PORTO VELHO

Rondônia

Sigilo à pessoas infectadas por HIV, hepatites, hanseníese ou turbeculose se torna Lei Federal

Rondônia


O atendimento nos serviços de saúde, públicos ou privados, será organizado de forma a não permitir a identificação, pelo público em geral

A obrigatoriedade da proteção do sigilo das pessoas infectadas pelo vírus da HIV e por hepatites crônicas, hanseníase e tuberculose, virou lei federal. O texto foi publicado oficialmente no Diário Oficial no início do ano, Lei nº 14.289, de 3 de janeiro de 2022 (https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.289-de-3-de-janeiro-de-2022-371717752), e vale no âmbito dos serviços de saúde, estabelecimentos de ensino, locais de trabalho, administração pública, segurança pública, processos judiciais e mídias escrita ou audiovisual.

O objetivo é evitar o constrangimento, coibir comportamentos, ou exposições que limitam o exercício da cidadania das pessoas que convivem com uma dessas doenças. Os serviços devem garantir o sigilo das informações que eventualmente permitam a identificação dessa condição e a obrigatoriedade de preservação do sigilo recai sobre todos os profissionais de saúde e os trabalhadores da área de saúde.

“A Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) por meio da Coordenação Estadual de Infecção Sexualmente Transmissíveis (IST), da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) e Hepatites Virais, e da Coordenação Estadual do Programa de Hanseníase está providenciando a propagação da referida Lei entre os profissionais e nas unidades onde é realizado os serviços, como forma de reforçar a importância do sigilo desses agravos” – disse o diretor-geral da Agevisa, Gilvander Gregório de Lima.

Leia Também:  Potencialidades de produção e qualidade do cacau são destaques durante 1º Concacau, em Jaru

A coordenadora da Agevisa, Gilmarina Silva Araújo, afirma que o sigilo por parte do profissional garante a liberdade e a relação de confiança que devem existir entre os profissionais de saúde e o paciente. “Essa medida é uma forma de evitar o estigma e o preconceito, constrangimento ou surgimento de outras barreiras sociais que impeçam ou atrapalhem essas pessoas de desfrutar da plena cidadania. A Lei vem reforçar a garantia de preservação das informações, além de ser uma obrigação legal contida no Código Penal e na maioria dos Códigos de Ética Profissional, é um dever primordial de todos os profissionais e também de todas as instituições. Os códigos de ética das profissões são os princípios que devem guiar a prática de cada área de atuação”.

A medida também abrange pessoas com hanseníase ou tuberculose e segundo a coordenadora da Hanseníase, enfermeira Albanete Mendonça, o sigilo já faz parte da conduta ética do profissional de saúde e a lei reitera a prática, “acredito, por se tratar de uma doença estigmatizante e rodeada de pré-conceitos, que cabe à coordenação divulgar em massa junto aos profissionais e serviços, e acreditar que sempre prevalecerá o bom senso que está intrínseco em cada profissional”

Leia Também:  LISTA DO TCU: Rondônia milionária com patrimônio de mais 70 milhões, mais 38 milionários receberam auxilio emergencial, veja os nomes

A Lei veda a divulgação, pelos agentes públicos ou privados, de informações que permitam a identificação da condição dessas pessoas que vive com infecção pelos vírus da imunodeficiência humana (HIV) e das hepatites crônicas (HBV e HCV) e de pessoa com hanseníase e com tuberculose.

O atendimento nos serviços de saúde, públicos ou privados, será organizado de forma a não permitir a identificação, pelo público em geral. De acordo com a Lei, o sigilo somente poderá ser quebrado nos casos determinados por lei, por justa causa ou por autorização expressa da pessoa acometida ou, quando se tratar de criança, de seu responsável legal, mediante assinatura de termo de consentimento informado conforme a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais – LGPD.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Rondônia

Reforma da Associação dos Agricultores e Piscicultores em Alvorada do Oeste é concluída

Publicados

em


Visita técnica Seosp. 02.12.21.Foto Ana Carolina Fonseca

Sede da Associação dos Agricultores e Piscicultores (AAPA) em Alvorada do Oeste

A equipe de fiscalização da Secretaria de Estado de Obras e Serviços Públicos (Seosp), realizou uma visita técnica na conclusão da reforma na sede da Associação dos Agricultores e Piscicultores (AAPA), no município de Alvorada do Oeste.

Segundo o presidente da AAPA, Antônio Mateus, as melhorias que o prédio recebeu trarão inúmeros benefícios para cerca de 200 famílias de produtores, atendendo aos sete municípios adjacentes: Alvorada do Oeste, São Miguel do Guaporé, Mirante da Serra, Ji-Paraná, Teixeirópolis, Urupá e Presidente Médici. “Com o frigorífico em funcionamento, as famílias de produtores poderão não somente produzir, como também exportar para todo o Brasil”, afirma.

De acordo com o secretário da Seosp, Erasmo Meireles, que esteve presente durante a visita técnica, essas ações do Governo do Estado estão mudando a realidade de Rondônia. “As obras estão sendo atendidas dentro do prazo, com economia e recursos próprios, fortalecendo assim o progresso em todo o Estado”, concluiu.

Leia Também:  Edição 525 - Boletim diário sobre coronavírus em Rondônia
Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA