PORTO VELHO

Jaru

Prefeitura de Jaru concede prazo até 30 de junho para pagamento da dívida ativa; Contribuinte pode pagar em até 24 vezes

Jaru

Preocupado e consciente com o período crítico que vive a economia brasileira, o Departamento de Arrecadação e Tributos (DAT), da Prefeitura de Jaru, concedeu prazo para o pagamento da dívida ativa.

Agora, o contribuinte que está inserido na dívida ativa do município tem até 30 de junho desse ano para quitar seus débitos, com isenção de multas e juros.

Outra novidade proposta pela prefeitura é o parcelamento da dívida em até 24 vezes. O objetivo é que todos possam ficar quites com o município, por isso, essas oportunidades estão sendo oferecidas.

Para sanar dúvidas e obter maiores informações, o DAT fica localizado, anexo ao prédio da prefeitura, na rua João Batista, 3039, setor 01. Também é possível entrar em contato pelos telefones: (69) 3521-6445/6993/4983.

Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura de Jaru

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Documentos públicos são encontrados jogados em repartição do ginásio de esportes de Jaru

Propaganda

Jaru

Prefeito de Jaru e assessores resistem para não cumprir liminar da Justiça

Publicados

em

Por

A magistrada determinou que a prefeitura cumpra em 24h a decisão, sob pena de multa diária de R$ 1.000,00 até o limite de R$ 50.000,00

O Prefeito João Gonçalves, do Município de Jaru, determinou a suspensão do contrato junto ao Cimcero, que por sua vez havia contratado a empresa Amazon Fort para prestar os serviços de coleta e transporte de resíduos sólidos-RSU. O contrato havia sido assinado no dia 14/01/2021 e possui validade de 180 dias.

Através de uma auditoria interna, o município aponta inconsistências na prestação dos serviços, sendo que tal auditoria foi realizada no tempo recorde de 45 dias. Nesse prazo, determinou a suspensão do contrato junto ao Cimcero por 120 dias e contratou a empresa RLP, do grupo da empresa MFM (envolvida em escândalos com prefeitos de cacoal, Rolim de Moura, Ji-Parana e São Francisco do Guaporé), a fim de prestar os serviços por 180 dias.

O Cimcero deu conhecimento da decisão do Prefeito a empresa Amazon Fort em 26/02/2021, onde está deveria suspender os serviços em até 05 dias, ou seja, até o dia 05/03/2021.

Leia Também:  Luizinho Goebel institui o Centro Tecnológico do Agronegócio Vandeci Rack

Irresignada com a decisão administrativa, uma vez que se quer havia se defendido das inconsistências apontadas, a empresa Amazon Fort impetrou Mandado de Segurança e a liminar foi deferida no dia 01/03/2021 (segunda-feira), suspendendo a decisão do prefeito, o que permite que continue prestando os serviços e impede o prefeito de contratar outra empresa em caráter emergencial.

Deveria obedecer

A Amazon Fort comunicou o Cimcero e este encaminhou a decisão para o Prefeito de Jaru por e-mail, WhatsApp e através de protocolo na própria prefeitura. Contudo, o prefeito e seus assessores não deram o ciente na decisão e determinaram que a empresa RLP no próprio dia 01/03/2021 iniciasse a prestação de serviços.

O Oficial de Justiça teve muito trabalho para conseguir intimar o Prefeito e seus assessores, o que só foi possível no dia 08/03/2021.

Oficialmente, o prefeito deveria obedecer imediatamente, mantendo a prestação de serviços pela empresa Amazon Fort e determinando que a empresa RLP pare os serviços até o julgamento final da ação judicial que tramita na comarca de Jaru ou julgamento final do processo administrativo.

Contudo, o Prefeito recorreu da decisão nas duas instâncias, sendo que ontem a Magistrada já se manifestou e manteve a decisão liminar, determinado que se cumpra em 24h, sob pena de multa diária de R$ 1.000,00 até o limite de R$50.000,00.

Leia Também:  Empresários investem para abrir casas lotéricas, mas Caixa não autoriza funcionamento

Até o presente momento não se tem noticiais se o Prefeito já foi intimado ou não pelo Oficial Plantonista.

O Prefeito poderá responder por crime de desobediência, caso não cumpra imediatamente a decisão judicial, bem como, por improbidade administrativa se ficar provado que determinou que a outra empresa iniciasse os serviços mesmo estando ciente (extrajudicialmente) da decisão judicial. Além disso, o Tribunal de Contas do Estado também pode iniciar uma fiscalização e tomada de contas por esses atos.

Matéria alterada: o Tudorondonia publicou, erroneamente, que a fonte e a autoria da matéria seria o Tribunal de Justiça de Rondônia. A alteração do crédito da reportagem já foi feita.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA