PORTO VELHO

Rondônia

Sesau enfatiza medidas de prevenção a queimaduras no mês Junho Laranja

Rondônia

Equipe de cirurgiões plásticos que realiza o atendimento aos queimados

O sol, brincadeiras com fogueiras durante as festas juninas, acidentes domésticos, de trabalho, com eletricidade e a manipulação de produtos químicos podem ocasionar queimaduras. Com o objetivo de enfatizar as medidas de prevenção a queimaduras, o Governo do Estado de Rondônia por meio da Secretaria do Estado da Saúde – Sesau, notabiliza o “Junho Laranja”, mês de campanha de prevenção à queimaduras.

A campanha nacional é influenciada pela Sociedade Brasileira de Queimaduras – SBQ do Ministério da Saúde, que alerta para a diminuição dos acidentes com fontes de calor ou frio, corrente elétrica, radiação, produtos químicos e outros.

O atendimento deve ser realizado no ambiente hospitalar, e ações como utilizar creme dental ou café não devem ser feitas, enfatiza o médico cirurgião plástico Miguel Lédo, “ Em caso de queimaduras, procure a unidade de saúde, aqui avaliamos o paciente de acordo com o quadro clínico, e se há necessidade de internação e intervenção cirúrgica”, explicou.

As queimaduras podem ser classificadas como de 1° grau, as que atingem camadas superficiais da pele; as de 2° grau que atingem de forma mais profunda, acometendo toda a derme; e as de 3° grau, que comprometem todos os níveis da pele e podem chegar aos ossos, e em casos extremamente graves, levam à morte.

Leia Também:  Chegou o grande dia: Rondônia Rural Show Internacional começa nesta segunda-feira, 23; feira traz extensa programação voltada para o agronegócio

Os primeiros atendimentos, em todos os casos de queimaduras, são realizados pelos cirurgiões gerais e plásticos do Hospital e Pronto Socorro João Paulo II, caso o paciente necessite de internação, é transferido para o Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro, ambos em Porto Velho.

O médico Rodrigo Bastos, diretor-geral do Hospital de Base explica que os procedimentos são realizados pela equipe especializada em cirurgia plástica da unidade de saúde. “Eu considero oportuna a sensibilização da população, sobretudo nesse período com maior incidência de queimadas ilegais que podem ocasionar acidentes”, frisou.

Todos os atendimentos e procedimentos a pacientes acometidos com queimaduras, são realizados em Rondônia, sem necessidade de transferência de queimados, tanto em casos moderados, resolvidos com curativos biológicos, como nos complexos, que exigem transplante.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Rondônia

82,3% das viagens dos rondonienses foram por motivos pessoais

Publicados

em

O suplemento de Turismo da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) mostra que, em 2021, das 68 mil viagens feitas por rondonienses, 82,3% foram por motivos pessoais e 17,7% por motivos profissionais. Os percentuais são semelhantes aos apresentados em 2019: 80,5% por motivos pessoais e 19,5% por motivos profissionais.Por local de hospedagem, a casa de amigo ou parente foi a principal instalação, representando 45,9% das viagens ocorridas em 2021. Em todo o Brasil, a casa de amigo ou parente também foi a principal acomodação, sendo 42,9% de todas as viagens.A pesquisa aponta também que, das viagens realizadas pelos rondonienses por motivo pessoal, 23 mil (42,1%) foram para visita ou eventos de familiares e amigos, 17 mil (30,3%) para tratamento de saúde ou consulta médica, dez mil (18,1%) para lazer e cinco mil (9,4%) tiveram outros motivos.Ao comparar as informações da pesquisa nos anos de 2019 e 2021, percebe-se que as viagens com carro particular ou da empresa passaram a corresponder a mais da metade dos veículos utilizados. Em 2019, as viagens com carro particular ou de empresa representaram 36% do total. Já em 2021, este percentual foi de 56,8%.Em relação ao número de domicílios em que houve viagem, a PNAD Contínua aponta que, no ano de 2019, ocorreram viagens em 17,4% dos domicílios rondonienses enquanto que, em 2021, este índice foi de 9,3%.Nos domicílios em que nenhum morador viajou em 2021, foi questionado sobre o motivo, sendo que os mais recorrentes foram: não ter necessidade (29,1%), não ter dinheiro (19,7%) e não ser prioridade (19,3%). Estes índices foram diferentes dos indicados em 2019: em 43,5% dos domicílios que nenhum morador viajou o motivo foi por não ter dinheiro; 17,5% não ter tempo e 17,5% não ter necessidade. 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA