PORTO VELHO

Rondônia

Assistência ortopédica no João Paulo II reforça ações; nos últimos quatro meses foram mais de quatro mil atendimentos

Rondônia

Média de atendimento de pacientes graves é de mais de mil cirurgias por mês no João Paulo II

O Hospital e Pronto-Socorro João Paulo II é referência em traumas no Estado de Rondônia e recebe pacientes de  todos os 52 municípios do Estado,  e até de país vizinhos, como a Bolívia, o que mobiliza profissionais de saúde. Nos últimos quatro meses, no Hospital João Paulo II foram realizados 4.019 atendimentos ortopédicos de urgência e emergência, o que corresponde a atendimentos de mais de mil pacientes graves por mês. Vidas que contaram com o apoio da equipe técnica especializada, que empenha suas funções com dedicação e rapidez, imprescindíveis nas ações de urgência e emergência.

O diretor-geral do hospital, Madson Albuquerque, ressalta que a agilidade nos procedimentos de urgência e emergência é essencial para que o quadro do paciente não piore ou represente risco de morte.

“O atendimento imediato é fundamental para tratamentos bem-sucedidos, aumentando a sobrevida dos pacientes, reduzindo o tempo de internação e possíveis sequelas.  Tempo é vida”, pontua Madson Albuquerque.

Os pacientes demonstram compreender a relevância da agilidade nas intervenções. Renato Pereira Lobato, de 32 anos, sofreu um acidente e teve fratura exposta na perna esquerda. Comenta como foi o atendimento na unidade de saúde. “Sofri um acidente na BR e me encaminharam para o João Paulo ll. Quando cheguei aqui, rapidamente fui submetido a exames e assim que saíram os resultados encaminhado para a sala de cirurgia; empenhados, os médicos concluíram e agora estou aguardando a segunda operação. Sigo recebendo os cuidados necessários, espero melhorar logo”, conta Renato Lobato.

Leia Também:  Rolim de Moura receberá carreta da hanseníase em agosto para realização de exames

A lojista Rayra Nascimento, de 21 anos, sofreu um acidente de moto, teve fratura no fêmur. Deu entrada no Pronto-Socorro João Paulo II na noite de terça-feira (17). Conta como está sendo a experiência no hospital. “O processo para vir até o hospital foi rápido; fiz os exames e aguardei pela operação, tudo ocorreu bem e agora estou em processo de recuperação, continuo recebendo todo o cuidado necessário”, afirma.

TRANSFERÊNCIA

Visando contribuir com o fluxo no atendimento oferecido na Rede Pública Estadual de Saúde, o Governo de Rondônia iniciou no mês de maio, uma força-tarefa para transferir pacientes internados no Pronto-Socorro João Paulo II para outras unidades hospitalares da Capital.

Entre elas estão, o Hospital de Campanha de Rondônia, que atualmente funciona como retaguarda do João Paulo II; o Hospital Santa Marcelina e o Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro – HBAP.

FALE CONOSCO

Para aprimorar o contato com a população é importante que as sugestões, denúncias ou solicitações sejam dirigidas à Ouvidoria da Sesau, pelos telefones 0800-647-7071 (até às 13h); (69) 98482-1370/(69) 3212-8300, ou pelo e-mail [email protected].

Leia Também:  Faculdade Porto FGV realizará XV Colóquio Paulo Freire para debater a práticas de ensino em séries iniciais
Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Rondônia

82,3% das viagens dos rondonienses foram por motivos pessoais

Publicados

em

O suplemento de Turismo da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) mostra que, em 2021, das 68 mil viagens feitas por rondonienses, 82,3% foram por motivos pessoais e 17,7% por motivos profissionais. Os percentuais são semelhantes aos apresentados em 2019: 80,5% por motivos pessoais e 19,5% por motivos profissionais.Por local de hospedagem, a casa de amigo ou parente foi a principal instalação, representando 45,9% das viagens ocorridas em 2021. Em todo o Brasil, a casa de amigo ou parente também foi a principal acomodação, sendo 42,9% de todas as viagens.A pesquisa aponta também que, das viagens realizadas pelos rondonienses por motivo pessoal, 23 mil (42,1%) foram para visita ou eventos de familiares e amigos, 17 mil (30,3%) para tratamento de saúde ou consulta médica, dez mil (18,1%) para lazer e cinco mil (9,4%) tiveram outros motivos.Ao comparar as informações da pesquisa nos anos de 2019 e 2021, percebe-se que as viagens com carro particular ou da empresa passaram a corresponder a mais da metade dos veículos utilizados. Em 2019, as viagens com carro particular ou de empresa representaram 36% do total. Já em 2021, este percentual foi de 56,8%.Em relação ao número de domicílios em que houve viagem, a PNAD Contínua aponta que, no ano de 2019, ocorreram viagens em 17,4% dos domicílios rondonienses enquanto que, em 2021, este índice foi de 9,3%.Nos domicílios em que nenhum morador viajou em 2021, foi questionado sobre o motivo, sendo que os mais recorrentes foram: não ter necessidade (29,1%), não ter dinheiro (19,7%) e não ser prioridade (19,3%). Estes índices foram diferentes dos indicados em 2019: em 43,5% dos domicílios que nenhum morador viajou o motivo foi por não ter dinheiro; 17,5% não ter tempo e 17,5% não ter necessidade. 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA