PORTO VELHO

Rondônia

Ipem reforça fiscalização em postos de combustíveis e estabelecimentos comerciais de Rondônia

Rondônia


Município de São Francisco do Guaporé registrou o maior número de bombas medidoras reprovadas

O Governo de Rondônia, por meio do Instituto de Pesos e Medidas de Rondônia (Ipem), realizou um balanço das as ações de fiscalização executadas no Estado no período de 17 a 28 de maio. De acordo com o levantamento, foram reprovadas: 57 bombas medidoras de combustível; 21 balanças comerciais de supermercados: nove impressoras de etiquetas de preços: além de cinco irregularidades na aferição do volume de combustível.

A atividade do Ipem tem o intuito de evitar que o consumidor seja lesado no ato da compra de determinadas mercadorias, seja em supermercados, postos de combustíveis, indústrias e demais estabelecimentos comerciais. Nas fiscalizações em postos de combustíveis em Rondônia, o município de São Francisco do Guaporé aparece em primeiro lugar com 16 bombas medidoras reprovadas, seguido por Seringueiras com 10 reprovações; e Ji-Paraná com sete irregularidades. Também aparecem na relação de reprovações as cidades de Alta Floresta do Oeste, Guajará-Mirim, Machadinho D’Oeste, Nova Brasilândia D’Oeste, Nova Mamoré, São Miguel do Guaporé, Theobroma e Vilhena. Dentre as irregularidades encontradas estão: vazamento de combustível, vazão baixa da bomba, bombas com LED queimado e ainda mangueiras quebradas.

Leia Também:  Edição 383 - Boletim diário sobre coronavírus em Rondônia

Nas ações em balanças comerciais, foram constatadas 12 infrações no município de Alta Floresta do Oeste, sete em Pimenta Bueno, uma em Espigão D’Oeste e outra em Nova Mamoré. Já os problemas encontrados em impressoras de etiquetas de preços foram constatados todos em Alta Floresta do Oeste com oito irregularidades. “A intenção é intensificar o trabalho com ações rotineiras por todo Estado garantindo com que se cumpram as normas do Instituto de Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), assim como atendendo à solicitação do governador, Marcos Rocha. Com isso, estamos garantindo com que o consumidor possa adquirir o que realmente está comprando nos estabelecimentos e promovendo uma concorrência justa entre as empresas”, destacou o presidente do Ipem, Aziz Rahal Neto.

Em duas semanas de intensas ações, 1.071 instrumentos foram verificados pelas equipes de fiscalização do Ipem em 16 municípios, dentre eles: Alta Floresta do Oeste, Espigão D’Oeste, Guajará-Mirim, Ji-Paraná, Machadinho D’Oeste, Nova Brasilândia D’Oeste, Nova Mamoré, Pimenta Bueno, Porto Velho, São Francisco do Guaporé, São Miguel do Guaporé, Seringueiras, Theobroma, Vale do Anari e Vilhena.

Leia Também:  "Seminário Virtual – Meio Ambiente e Sustentabilidade: qual o papel das organizações?", acontece neste sábado, 5 de junho

As fiscalizações do Ipem cumprem todos os requisitos de segurança contra a covid-19, com as equipes mantendo o distanciamento necessário, utilizando máscaras de proteção e álcool gel. O consumidor que encontrar ou suspeitar de alguma irregularidade, pode informar à Ouvidoria do Ipem, pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone 0800 647 7277.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Rondônia

Nota de repúdio da Ameron: Ameaças à juíza Karina Miguel Sobral

Publicados

em

Entendemos essa ameaça como uma ação criminosa, sendo dirigida não somente à magistrada, como também ao Poder Judiciário que ela representava naquela comarca

A Associação dos Magistrados de Rondônia (Ameron) vem a público manifestar solidariedade à juíza Karina Miguel Sobral, que atuava na comarca de Guajará-Mirim, em face das ameaças que tem recebido. A Ameron repudia toda tentativa de intimidação, de qualquer intensidade, que tenha como objetivo coibir o exercício da judicatura rondoniense notoriamente reconhecida como forte, pujante e independente e, igualmente, condena qualquer ação que apresente riscos inerentes à integridade física de qualquer de seus  magistrados.

Entendemos essa ameaça como uma ação criminosa, sendo dirigida não somente à magistrada, como também ao Poder Judiciário que ela representava naquela comarca. Ações desta natureza devem ser combatidas de maneira intolerante, uma vez que o Poder Judiciário tem como premissa a não violência e a imposição rigorosa de meios e formas legais para solucionar os conflitos sociais.

A Ameron repudia o ato criminoso, oriundo de pessoas que, insatisfeitas com as decisões judiciais, procuram coagir ou silenciar seus legítimos representantes mediante atitudes que atentam contra o Estado Democrático de Direito, pois a violência contra a magistratura se constitui como um crime que atinge diretamente o Poder Judiciário.

Leia Também:  "Seminário Virtual – Meio Ambiente e Sustentabilidade: qual o papel das organizações?", acontece neste sábado, 5 de junho

Esta Associação, porta-voz dos seus associados, sempre assegurará a todos os cidadãos rondonienses que os magistrados deste Estado jamais vão recuar e tampouco se acovardar diante de qualquer ação ameaçadora ou agressiva dirigida contra um Juiz ou Desembargador. Estes sempre continuarão a exercer as funções do seu cargo e a cumprir a missão em pacificar os conflitos sociais de maneira justa, célere e equilibrada, tomando como base a Constituição Federal e as leis do país.

A Ameron requer a adoção imediata de todas as providências junto às instituições deste Estado que são responsáveis pela segurança pública, para a apuração e a punição exemplar dos responsáveis por este ato deplorável.

Porto Velho, 22 de junho de 2021

Euma Mendonça Tourinho

Presidente da Ameron

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA