PORTO VELHO

Brasil

Prova de vida passará a ser responsabilidade do INSS

Brasil

Procedimento essencial que garante o pagamento de aposentadorias e pensões, a prova de vida deixará de ser feita pelo segurado. De agora em diante, caberá ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) fazer a comprovação por meio de cruzamento de dados.

A determinação consta de portaria assinada hoje (24) pelo ministro da Previdência, Carlos Lupi, durante evento que comemorou os 100 anos da Previdência Social.

Com a medida, o INSS terá dez meses, a partir da data de aniversário do beneficiário, para comprovar que o titular está vivo. Se o órgão não conseguir fazer a comprovação nesse período, o segurado ganhará mais dois meses para provar que está vivo. Nesse caso, o beneficiário será notificado pelo aplicativo Meu INSS, por telefone pela Central 135 e pelos bancos para identificar-se e informar o governo.

Segundo o ministro, o novo sistema é mais justo com os segurados porque evita o sacrifício de idosos com dificuldades físicas. “Por que o cidadão tem que provar que está vivo, e não o INSS? Muitos não têm condições físicas ou quem os leve a um posto ou banco para provar a sua vida”, questionou.

Leia Também:  Obras avançam e Vila Reencontro Anhangabaú será entregue neste mês

Apesar de deixar de ser obrigatória para o beneficiário, a não ser após o cruzamento de dados não revelar nada, a prova de vida pode continuar a ser feita pelo segurado. Basta ele seguir os procedimentos tradicionais, indo a uma agência bancária ou se manifestando no aplicativo Meu INSS.

O Ministério da Previdência divulgou estatísticas sobre a prova de vida. Neste ano, o órgão deverá comprovar a situação de cerca de 17 milhões de benefícios, entre aposentadorias, pensão por morte e benefícios por incapacidade.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Brasil

Bolsonaro liga para aliados e pede votos contra o PT no Senado

Publicados

em

O ex-presidente Jair Bolsonaro falando ao celular no início do mandato
Isac Nóbrega/PR – Jan/2019

O ex-presidente Jair Bolsonaro falando ao celular no início do mandato

Jair Bolsonaro entrou de cabeça na campanha de Rogério Marinho à presidência do Senado, que tem votação marcada para quarta-feira, quando também será escolhido o presidência da Câmara.

Desde a última sexta-feira, de acordo com informações publicadas pelo jornal “O Estado de São Paulo”, o ex-presidente, que ainda está na Flórida, passou a telefonar para aliados pedindo que votem em Marinho e, principalmente, “contra o PT”. 

Na eleição, o ex-ministro do Desenvolvimento Regional, Marinho vai enfrentar o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que é candidato à reeleição e concorre com o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do PT. Outro candidato é o senador Eduardo Girão, visto como linha auxiliar de Marinho.

Para ser eleito, o candidato precisa de 41 votos. A expectativa é que, neste sábado, o Centrão, formado por PP, PL e Republicanos, oficialize o bloco pró-Marinho. Os três partidos reúnem 23 senadores.

Mesmo assim, Rodrigo Pacheco, segue favorito. Porém, por se tratar de uma votação fechada, o temor é grande por “traições” de ambos os lados.

Leia Também:  Coluna de Cinema traz dicas para o final de semana do Dia dos Pais

No momento, principal missão de Bolsonaro é tentar virar votos de aliados que podem apoiar Rodrigo Pacheco, como Romário (PL-RJ) e Wellington Fagundes (PL-MT). 

Fonte: IG Nacional

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA