PORTO VELHO

Rondônia

Sedam intensifica fiscalização em Unidades de Conservação em Rondônia com objetivo de evitar degradação da floresta nativa

Rondônia


Sedam e Polícia Ambiental flagram equipamentos ilegais no Parque Serra dos Reis, em Costa Marques 

Com a proposta de intensificar o combate ao corte de árvores nativas e extração ilegal de madeiras dentro das Unidades de Conservação (UC) do Estado, o Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), realizou na última semana uma ação de fiscalização no Parque Estadual Serra dos Reis, localizado no Município de Costa Marques.

Em parceria com o Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), a equipe de fiscalização ambiental, composta por técnicos da Coordenadoria de Unidades de Conservação (CUC) da Sedam e gestores do Parque Estadual Serra dos Reis, deflagrou uma operação, resultando na apreensão e retirada de equipamentos e uma máquina, usados para o corte de árvores nativas, arraste e carregamento ilegal de madeiras em toras dentro do Parque.

Caminhão carregado de toras de árvores nativas apreendido na ação

As equipes de fiscalização conseguiram retirar um trator que estava sendo utilizado para arrastar arvores derrubadas e carregar madeiras já traçadas em toras, causando assim, um grande impacto de destruição da floresta nativa dentro do Parque. A proposta da Sedam é fortalecer a proteção local e apoiar as ações rotineiras, tendo como parâmetro as áreas protegidas.

O coordenador da CUC, Fábio França, acredita que a parceria entre a Sedam e a Polícia Ambiental vem trazendo grandes resultados nas ações de monitoramento e fiscalização nas unidades de conservação de Rondônia. Para o secretário da Sedam, Marcílio Leite Lopes, é necessário que a fiscalização ambiental seja intensificada nas UCs, para que diminua as ações de destruição e impactos ambientais causados por invasões e extração ilegal de madeiras.

O Parque Estadual Serra dos Reis é uma UC de proteção integral, na qual fica proibida qualquer atividade de extrativismo e extração de madeiras, sob a administração da Sedam. A unidade foi criada pelo Decreto nº 7.027, de 8 de agosto de 1995, abrangendo uma área de 36.442 hectares. Está localizada ao sudoeste de Rondônia, entre os municípios de Costa Marques e São Francisco do Guaporé, na região do Vale do Guaporé, distante, cerca de 700 quilômetros de Porto Velho.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Confira os nomes: Prefeitura divulga resultado da seleção para 146 monitores do transporte rural
Propaganda

Rondônia

Governo de Rondônia promove o etnoturismo por meio de visitas técnicas nas comunidades indígenas do Estado

Publicados

em


O povo Paiter Surui, com cerca de 2 mil indígenas, vive na Terra Indígena Sete de Setembro

O Governo de Rondônia, por meio da Superintendência Estadual de Turismo (Setur), realizou durante a semana, visitas em aldeias da comunidade indígena Surui, em Cacoal, para promover o etnoturismo e evidenciar as raízes da região. A visita aproxima a comunidade indígena Surui, que já trabalha com a receptividade turística.

Comunidade debate sobre plano estratégico de turismo nas aldeias

Locais, culinária, história e cultura. O turismo como um todo diz muito sobre uma região. As raízes históricas, muitas vezes esquecidas, podem ser resgatadas. Com o objetivo de desenvolver um planejamento estratégico para fluxo turístico dentro das comunidades indígenas e destacar a identidade de Rondônia, a Setur tem visitado aldeias em Cacoal para aproximar e gerar investimentos no etnoturismo.

Membros do Conselho Municipal de Turismo de Cacoal e lideranças indígenas como o Cacique Almir Surui, se reuniram com o Superintendente da Setur, Gilvan Pereira, e debateram um plano estratégico em conjunto dentro das comunidades indígenas para fomentar o turismo.

Gilvan Pereira, comenta que “o turismo indígena traz o fortalecimento e o retorno de algo consolidado no Estado. A cultura indígena é uma característica fundamental do turismo de base comunitária. É o que leva o Estado a mostrar a sua identidade”, destaca o superintendente.

Leia Também:  Quarta-feira quente, mas ventilada, com chuvas pontuais, que podem ser fortes em Rondônia

A gestora de projetos da Setur, Gisele Louise, afirma que “a visita técnica realizada é um reforço e complemento no trabalho que já tem sido feito pelas comunidades. A presença da Superintendência é fomentar ainda mais e garantir, com novas estratégias, a consolidação do etnoturismo”.

Aldeias visitadas pela Setur:

• Linha 11 Aldeia Lapetanha
• Linha 14 Aldeia Gabgir
• Linha 10 Aldeia Central
• Linha 10 Aldeia Iratana
• Linha 15 Aldeia Paybikeb
• Linha 09 Aldeia Pin Paiter

O povo Paiter Surui, com cerca de 2 mil indígenas, vive na Terra Indígena Sete de Setembro, localizada em uma região fronteiriça, ao norte do município de Cacoal (RO) até o município de Aripuanã (MT), e já utilizam a receptividade turística por meio do projeto desenvolvido pela Associação de Defesa Etnoambiental (Kanindé), junto com a Associação Metareilá do Povo Indígena Paiter Surui.

Gilvan Pereira e o Cacique Almir Surui, falam sobre o etnoturismo

A ambientalista e coordenadora do projeto da Kanindé, Ivaneide Bandeira, salienta a importância da presença do Governo de Rondônia no desenvolvimento turístico destas comunidades. “Nós ficamos muito felizes com essa parceria. Ter a Setur abraçando o turismo local é muito importante. São conexões com o setor empresarial, a comunidade e os indígenas nas aldeias, para que o turista desfrute das belezas e da convivência com os Paiter Surui”, comenta.

Leia Também:  Sedam inicia curso em desenvolvimento de sites e educação ambiental para jovens de Porto Velho

Dentro do projeto da Kanindé, em parceria com a Associação Metareilá do Povo Indígena Paiter Surui, a fase é de implementação. Devem ser construídos bangalocas e pontos de apoio aos turistas. Ivaneide reforça que a ideia de ter uma parceria com a Setur, faz parte do objetivo para fomentar o etnoturismo na região.

O gerente de Desenvolvimento Ambiental Indígena, da Coordenadoria de Povos indígenas (Copin), Rubens Naraikoe Surui, comenta que “a iniciativa da Setur reforça a importância de incluir o turismo indígena no turismo do Estado. É mostrar as potencialidades não só das riquezas da floresta, mas também do conhecimento e cultura dos indígenas, além da renda que será gerada para as comunidades, município e Estado”.

A Setur reforça o comprometimento em promover o turismo no Estado e garantir investimentos que fomentem esse setor.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA