PORTO VELHO

Porto Velho

Auditoria na folha de pagamentos vai apontar lançamentos indevidos

Publicados

Porto Velho

FGV foi a instituição escolhida para verificar inconsistências das informações que inflam despesas com pessoal

As informações inseridas na folha de pagamento dos cerca de 13 mil servidores municipais são consistentes? Certo é que há dúvidas e suspeitas. Para desvendar esse questionamento, o prefeito dr Hildon Chaves decidiu contratar a Fundação Getúlio Vargas (FGV) para fazer uma “análise de conformidade” na folha, o que no fundo se trata da auditoria que o prefeito prometia que faria assim que assumisse o mandato, em janeiro.

Na tarde de quinta-feira (19) o prefeito Hildon Chaves, acompanhado dos secretários Luiz Guilherme Erse (planejamento), Alexei Oliveira (administração) e Luiz Fernando Martins (fazenda) se reuniram com um grupo de técnicos da FGV para tratarem das dúvidas que envolvem não só a folha, como também dívida ativa e outras aspectos relacionados à economia, gestão financeira e gestão de recursos humanos.

Desde a campanha eleitoral que o prefeito reclama do alto valor da folha de pagamento. Dr Hildon desconfia que pode haver um inchaço artificial. Já o secretário da Administração, Alexei Oliveira, é mais pragmático. Segundo ele, o trabalho da FGV pode ajudar a reduzir os gastos com a folha em percentuais entre 5 a 10%, ou uma economia de algo em torno de R$ 3 a 6 milhões mensais.

O prefeito dr Hildon foi buscar na FGV, instituição setentenária com a maior expertise na área de modernização da gestão, soluções inteligentes para ajustar o foco e acabar com as distorções. De acordo com Alexei Oliveira, o trabalho inclui submeter as informações contidas na folha a um detalhado filtro para verificar o pagamento de gratificações, horas extras, abonos, periculosidade, insalubridade, etc.

Mais adiante, depois do diagnóstico prévio, se houver necessidade a prefeitura realizará um recadastramento geral de todos seus servidores para se saber exatamente quantos são, quem são e aonde estão. “Precisamos de urgência nessa análise. Estamos perdendo dinheiro todos os dias”, advertiu o prefeito.

Liderada pelo consultor José Eduardo de Vasconcellos Quintella a equipe da FGV estava composta ainda por Vanderlei Lopes Correa, Ronaldo Patrício, Fernando Quintela e Fernanda Badolate.

Texto e fotos Comdecom

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Agricultura familiar diz não ao retrocesso de direitos
Propaganda

Porto Velho

COVID-19 – Prefeitura apresenta balanço da Operação Argos III

Publicados

em


Equipe fiscalizou mais de uma centena de estabelecimentos comerciais de Porto Velho

A fiscalização é para garantir o cumprimento das restrições do decretoUma força-tarefa composta órgãos fiscalizadores da Prefeitura de Porto Velho, policiais militares e bombeiros militares realizou, sábado (10), a 3ª edição da Operação Argos. No total, 115 estabelecimentos comerciais foram visitados. O grupo atua para sensibilizar o comércio local quanto ao cumprimento das restrições relacionadas ao controle a pandemia de Covid-19.

A equipe percorreu algumas das principais avenidas da cidade como Sete de Setembro, Nações Unidas, Amazonas e José Amador dos Reis. Foram feitas orientações em 105 estabelecimentos, além de sete notificações e quatro autuações por motivos variados.

A atuação da força-tarefa de servidores da Prefeitura de Porto Velho é parte do cumprimento das medidas de restrição ao funcionamento de estabelecimentos comerciais previstas em legislação especifica.

“A fiscalização é feita para que não seja necessário ampliar o período de restrições ou fechar o comércio durante a semana. É ruim para economia, pior ainda para as vidas que são perdidas no decorrer da pandemia”, justifica o diretor do Departamento de Fiscalização da Secretaria Municipal de Fazenda (Semfaz), Huéliton Mendes.

Leia Também:  “Temos diamantes e ouro saindo de forma ilegal”, denuncia governador de RO na ExpoAcre

A fiscalização vai permanecer enquanto durar a vigência dos decretos Mendes destaca que a sociedade precisa colaborar seguindo as regras impostas pelas autoridades sanitárias e que a classe empresarial também precisa ajudar o poder público neste momento.

Segundo a Semfaz, a fiscalização vai permanecer enquanto durar a vigência dos decretos que tratam do isolamento social controlado.

OPERAÇÃO

A Operação Argos é coordenada pelo Setor de Fiscalização da Semfaz e tem apoio do Departamento de Postura Urbana da Secretaria Municipal de Serviços Básicos (Semusb), Corpo de Bombeiros Militar, Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), além do apoio da Polícia Militar.

Texto: Etiene Gonçalves
Fotos: Leandro Morais

Superintendência Municipal de Comunicação (SMC)

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA