PORTO VELHO

Política

Rondônia recebe a terceira remessa de imunizantes pediátricos contra a covid-19

Política


São 16.000 doses da Pfizer, nessa terceira remessa, que serão usadas na imunização de crianças do Estado

O Governo do Estado de Rondônia recebeu nesta terça-feira (25), por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), mais um lote das doses de vacinas pediátricas. São 16.000 doses da Pfizer, nessa terceira remessa, que serão usadas na imunização de crianças do Estado.

Com essas últimas doses enviadas pelo Ministério da Saúde (MS), Rondônia contabiliza 3.127.338 doses de vacinas contra a covid-19, sendo:

• CORONAVAC – 721.648;
• ASTRAZENECA – 919.150;
• PFIZER – 1.382.940;
• JANSSEN – 64.400;
• PFIZER PEDIÁTRICA – 39.200.

“O Governo do Estado vem se empenhando em fazer a distribuição das vacinas, o mais rápido possível, para que todas as nossas crianças sejam imunizadas”, declara Edilson Silva, diretor executivo da Agevisa.

A vacinação de crianças segue de forma regressiva e atualmente dá-se prioridade aos pacientes com comorbidades, ou crianças sem comorbidades e que tenham 11 ou 10 anos. Essa faixa etária deve mudar de acordo com os próximos lotes recebidos, que possibilitarão com que a vacinação atenda um número maior de pessoas.

Leia Também:  Laerte Gomes e Marcos Rogério discutem regularização fundiária em Rondônia com ministra da Agricultura

“Recebemos os lotes enviados pelo Ministério da Saúde, que serão distribuídos às seis Regionais de Saúde, o mais breve possível. As Regionais irão realizar o envio aos municípios, conforme a população de cada um deles, segundo levantamento que está sendo finalizado”, declara Ivo Barbosa, coordenador estadual de Imunização da Agevisa.

O Governo de Rondônia convida os pais e/ou responsáveis para que possam iniciar o esquema vacinal de seus filhos, visando à importância da imunização. Dessa forma, a população que deseja receber sua dose de vacina, basta se direcionar à uma Unidade Básica de Saúde mais próxima.

É importante que a pessoa que vai ser vacinada esteja atenta à data de retorno à Unidade de Saúde, que está registrada no cartão. “Lembrando que o intervalo preconizado entre a primeira e segunda dose, para todas as vacinas no estado de Rondônia, é de 28 dias. Quanto à dose de reforço (terceira dose), o intervalo é de quatro meses após a segunda dose, e de 28 dias para as pessoas imunossuprimidas”, observa o diretor Edilson Silva.

Leia Também:  Balanço: 84 casos suspeitos de coronavírus estão sendo monitorados nesta quinta em Rondônia

SINTOMAS E VACINAÇÃO

O diretor também alerta que tendo em vista a incidência de síndromes gripais, incluindo a influenza, se qualquer pessoa apresentar sintomas, ou notar a presença de febre nas últimas 24 horas é indicado o adiamento da vacinação até a resolução do quadro. E para aqueles expostos à covid-19, que testaram positivo ou tiveram contato com algum paciente infectado, a recomendação é de que mantenham pelo menos 10 dias de isolamento, antes de realizarem a sua imunização.

“Enquanto o vírus estiver em circulação, e não tenhamos alcançado toda a população vacinável, para evitar o aumento do número de casos mais graves e de óbitos, ainda é necessário que além de tomar as doses recomendadas, deve-se continuar mantendo as medidas de prevenção, como o distanciamento social, usar máscaras e higienizar sempre as mãos com água e sabão ou álcool em gel, e não se esquecer de higienizar também seus objetos de uso pessoal e produtos comercializados”, finaliza o diretor.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Presidente Alex Redano repudia invasão à fazenda, que gerou mais de R$ 5 milhões de prejuízo

Publicados

em

Deputado cobrou apuração e punição aos grupos criminosos que levam terror ao campo

O presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos), repudiou as recentes invasões que grupos criminosos estão promovendo em propriedades rurais, gerando um clima de tensão no campo que precisa ser combatido, para que essas organizações criminosas, armadas, treinadas e perigosas, deixem de atuar contra quem trabalha e produz.

O deputado manifestou a sua indignação com os ataques contra as Fazendas Norbrasil e Arco-Íris, no distrito de Nova Mutum Paraná, em Porto Velho, onde bandidos invadiram a propriedade, atearam fogo na casa sede, em currais, máquinas, tratores, implementos, ração e veículos, além de matarem cabeças de gado, promovendo um clima de terror entre os trabalhadores e gerando um prejuízo estimado inicialmente em R$ 5 milhões, somente na Norbrasil.

“Fomos informados de que no última dia 29 (terça), um grupo de invasores adentrou a área da fazenda Norbrasil, ateando fogo em toda a estrutura de curral e na casa sede, queimando veículos, máquinas, implementos, tratores, ração e outros objetos, gerando um clima de terror entre os trabalhadores e proprietários, além de um prejuízo estimado em R$ 5 milhões”, disse Redano.

Leia Também:  Balanço: 84 casos suspeitos de coronavírus estão sendo monitorados nesta quinta em Rondônia

Segundo o deputado, a informação é de que a área da fazenda é documentada há décadas, sendo produtiva e atuando de forma legal na produção agropecuária, mas tem sido vítima de ataques por parte de um grupo que leva o terror para a região: a Liga dos Camponeses Pobres (LCP). É preciso identificar e punir a esses criminosos, pois Rondônia não é terra sem lei”.

Alex Redano pediu que o Governo, através da Secretaria de Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec), proceda ações efetivas para coibir a prática criminosa desse grupo, além de punir quem praticou os atos de invasão e depredação do patrimônio privado.

As duas fazendas vem sendo alvos de seguidos e violentos ataques, inclusive até a morte de um capataz já foi registrada e até agora ninguém foi punido. Os invasores já teriam desmatado mais de 10 mil hectares da área de reserva da fazenda, e também na área da zona 2.1 de zoneamento socioeconômico ecológico de Rondônia, estabelecido na lei estadual 233/2000.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA