM.
A Embaixada Canadense informou a PRF que se tratava de Anton Y. Pilipa, 38 anos de idade, dado como desaparecido desde 2012. E, no inicio da tarde de terça-feira(03.01.2017), os Agentes da PRF, avistaram o Canadense em Manaus(AM), próximo a bola da Suframa, aparentando bastante desorientado, confuso e falando palavras desconexas. Sabendo agora que se tratava de um estrangeiro desaparecido a equipe de pronto encaminhou a ocorrência para a Polícia Federal para que fosse encaminhado à embaixada canadense e recebesse a assistência devida.
O irmão do Canadense ao receber notícias de que seu familiar havia sido encontrado e que estava sendo medicado, entrou em contato com a PRF em Ji Paraná/RO, agradecendo imensamente o apoio e o empenho de ajudar dos PRFs. Anton segundo o seu irmão, se dedicava a prestar assistência a pessoas pobres antes de ficar doente. O seu irmão ressaltou, que nos últimos anos chorava, literalmente, o desaparecimento de seu querido irmão. Agora ele virá ao Brasil para reencontrar Anton, que a muito tempo não tinha notícias.
Diante dos fatos, a PRF fica feliz por poder de alguma forma participar de mais uma história com final feliz. Finalmente o homem de 38 anos, que vagava em situação de risco, pelas estradas do Brasil, a quase 5 anos, poderá estar com os seus, recebendo os cuidados dos quais necessita.

Leia Também:  MP vai investigar acúmulo de cargos de servidor que atua como policial civil no Acre e militar em Rondônia

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
1 comentário

1 comentário

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Polícia

“Operação Urgência”: dispersa aglomerações na 6ª noite de atuação; equipes vistoriam todas as regiões de Porto Velho

Publicados

em

 

O Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec), realizou na noite do sábado (10) a 6ª etapa da “Operação Urgência”, cuja finalidade é garantir o cumprimento do Decreto nº 25.940, de 30 de março de 2021, que visa conter o avanço da covid-19 no Estado. A operação acontece de forma simultânea em todas as regiões da Capital, Porto Velho, onde o que já se observa é que a população está começando a voltar à rotina da vida noturna, mesmo sem o controle efetivo da doença. Em passagem pela zona Leste, região mais populosa, foi possível notar o funcionamento de inúmeros bares e lanchonetes fora do horário e dos padrões estipulados pelo decreto estadual, com venda de bebidas alcoólicas fora do período temporariamente estabelecido.

Outro fator que tem preocupado as autoridades públicas é o grande número de denúncias relatando festas clandestinas em residências ou pontos afastados da Capital. As equipes que estavam em campo na noite do sábado checaram inúmeras denúncias do tipo e constataram o grande número de pessoas que estão desrespeitando as medidas de distanciamento social, ignorando a necessidade do uso de máscaras e medidas de prevenções sanitárias.

Leia Também:  Governo de Rondônia realizará em Rolim de Moura audiência pública para debater o Plano Plurianual 2020-2023

Uma festa de aniversário foi interrompida por uma das equipes de profissionais envolvidas na operação e que percorreu a zona Leste. Pelo menos 15 pessoas estavam na residência, a maioria delas sem máscara. O dono do imóvel argumentou dizendo que os presentes eram membros da mesma família, contudo, todo tipo de evento que cause aglomeração está suspenso temporariamente, a fim de se quebrar o ciclo de contágio do coronavírus. Parte do grupo deixou a festa a pé, pois a maioria estava dirigindo e mesmo assim os motoristas consumiram bebidas alcoólicas durante a reunião.

Um bar muito popular na mesma região também foi autuado. Como é praxe deste estabelecimento, no local estava acontecendo venda de bebidas alcoólicas, funcionamento fora do horário temporariamente estabelecido e a maioria dos clientes não utilizava máscara. O bar teve que fechar suas portas e mais um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) foi registrado em desfavor da gerente.

VÍRUS NÃO FAZ DISTINÇÃO

É importante lembrar que o ciclo de contaminação do vírus não respeita nada. Logo, pouco importa reunir apenas a família ou um grupo de amigos mais próximo. Independentemente de quem esteja na aglomeração, se houver uma única pessoa infectada ela pode transmitir a doença pra várias pessoas que estão no mesmo ambiente, as quais se tornam multiplicadoras da doença, causando estresse sobre a rede de saúde, filas de pessoas à espera de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), além de morte e dor às famílias.

Leia Também:  OPERAÇÃO MONEDA: PF combate falsificação de dinheiro em SP que era enviado a RO

EQUIPE

As operações de fiscalização são realizadas sob a coordenação do Corpo de Bombeiros Militar (CBM), juntamente com a Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), com o apoio da Polícia Militar (PM), Polícia Civil (PC), Superintendência Estadual de Comunicação (Secom), do Programa de Orientação, Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) e da Prefeitura de Porto Velho, por meio do Departamento de Vigilância Sanitária, Secretaria Municipal de Fazenda (Semfaz) e Departamento Estadual de Trânsito (Detran) com a equipe de fiscalização da Lei Seca. Essa já é 43ª etapa de operações, sendo a 38ª desse ano de 2021.

BALANÇO

De acordo com relatório produzido pelo Corpo de Bombeiros Militar, na etapa deste sábado, obteve-se o seguinte resultado: 77 estabelecimentos vistoriados, dos quais 62 estavam sem funcionamento; foram feitas três notificações, um TCO, 10 orientações, três estabelecimentos estavam em condições regulares, duas aglomerações foram dispersadas e duas autuações lavradas.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA