PORTO VELHO

Rondônia

No Dia das Mães, bombeira militar gestante relata desafios de atuar na linha de frente de combate à covid-19

Rondônia


A bombeira militar cumpre serviços administrativos, mas não deixa de estar atuando na linha de frente de combate à pandemia

Vivenciar a pandemia da covid-19 atuando na linha de frente do combate e ainda estar grávida tem sido um dos maiores desafios da 2° Sgt Bm Tatiana Natal. Aos 35 anos, a bombeira militar com 14 anos de carreira, está a espera da terceira filha, já com 39 semanas de gravidez. Ravenna Beatriz está chegando e logo vai se juntar aos irmãos Kaylane de 17 anos e Benjamin de 3 anos.

“Ser mãe é ser portal de luz e divindade, sou apaixonada por essa parte da minha vida e pelos meus filhos que são bênçãos para mim”, define. A servidora pública, que também já passou pela Polícia Militar, hoje cumpre serviços administrativos na Coordenadoria de Atividades Técnicas (CAT) do Corpo de Bombeiros Militar (CBM), mas não deixa de atuar na linha de frente tendo em vista que a corporação comanda as operações de combate à pandemia.

“Foram meus filhos que me ensinaram a ser forte e me tornar quem sou. Claro que eu busquei me tornar “a mãe” nesse momento. São muitos os desafios, incluindo a maternidade solo, como costumo dizer. Mas estou preparada. Prefiro me ocupar e confiar em Deus”, garante.

Os sentimentos de medo e incerteza são inevitáveis nessa fase da vida da mulher, classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como grupo de risco. Mas Tatiana acredita que vem conseguindo passar com tranquilidade. “Hoje faço faculdade de Psicologia e estou no 8° período. Isso tem me ajudado. Amo pessoas, conversar e entender o que elas sentem e se possível auxiliar, isso faz parte da profissão que escolhi e amo.

Tatiana Leal aguarda a chegada de Ravenna Beatriz, hoje com 39 semanas

O trabalho me mantém ativa. Gosto de trabalhar e das pessoas com quem trabalho. Estar com a minha equipe de serviço, me deixa com a mente tranquila apesar de saber que estamos expostos a todo momento, por isso tomo todos os cuidados necessários. Acredito que o cuidado vai muito além de álcool, máscara e distanciamento social. Podemos nos blindar de forma tranquila também, tentar deixar esse momento mais leve”, enfatiza a bombeira militar.

Leia Também:  Jean Oliveira participa de eventos e reuniões em Alta Floresta D’Oeste

O essencial nesse momento é a consciência da população. “Gostaria muito que as orientações fossem cumpridas, que as pessoas tomassem consciência da gravidade do vírus. Acredito que essa conscientização é algo que deveria ser conjunto. Se manter em constante cuidado é se responsabilizar por vidas, não apenas da nossa, mas da nossa família e da sociedade como um todo.

Para essas servidoras, que em especial estão grávidas, a maior homenagem seria o cumprimento das regras de distanciamento social por parte da maioria da população. O respeito nesse caso é o maior presente, para que em breve tudo possa voltar ao normal e ser de fato melhor do que era antes.

*contém áudio para rádios na palavra destacada

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Rondônia

Lei Seca completa 9 anos de implantação em Rondônia; operação visa combater embriaguez no volante

Publicados

em


Operação Lei Seca completa 13 anos no Brasil e nove em Rondônia

A Lei n.11.705, de 19 de junho de 2008, conhecida popularmente em todo o país como Lei Seca, completa 13 anos de implantação no Brasil neste sábado (19). No Estado de Rondônia, a Lei Seca foi implantada há nove anos. Desde então, o Governo de Rondônia, por meio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), em parceria com a Polícia Militar (PM), vem trabalhando para combater a embriaguez ao volante.

A Lei n. 11.705, alterou o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), passando a proibir a condução de veículo automotor na via pública, estando o condutor com concentração de álcool por litro de sangue igual ou superior a seis decigramas, ou sob a influência de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência.

O número de acidentes de trânsito teve redução significativa de 23,27% em Rondônia, conforme dados do Anuário Estatístico. Em 2019, o Detran registrou redução de 4,06% de mortes por acidentes de trânsito, se comparado a 2018. O número caiu de 394 óbitos em 2018, para 378 em 2019. O índice de mortos no trânsito, por grupo de habitantes no Brasil, conforme prevê a meta do Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (Pnatrans), criado pela Lei n. 13.614/18, é de 4,52%, e o índice do Estado é de 3,72%, bem abaixo do índice nacional.

Leia Também:  Mandado de segurança quer garantir prorrogação de ICMS e outros impostos em Rondônia

“A redução do número de acidentes de trânsito significa menos feridos nos hospitais e menos pessoas mortas no trânsito, a Lei Seca veio para salvar vidas”, disse o diretor-geral do Detran, Neil Aldrin Faria Gonzaga.

Antes, não havia previsão em lei do teor alcoólico necessário para a caracterização do crime, bastando que o motorista estivesse sob a influência de álcool. Em dezembro de 2012, foi sancionada a Lei 12.760, aprovada pelo Congresso Nacional, com nova alteração no CTB, que estabeleceu tolerância zero ao álcool e reforçou os instrumentos de fiscalização do cumprimento da Lei Seca: provas testemunhais, vídeos e fotografias passaram a ser aceitos como provas.

A operação será retomada nas principais cidades de Rondônia

O diretor Técnico de Fiscalização e Ações de Trânsito (DTFAT) e coordenador da Operação Lei Seca em Rondônia, Welton Roney Nunes Ribeiro, ressalta que com a aplicabilidade desta lei, que teve início no Rio de Janeiro, em 2009, e passou a ser realizada também em Rondônia, em março de 2012, o Estado vem chamando a atenção do Brasil ante a organização e resultados obtidos no combate à embriaguez na direção, que costuma ser realizada nos finais de semana, de forma simultânea, em vários pontos estratégicos.

Leia Também:  Método de silagem em fardo com capim capiaçú é demonstrado a produtores rurais do Assentamento Santa Rita, em Porto Velho

O diretor-geral do Detran afirma, que com a publicação do novo Decreto n. 26.134 de 17 de junho de 2021 a operação será retomada nas principais cidades de Rondônia e aproveitou para agradecer todos os órgãos parceiros que trabalham em prol da segurança viária e preservação da vida. É indiscutível a relevância social da Lei Seca, que também é uma ação de Segurança Pública, visto que durante as blitzes são recuperados veículos roubados, furtados, além de também serem descobertos veículos clonados, armas são apreendidas e foragidos recapturados.

LEI FEDERAL

O condutor que for flagrado embriagado, conduzindo veículo, será autuado pelo Art. 165 do CTB e multado no valor de R$ 2.934,70, além de ter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) recolhida e responder processo, podendo perder o direito de dirigir por 12 meses.

Sendo ainda configurado crime de trânsito de embriaguez previsto no art. 306 do CTB – nos casos de recusa em fazer o teste com constatação de sintomas relevantes de embriaguez, ou mesmo se o resultado do teste for igual ou superior a 0,34 mg de álcool por ar expelido, o condutor será preso em flagrante e poderá responder processo criminal.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA