PORTO VELHO

Rondônia

JF determina que Funai e Ibama obriguem empreendedor a aprofundar estudos sobre impactos ambientais ocasionados pela Usina Hidrelétrica Tabajara, em Rondônia

Rondônia

A Funai e o Ibama precisarão obrigar o empreendedor responsável pela construção da usina hidrelétrica Tabajara a refazer e complementar laudos técnicos que tratam dos impactos ambientais que os povos indígenas e as comunidades tradicionais em Rondônia suportarão com o empreendimento. A decisão liminar é da Justiça Federal, em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal e Ministério Público do Estado de Rondônia.

A Justiça Federal acatou, parcialmente, os pedidos do MPF e MPRO, determinando à Funai que o Estudo do Componente Indígena (ECI) e o Termo de Referência Específico (TRE) sejam refeitos para incluir estudos das terras indígenas Jiahui, Tenharim Rio Sepoti, Tenharim do Igarapé Preto, Pirahã, Ipixuna, Nove de Janeiro e Igarapé Lurdes, incluindo obtenção de dados primários (obtidos em pesquisa de campo) pelo menos das terras indígenas Jiahui, Igarapé Preto (50 km do projeto) e Igarapé Lourdes (pertencente a bacia hidrográfica do Rio Machado, o qual abrigará a Usina Hidrelétrica).

De acordo com a Justiça, as demais terras indígenas poderão, a princípio, ser estudadas a partir de dados secundários. Pela decisão, a Funai precisará exigir da empresa a realização de estudos de campo na parte sul da terra indígena Tenharim-Marmelos para obtenção de informações mais aprofundadas sobre esta parte do território, principalmente sobre as consequências da inundação do Igarapé Preto e FAG II e possível alagação permanente desta parte da terra indígena.

Leia Também:  Programa "Plante Mais" entrega 120 mil mudas de café clonal e mais de 12 mil mudas de cacau clonal em Rolim de Moura

A Funai também deverá cobrar análise integrada dos impactos nesta área, que coincide exatamente com a área de circulação dos grupos isolados, apontando com detalhes as consequências da alteração adversa no habitat para esses indivíduos. Tal análise, de acordo com a Justiça, deverá integrar a matriz de impactos do ECI.

E, ainda, fazer análise e avaliação dos possíveis impactos na região sul da terra indígena Tenharim Marmelos, tendo em vista que a etnia considera a área de extrema importância, não só para a sobrevivência dos grupos isolados, mas também por considerá-la sagrada para a comunidade, dimensionando os impactos na cultura dos grupos.

Considerando que a etnia Tenharim-Marmelos já experimenta impactos ainda não reparados oriundos da rodovia transamazônica (parte norte da TI), a Justiça determinou que a Fundação Nacional do Índio avalie com mais profundidade e detalhamento os efeitos cumulativos dos impactos nas regiões norte e sul da respectiva terra indígena, tendo em vista que a Informação Técnica nº 68/2018/CGLIC considerou a análise sinérgica um tanto quanto superficial no ECI.

Quanto ao Ibama, a Justiça determinou que o Instituto cobre de empreendedores um Estudo do Componente Tradicional (ECT), com estrutura semelhante ao ECI, (sugerido pelos laudos e pareceres periciais produzidos pelo corpo técnico do MPF) a fim de colher dados primários das comunidades tradicionais localizadas na AID e AII, avaliá-los e, se for o caso, propor medidas mitigadoras/compensatórias aos grupos tradicionais residentes ou usufrutuários das 16 Reservas Extrativistas e demais Unidades de Conservação (UC) de desenvolvimento sustentável em que existem grupos tradicionais, incluindo as áreas de projetos de assentamentos do Incra, os quais possuem moradores sujeitos aos impactos, localizadas nos municípios de Machadinho do Oeste e Vale do Anari. Esse componente, segundo a Justiça, deverá integrar ao Estudo de Impacto Ambiental (EIA/RIMA).

Leia Também:  Em ano eleitoral #Temer anuncia reajuste do Bolsa Família; aumento será de 5,67%

Em caso de descumprimento das determinações, a Justiça Federal fixou multa diária de 100 mil reais, com valores a serem revertidos para as comunidades e povos impactados, que serão cobradas do Ibama e da Funai, solidariamente.

Na decisão, a Justiça ainda deferiu o ingresso da União como assistente dos réus e determinou a intimação do MPF e MPRO para se manifestarem sobre eventual litispendência em relação ao pleito de não ocorrência de audiências públicas antes da complementação dos estudos arguidos na demanda, bem como para que especifiquem provas.

Processo n.º1005574-06.2021.4.01.4100

Assessoria de Comunicação

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TJ RO

TJRO recebe estudantes da Associação Luz do Alvorecer

Publicados

em

luzAlvorecer2

O Tribunal de Justiça de Rondônia recebeu, nesta sexta-feira (30), os estudantes da Associação Luz do Alvorecer (Aluz). A instituição desenvolve programas sociais voltados para pessoas com vulnerabilidade econômica, por meio do acolhimento e oferta de ações educacionais, culturais e na área da saúde. 

Em parceria com o Senac, a instituição está oferecendo o curso de Operador de Computador para jovens e adultos, como uma oportunidade de formação profissional para que tenham mais chances no mercado de trabalho. Assim, como parte da grade curricular do curso de 196 horas, os estudantes visitaram a Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação – Stic, do Tribunal de Justiça de Rondônia.

luzAlvorecer

Recepcionados pelo diretor do Departamento de Serviços e Infraestrutura, Reginaldo Souza Gadelha, os estudantes puderam conhecer os setores e fazer perguntas aos servidores do departamento para entender como funcionam os sistemas do TJRO. “Para quem se interessa e se capacita, TI é uma área com alta demanda e que sempre precisa de mão de obra qualificada. Nesse sentido, a Associação está oferecendo uma excelente oportunidade profissional a esses jovens para facilitar a entrada deles no mercado de trabalho”, afirma Gadelha.

Leia Também:  Segunda-feira quente, com chuvas pontuais, que podem ser fortes em Rondônia

A Associação Luz do Alvorecer oferece toda a infraestrutura necessária para a realização do curso. “Temos como objetivo incentivar e contribuir para o desenvolvimento de vulneráveis sociais e econômicos, com o olhar voltado para a igualdade e justiça social. Além da formação profissional, estamos moldando indivíduos responsáveis e conscientes de seus deveres para com a sociedade e despertando, também, espírito empreendedor e de autogestão profissional”, afirma Melissa Cardoso, coordenadora do projeto.

luzAlvorecer3

Já o Senac disponibiliza o professor Jocelio Araújo e todo o conteúdo programático do curso, capacitando os alunos para instalação, configuração e operação de computadores em sistemas operacionais e softwares de internet. 

Natural de Cuba, Mário Sérgio era engenheiro hidráulico em seu país, porém ainda não conseguiu validar seu diploma para exercer a profissão no Brasil. O estudante viu no curso uma excelente oportunidade para ingressar no mercado de trabalho brasileiro. “Entrei no curso para melhorar meu currículo e conseguir mais oportunidades de emprego. A área da informática é muito demandada, acredito que se eu me empenhar nas aulas, logo conquistarei o meu objetivo”, avalia o estudante.

Leia Também:  Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 47 milhões na próxima quarta (26)

Assessoria de Comunicação Institucional

Fonte: TJ RO

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA