PORTO VELHO

Rondônia

Técnicos da Agevisa realizam monitoramento das vacinas entregues nas redes municipais de frio

Rondônia


Cinco equipes formadas por técnicos da Agevisa e das regionais de saúde foram selecionadas para fazer a vistoria

Cinco equipes composta por técnicos da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e das regionais de saúde, iniciaram esta semana o trabalho de monitoramento das centrais municipais de Rede de Frio instaladas em Rondônia. A diretora-geral da Agevisa, Ana Flora Gerhardt encaminhou documento a presidência do Conselho de Secretários Municipais de Saúde de Rondônia (Cosems) informando o cronograma de supervisão das centrais e sobre as providências quanto à estocagem e distribuição das vacinas contra a covid-19 e demais imunobiológicos.

O Ministério da Saúde (MS) pretende evitar a estocagem do imunobiológico, e assim, acelerar a vacinação dos grupos prioritários definidos no Plano Nacional de Operacionalização (PNO) da vacina. Por sua vez, o governador Marcos Rocha solicitou a Agevisa um panorama da situação das vacinas entregues em Rondônia. “As equipes já estão no interior do Estado para dar apoio, detectar necessidades, monitorar e fazer um diagnóstico real da situação das vacinas. Não queremos que a população seja prejudicada e assim evitar risco de perder doses” justificou.

Leia Também:  Usuários de ônibus podem participar de consulta sobre a tarifa do transporte coletivo

A Agevisa está intermediando a recuperação das vacinas, visando evitar imprevistos. Os técnicos foram enviados para supervisionar a estrutura física de todas as redes. “As equipes farão um checklist que inclui vistoria em geladeiras, temperatura, armazenamento e demais protocolos preconizados pelo Ministério para o recebimento da vacina”.

NOVOS GRUPOS

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, e a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Francieli Fontana, divulgaram oficialmente os detalhes das novas diretrizes da campanha nacional de vacinação contra a covid-19. O Ministério informou a antecipação de grupos prioritários e a possibilidade de vacinação da população em geral com idade de 59 a 18 anos, caso os municípios tenham avançado nos grupos de comorbidades e professores, respeitando as diversidades locais e após pacto nas comissões bipartites.

Ana Flora falou que a pactuação entre o Estado e o Município acontecerá por meio da Comissão Intergestora Bipartite (CIB), que definirá sobre a vacinação conforme o cumprimento do PNO. “Se o município atingir toda a população alvo e se tem uma sobra de vacina, após fazer busca ativa e verificar que não há pessoas dos grupos prioritários sem vacinação, poderá começar a fazer a vacinação do grupo geral conforme a faixa etária” – explicou.

Leia Também:  Porto Velho: Prefeitura atende MP e retira ambulantes de vias públicas

Tendo em vista a nova decisão ministerial e na próxima remessa o aumento do quantitativo de vacinas para atender os novos grupos, o governo do Estado quer contribuir na aceleração da vacinação por meio do monitoramento. “Nós precisamos dessa vacina, ela é a melhor forma de prevenção à doença. A população vacinada evita o agravamento de casos. É necessário ficar atento ao chamado dos grupos, faixa etária, e não deixar de vacinar.” – disse Ana Flora, alertando que mesmo com a vacinação, a população deve continuar com as medidas de prevenção.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Rondônia

Nota de repúdio da Ameron: Ameaças à juíza Karina Miguel Sobral

Publicados

em

Entendemos essa ameaça como uma ação criminosa, sendo dirigida não somente à magistrada, como também ao Poder Judiciário que ela representava naquela comarca

A Associação dos Magistrados de Rondônia (Ameron) vem a público manifestar solidariedade à juíza Karina Miguel Sobral, que atuava na comarca de Guajará-Mirim, em face das ameaças que tem recebido. A Ameron repudia toda tentativa de intimidação, de qualquer intensidade, que tenha como objetivo coibir o exercício da judicatura rondoniense notoriamente reconhecida como forte, pujante e independente e, igualmente, condena qualquer ação que apresente riscos inerentes à integridade física de qualquer de seus  magistrados.

Entendemos essa ameaça como uma ação criminosa, sendo dirigida não somente à magistrada, como também ao Poder Judiciário que ela representava naquela comarca. Ações desta natureza devem ser combatidas de maneira intolerante, uma vez que o Poder Judiciário tem como premissa a não violência e a imposição rigorosa de meios e formas legais para solucionar os conflitos sociais.

A Ameron repudia o ato criminoso, oriundo de pessoas que, insatisfeitas com as decisões judiciais, procuram coagir ou silenciar seus legítimos representantes mediante atitudes que atentam contra o Estado Democrático de Direito, pois a violência contra a magistratura se constitui como um crime que atinge diretamente o Poder Judiciário.

Leia Também:  Em atendimento aos MPs, Justiça Federal determina que Eletrobrás preste informações sobre apagão em Rondônia

Esta Associação, porta-voz dos seus associados, sempre assegurará a todos os cidadãos rondonienses que os magistrados deste Estado jamais vão recuar e tampouco se acovardar diante de qualquer ação ameaçadora ou agressiva dirigida contra um Juiz ou Desembargador. Estes sempre continuarão a exercer as funções do seu cargo e a cumprir a missão em pacificar os conflitos sociais de maneira justa, célere e equilibrada, tomando como base a Constituição Federal e as leis do país.

A Ameron requer a adoção imediata de todas as providências junto às instituições deste Estado que são responsáveis pela segurança pública, para a apuração e a punição exemplar dos responsáveis por este ato deplorável.

Porto Velho, 22 de junho de 2021

Euma Mendonça Tourinho

Presidente da Ameron

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA