PORTO VELHO

Porto Velho

Prefeito discute compensações com presidente de hidrelétrica

Porto Velho

Numa reunião que se estendeu por quase duas horas, da tarde de terça-feira (18) até o início a noite, o prefeito de Porto Velho, dr Hildon Chaves cobrou do presidente da Santo Antonio Energia, Eduardo de Melo Pinto, o investimento de mais recursos a título de compensação socioambiental. O prefeito considera que a hidrelétrica ainda tem um grande passivo, principalmente com relação ao distrito de Jacy-Paraná, localidade que mais sofreu com impactos diretos sociais e ambientais, além da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, já que a usina firmou compromisso de reativação do trecho da ferrovia até Santo Antonio, num percurso de sete quilômetros.

O presidente da hidrelétrica Santo Antônio Energia (SAE), Eduardo Melo atribuiu à usina de Jirau a culpa pelos impactos sociais em Jacy-Paraná, que foi o distrito que abrigou a maioria dos trabalhadores na obra de Jirau. Em 2000, a população do distrito era de 2.214 habitantes. Em 2014, era de 15 mil moradores. Com o fim das obras, a população voltou a cair vertiginosamente.

Melo disse que dos R$ 65 milhões acertados para compensação para Porto Velho, ao final da obra, os investimentos já somavam R$ 93 milhões, contudo, para o prefeito dr Hildon Chaves, o resultado efetivo teve pouca relevância, já que predominaram investimentos em reforma e ampliação de escolas, de postos de saúde, ações de combate à malária, doação de carros e equipamentos e, praticamente, nada em infraestrutura.

Leia Também:  Sejus irá capacitar policiais penais para implantar GAPE na comarca de Guajará-Mirim

A promotora de Habitação, Urbanismo e Patrimônio Histórico do Ministério Público, Flávia Barbosa Shimizu Mazzini, que participou da reunião, observou que no vácuo dos dois empreendimentos hidrelétricos (Jirau e Santo Antônio), Jacy-Paraná “está se tornando uma cidade fantasma”. Ao destacar que a SAE coleciona uma série de ações na justiça, a promotora criticou o remanejamento sem planejamento de moradores em Jacy, disse que muitos foram transferidos para locais encharcados, cujas moradias estão comprometidas, outros foram levados para terras inférteis e enfatizou ainda a falta de um programa de geração de empregos para os moradores do distrito.

Tanto para a promotora do MP quanto para o prefeito, a situação dos moradores de Jacy é dramática e exige uma solução. Dr Hildon cobrou uma compensação no valor de pelo menos R$ 12 milhões para investimento em infraestrutura no distrito, principalmente para drenagens profundas e superficiais, asfaltamento, calçadas, sarjetas e meio fio.

Eduardo Melo informou que tanto no protocolo de intenções para a construção da usina, assim como nas audiências públicas para discutir os impactos, não foi assumida nenhuma responsabilidade de compensação para Jacy Paraná. Segundo ele, os impactos foram apenas no reservatório e todos moradores afetados foram indenizados. Ele admitiu, contudo, “problemas em consequência de decisões equivocadas no passado”.

Leia Também:  #OABRO: Conheça as propostas da chapa Advocacia em Primeiro Lugar para as mulheres advogadas e melhor prestação jurisdicional

O prefeito cobrou ainda cerca de R$ 20 milhões para revitalização da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. Dr Hildon pediu a reativação do trecho da estrada de ferro até a antiga Cachoeira de Santo Antônio, conforme compromisso firmado pelo consórcio construtor da usina ainda no começo das tratativas das compensações, mas o presidente da hidrelétrica insistiu na tese da instabilidade geológica do trecho que margeia o Rio Madeira, principalmente depois da cheia de 2014. Segundo ele, corre-se o risco de fazer um investimento alto e pouco tempo depois o desbarrancamento do rio levar água abaixo todo o trabalho feito.

Ao final da reunião, o presidente da hidrelétrica deixou o gabinete com a missão de expor aos acionistas da hidrelétrica o pleito de liberação de mais R$ 32 milhões a título de compensações, sendo R$ 20 milhões para a EFMM e outros R$ 12 milhões para infraestrutura em Jacy-Paraná. Ele ficou de dar uma resposta em breve.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Porto Velho

CONSCIENTIZAÇÃO – Programação da Semana Nacional de Trânsito terá simulação com resgate aéreo em Porto Velho

Publicados

em


O intuito é conscientizar a população sobre os perigos no trânsito

Ações são voltadas para a promoção de um trânsito mais seguroEm decorrência da Semana Nacional de Trânsito, que acontece entre os dias 18 e 25 de setembro, a Prefeitura Municipal de Porto Velho realiza diversas atividades educativas com o intuito de conscientizar a população sobre a prevenção de acidentes no trânsito.

Nesta quinta-feira (23), agentes da Secretaria Municipal de Trânsito, Mobilidade e Transportes (Semtran), Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Corpo de Bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Polícia Rodoviária Federal, Câmara de Dirigentes Logistas (CDL) e demais parceiros, estarão no Espaço Alternativo de Porto Velho, das 15h30 às 20h, executando uma simulação de acidente envolvendo poste de energia elétrica e resgate aéreo.

“Para conseguirmos reduzir acidentes, primeiro temos que orientar e, depois, entrar com a parte ostensiva, educando e mostrando para as pessoas que todas fazem parte do trânsito, motoristas de carros, pedestres, motociclistas e ciclistas”, explicou Bruna Biet Burak, gerente da Divisão de Treinamento e Educação para o Trânsito.

Ainda em continuidade à Semana do Trânsito, na sexta-feira (24), acontece uma blitz educativa na avenida Jatuarana, das 8h às 12h. No domingo (26), das 7h às 13h, acontece o encerramento na Praça da Pirâmide, também na avenida Jatuarana.

Leia Também:  Após 28 anos de espera, servidores da Educação receberão R$ 679 milhões em precatórios

Texto: Carlos Sabino
Foto: Saul Ribeiro

Superintendência Municipal de Comunicação (SMC)

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA