PORTO VELHO

Rondônia

Última paciente que estava em tratamento da covid-19 fora do Estado de Rondônia recebe alta hospitalar

Rondônia


Dona Maria foi a última paciente transferida pelo Governo de Rondônia para outro estado

Maria das Graças dos Santos Gonçalves, de 66 anos, foi recebida com festa e muita emoção por seus familiares após passar 81 dias internada e 32 na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Francisco de Assis da Providência Divina, no Rio de Janeiro. A paciente saiu intubada da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da zona sul em Porto velho, em 14 de fevereiro, com o estado de saúde agravado.

A filha, Marinete Gonçalves, acompanhou a mãe durante todos esses dias. “Foi muito difícil, fiz promessa, cortei o cabelo. Os médicos achavam que ela não iria conseguir, mas nunca perdi a esperança de ver minha mãe de volta a nossa casa. O momento mais feliz foi quando ela acordou da intubação. O médico fez uma ligação de vídeo e ela ficou surpresa ao me ver. A mamãe é um milagre de Deus”, disse emocionada.

Seu José, a filha Marinete e seus familiares recebem Maria com alegria

No mesmo hospital estavam mais quatro pacientes de Rondônia. “Eu orei não só pela minha mãe, mas por todos que estavam na mesma UTI, inclusive as pessoas do Estado”, explicou Marinete.

Leia Também:  Ex-governador e agentes públicos são condenados por improbidade em ação do Ministério Público Estadual

Maria é casada com José Ribeiro Gonçalves, de 66 anos, ambos tem nove filhos. O esposo foi acometido com a mesma doença. José foi internado no Hospital de Campanha de Rondônia (HCamp), no mesmo período. “Meus pais adoeceram num momento em que o Estado estava com as UTIs lotadas. Meu pai ficou internado em Porto Velho e foi muito bem cuidado, logo ficou curado. Minha mãe foi para fora do Estado, mas sou grata por isso também. A equipe de Governo não mediu esforços para salvar a vidas deles. Meu sentimento é de gratidão a todos”, enfatizou Marinete.

Após o tratamento no Rio de Janeiro, Maria continuará sendo acompanhada pelo Serviço de Assistência Multidisciplinar Domiciliar (Samd) oferecido pelo Governo de Rondônia. “Essa paciente ficou 32 dias intubada e teve trombose. A mesma terá um acompanhamento médico em sua residência através do Samd, com médicos, enfermeiros, fisioterapias e toda uma equipe multidisciplinar para cuidar da paciente”, disse o secretário de Estado da Saúde (Sesau), Fernando Máximo.

Leia Também:  #JIRAU: Ações de cidadania movimentam Nova Mutum Paraná

Máximo detalhou ainda que “Maria foi a 116ª paciente transferida para outro estado que voltou curada da covid-19. O governador Marcos Rocha pediu para que fizéssemos o máximo para salvar o maior número de vidas possíveis. Começamos a pedir ajuda de outros estados, e graças a Deus conseguimos salvar 116 vidas”.

Dos 161 pacientes transferidos, 116 retornaram para casa, com alta hospitalar. Nove cidades receberam os pacientes rondonienses, são elas: Campo Grande (MS), Canoas (RS), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Goiânia (GO), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ) e Vitória (ES).

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Rondônia

Governo reafirma compromisso com produtores rurais em ações para acelerar processos de regularização fundiária

Publicados

em


Primeiro Encontro de produtores rurais de Rondônia trouxe para Ji-Parana a discussão de pautas importantes para o setor produtivo

O Governo de Rondônia, por meio de uma força-tarefa que reuniu várias Secretarias de Estado em parceria com o Governo Federal, reafirmou o compromisso com produtores rurais e pecuaristas, no que diz respeito às ações de regularização fundiária e retomada da paz no campo. O anúncio foi feito durante o primeiro encontro de produtores rurais do Estado promovido pela Associação Rural de Rondônia, ocorrido nesta segunda-feira (21) no Parque de Exposições Hermínio Victorelli, na cidade de Ji-Paraná.

Participaram do encontro, o governador Marcos Rocha, o secretário especial de Assuntos Fundiários, Nabhan Garcia, o gestor da Superintendência Estadual de Patrimônio (Sepat), Constantino Erwen e demais autoridades, além de centenas de produtores rurais.

De acordo com o presidente da Associação Rural de Rondônia, Gilson Daniel, “esses dois assuntos são de vital importância para os produtores rurais e destacou a parceria entre os Governos do Estado e Federal para tentar solucionar essas questões tão necessárias num momento em que os donos de propriedades vivem em constante terror”.

Marcos Rocha destacou o empenho do Governo do Estado para restaurar a paz no campo

O governador Marcos Rocha destacou o início oficial da “Operação Rondônia” com apoio da Força Nacional enviada pelo Ministério da Justiça. “Hoje anunciamos a chegada do reforço da tropa ao Estado, mas os policiais já começaram a atuar em Rondônia em conjunto com a Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec), por meio das Polícias Civil e Militar e  nas primeiras ações com operações realizadas em várias regiões de Rondônia desde o Cone Sul até a ponta do Abunã onde já foram efetuadas 17 prisões”, enfatizou o governador que ressaltou ainda o trabalho que vem sendo feito pelo Poder Executivo para acelerar a regularização fundiária no Estado.

Leia Também:  LISTA DO TCU: Rondônia milionária com patrimônio de mais 70 milhões, mais 38 milionários receberam auxilio emergencial, veja os nomes

“Estamos colaborando com o Instituto Nacional de Colonização  e Reforma Agrária (Incra) com a contratação de 35 servidores estaduais para atuar diretamente no instituto pelo programa “Título Já”, além da contratação de mais 17 servidores temporários para a Sepat atuar na regularização fundiária, pois serão cedidos para o Incra, tendo como objetivo principal acelerar os processos que estão parados há muitos anos no instituto”, garantiu o governador.

Alguns produtores rurais presentes fizeram uso da palavra para falar sobre suas experiências relacionadas aos dois temas em discussão. Um deles, o produtor rural, Antônio Afonso teve a propriedade (Fazenda Nossa Senhora Aparecida) em Chupinguaia, região sul, recentemente invadida por um grupo armado que também atacou fazendas em outras regiões. Ele agradeceu o empenho do Governo do Estado e das forças de segurança.  “Essas ações são importantes para por fim ao clima de terrorismo que vive o Estado de Rondônia. Nos tivemos muitos prejuízos quando nossa propriedade foi invadida no mês de maio”, lamentou o produtor rural afirmando que “somente após a ação efetiva do Governo do Estado em parceria com o Governo Federal os invasores saíram da propriedade”.

Segundo Afonso, a colheita de soja na propriedade foi interrompida devido a ação das milícias.

Produtores rurais de todo o Estado reunidos em Ji-Parana comemoraram as açoes conjuntas entre os Governos de Rondônia e Federal

O coronel Aginaldo de Oliveira diretor da Força Nacional, garantiu que “os policiais sob seu comando vão atuar em locais solicitados pela Sesdec, principalmente no que diz respeito aos ataques ocorridos em várias regiões rurais como a Ponta do Abunã, no entorno da BR-429 e no Cone Sul do Estado.

Leia Também:  Prefeito de Cerejeiras solicita dez quilômetros de asfalto urbano

Já o secretário especial de Assuntos Fundiários, Nabhan Garcia voltou a afirmar que “quem não estiver cumprindo a constituição brasileira no que diz respeito ao direito de propriedade vai sofrer as consequências”, ressaltou dizendo ser um recado direto do presidente da república Jair Bolsonaro e completou que “as invasões de terra que vem ocorrendo em Rondônia são uma afronta ao estado democrático de direito e ao direito de propriedade, porque as invasões feitas por grupos que podem ser considerados de crime organizado vem causando terrorismo nas áreas rurais e caracterizou como inaceitável”.

Nabhan complementou que foi por isso que o Governo Federal atendeu a solicitação feita pelo governador Marcos Rocha ao Ministério da Justiça. “Outros Estados deveriam seguir o exemplo do Governo de Rondônia para manter a ordem e a paz no campo. Tanto o Governo Federal quanto o Governo do Estado reconhecem que o setor rural vem sustentando o Brasil, por meio do  agronegócio”.

Ao encerrar o encontro, Gilson Daniel também associou “a invasão de terras a morosidade no processo de regularização fundiária que fica a cargo do Incra e que as milícias se aproveitam desse fator para invadir terras que estão com pendência de regularização fundiária, devido também a demora na emissão de documentos por parte do Instituto” afirmou o presidente ao comemorar o sucesso do evento que deve trazer avanços para a classe produtiva.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA