PORTO VELHO

Saúde

Poliomielite: Brasil começa hoje campanha de vacinação contra a doença

Saúde

Poliomelite
Agência Brasil

Poliomelite

O Brasil dá início, nesta segunda-feira, à campanha de vacinação contra a poliomielite, doença também conhecida como pólio e paralisia infantil.

O objetivo é ampliar a cobertura da proteção contra a doença, que não chegou a 50% do público-alvo em 2022, embora a meta preconizada pelo Ministério da Saúde seja de 95% para manter o vírus erradicado no país.

A mobilização vai até o dia 9 de setembro, e envolve ainda um esforço para aplicar as demais vacinas que compõem o calendário da criança e do adolescente, como tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) e HPV.

“Faço um apelo a todos os pais e mães, avós e avôs para que levem as crianças da sua família para as mais de 38 mil salas de vacinação do país. Não faltam vacinas, elas estão aí e elas só têm um dono: o povo brasileiro. Temos que imunizar 15 milhões de crianças contra a pólio”,  afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante o evento de lançamento da campanha em São Paulo, neste domingo.

A cobertura da pólio é uma das mais preocupantes no momento. Isso porque, segundo dados do Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI), apenas cerca de 47% do público-alvo foi imunizado contra a doença neste ano.

O percentual não atinge os 95% desejados pelo ministério desde 2015. No ano passado, alcançou apenas 70% das crianças.

Leia Também:  Nova onda da Covid-19 pode ser catastrófica para o Brasil, alerta Fiocruz

A queda na proteção coloca o Brasil em alto risco de reaparecimento da doença, que é considerada erradicada no país desde 1994.

Outros países que também enfrentam baixa cobertura vacinal, como Estados Unidos e Israel, têm vivido novos casos da paralisia infantil. O combate à pólio é considerado uma emergência internacional de saúde pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em julho, o estado de Nova York, nos Estados Unidos, detectou o primeiro caso de poliomielite em mais de dez anos. O paciente foi identificado como um homem adulto não vacinado. Já Israel apresentou uma série de infecções no início do ano, quando direcionou esforços para ampliar a baixa imunização no país. No Reino Unido, o vírus foi encontrado pela primeira vez em quarenta anos. Também houve um surto da doença no Malawi, na África, após a infecção de uma criança de 3 anos.

O esquema de imunização contra a doença no Brasil é composto de cinco doses, as três primeiras com a vacina de vírus inativada aos 2, 4 e 6 meses de idade, aplicadas por injeção.

Depois, entre os 15 e os 18 meses de idade, é feito o primeiro reforço com a vacina de vírus atenuado, a famosa gotinha. Aos 4 anos de idade, é realizado o segundo, e último, reforço, também por via oral.

O Ministério da Saúde estima que é preciso vacinar mais de 14 milhões de crianças contra a doença durante a campanha para chegar à cobertura de 95%. Para isso, cerca de 40 mil postos de saúde pelo país estão oferecendo todas as doses do imunizante.

Leia Também:  Por que a Avisa proibiu lotes de Ivermectina nas farmácias?

Além da proteção contra a pólio, a mobilização foca em demais vacinas destinadas à criança e ao adolescente, como a da Covid-19, disponível hoje no país para todos com três anos ou mais. Confira todas as vacinas:

Vacinação infantil

  • Hepatite A e B
  • Penta (DTP/Hib/Hep B)
  • Pneumocócica 10 valente
  • VIP (Vacina Inativada Poliomielite)
  • VRH (Vacina Rotavírus Humano)
  • Meningocócica C (conjugada)
  • VOP (Vacina Oral Poliomielite)
  • Febre amarela
  • Tríplice viral (Sarampo, Rubéola, Caxumba)
  • Tetraviral (Sarampo, Rubéola, Caxumba, Varicela)
  • DTP (tríplice bacteriana)
  • Varicela
  • HPV quadrivalente (Papilomavírus Humano)
  • Covid-19

Vacinação adolescentes

  • HPV
  • dT (dupla adulto)
  • Febre amarela
  • Tríplice viral (Sarampo, Rubéola, Caxumba)
  • Hepatite B
  • dTpa (tríplice bacteriana adulto)
  • Meningocócica ACWY (conjugada)
  • Covid-19

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Brasil registra 1.023 novos casos e 66 mortes por covid-19 em 24 horas

Publicados

em

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 3.203 novos casos de covid-19 em 24 horas em todo o país. De acordo com os órgãos, foram confirmadas também 66 mortes por complicações associadas à doença no mesmo período. 

Os dados estão no boletim do Ministério da Saúde divulgado neste domingo (2). Das 27 unidades da federação, 12 não atualizaram os dados.

O total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia soma 34.679.533.

O número de casos em acompanhamento de covid-19 está em 129.914. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não tiveram alta e nem resultaram em óbito.

Desde o início da pandemia, o total de óbitos alcançou 686.320. Ainda há 3.203 mortes em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação se a causa foi covid-19 ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Até agora, 33.863.299 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a pouco mais de 97,6% dos infectados desde o início da pandemia.

Aos sábados, domingos e segundas-feiras, o número registrado diário tende a ser menor pela dificuldade de alimentação dos bancos de dados pelas secretarias municipais e estaduais de Saúde. Às terças-feiras, o quantitativo, em geral, é maior pela atualização dos casos acumulados nos fins de semana.

Balanço de dados de covid-19 Balanço de dados de covid-19

Leia Também:  Ministério da Saúde amplia quarta dose para pessoas acima de 50 anos
Balanço de dados de covid-19 – 02/10/2022/Divulgação/ Ministério da Saúde

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (174.854), Rio de Janeiro (75.695), Minas Gerais (63.780), Paraná (45.348) e Rio Grande do Sul (41.092).

Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (2.029), Amapá (2.163), Roraima (2.173), Tocantins (4.204) e Sergipe (6.437).

Edição: Bruna Saniele

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA