PORTO VELHO

Polícia

Veja o nome das advogadas presas acusadas de lavar dinheiro para o PCC

Polícia

A Polícia Civil, em cumprimento a mandados de prisões e buscas determinadas pela justiça paulista em operação contra crimes de lavagem de dinheiro da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) com atuação no Brasil e em países vizinhos, prendeu nesta quarta-feira, em Porto Velho (RO), três advogadas suspeitas de atuarem criminosamente.

Foram confirmadas as prisões de:

Marisâmia Aparecida de Castro Venâncio

Gabriela Silva Ximenes

Kelly Michele de Castro

A advogada Patrícia Muniz também foi alvo de mandados, mas não conseguimos a confirmação se ela foi presa ou apenas sofreu buscas.

Ao todo, são cumpridos 13 mandados de prisão e 23 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo juiz Ulisses Augusto Pascolati Júnior, da 2ª Vara Especializada em Crimes Tributários, Organização Criminosa e Lavagem de Bens e Valores.

LEIA MAIS: Tem em RO: MP de SP cumpre mandados de prisão contra advogados suspeitos de levar informações a chefes de facção criminosa presos

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  PF deflagra operação contra extração de madeira em terras indígenas
Propaganda

Polícia

PF faz operação contra corrupção de funcionários da Petrobras

Publicados

em

 

Policiais federais cumprem hoje (18) três mandados de busca e apreensão contra suspeitos de corrupção e lavagem de dinheiro na antiga Diretoria de Abastecimento da Petrobras. Os mandados da operação Sem Limites VI foram expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba (PR).

A ação de hoje é um desdobramento da Operação Sem Limites que investigou a prática de crimes envolvendo a negociação de óleos combustíveis entre a estatal e empresas estrangeiras.

Os novos mandados expedidos pela Justiça buscam colher provas sobre corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa por novos suspeitos.

Um deles seria ligado a um ex-gerente da Petrobras, que seria responsável por receber recursos de corrupção no exterior, por meio de contas em nome de empresas registradas em outros países. Segundo a Polícia Federal (PF), esse dinheiro era depois distribuído aos envolvidos no esquema criminoso.

Também foram identificados um representante de empresas internacionais e dois homens ligados a um ex-funcionário da área comercial da Petrobras, que seria o responsável por dar informações privilegiadas sobre negociações da estatal.

Leia Também:  PF investiga desvios de recursos da merenda escolar no Tocantins

A PF não informou o período em que funcionou o esquema.

Por meio de nota, a Petrobras informou que colabora com as investigações desde 2014, é coautora de 21 ações de improbidade administrativas que estão em andamento e é assistente de acusação em 76 ações penais relacionadas a crimes investigados pela Operação Lava Jato.

“A Petrobras é vítima dos crimes desvendados pela Operação Lava Jato, sendo reconhecida como tal pelo Ministério Público Federal e pelo Supremo Tribunal Federal”, diz a nota. “Cabe salientar que a Petrobras já recebeu mais de R$ 5,7 bilhões, a título de ressarcimento, incluindo valores que foram repatriados da Suíça por autoridades públicas brasileiras”.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA