PORTO VELHO

Saúde

Surto de gripe: saiba quais remédios combatem os sintomas da doença

Saúde

Apesar de não existirem remédios para prevenir a gripe, há opções que conseguem diminuir os sintomas da enfermidade

 

O surto de gripe já atinge pelo menos 19 estados do Brasil e tem provocado apreensão entre os brasileiros, especialmente, porque está coincidindo com a epidemia de Covid-19. Os locais onde há maior avanço do influenza H3N2 são Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, cidades que já emitiram alertas epidemiológicos.

A gripe é uma doença relativamente comum que apresenta como principais sintomas dor de garganta, tosse, febre ou nariz escorrendo. A enfermidade representa um perigo maior para idosos, crianças e pessoas com problemas no sistema imunológico.

A doença vem provocando uma corrida às farmácias em busca de remédios que possam prevenir ou amenizar os sintomas da doença. No entanto, especialistas alertam que não há remédios indicados para prevenir a gripe e reforçam que a automedicação envolve riscos.

“O uso indiscriminado de remédios para tratar quadros virais é errado. Muitas pessoas usam antibióticos e outros medicamentos em doses inadequadas, que podem fazer mal para a função renal e a função hepática, principalmente”, esclarece o clínico geral Lucas Albanaz, do Grupo Santa.

Leia Também:  Confira quais documentos serão necessários para receber vacina contra a Covid-19

Segundo ele, a melhor forma de evitar a gripe, é se vacinar. Hábitos que fortalecem o sistema imunológico, como equilibrar a alimentação, praticar exercícios físicos, dormir bem e controlar o estresse, também são maneiras indiretas de se proteger.

No mercado farmacêutico, entretanto, existem remédios que aliviam os sintomas: anti-inflamatórios, analgésicos e corticoides, entre outros. O médico destaca, entretanto, que antes de ir ao balcão da farmácia, os pacientes devem conversar com seu médico de confiança. “Baseado na idade, comorbidades presentes no histórico de saúde e gravidade dos sintomas, o médico avaliará se é necessário tomar alguma medicação”, afirma Albanaz.

As opções caseiras podem ser uma boa alternativa para aliviar os sintomas em alguns casos.

Além disso, o médico pode prescrever Tamiflu, o medicamento, entretanto, é indicado apenas para grupos vulneráveis.

Geralmente, o médico indica o uso de vários remédios em conjunto, como um antipirético e um expectorante, por exemplo. O uso dos medicamentos normalmente é feito durante pelo menos 5 dias, que é quando os sintomas diminuem. O tratamento deve ser seguido em repouso, com o consumo de 2 litros de água por dia e o uso de soro fisiológico no nariz para hidratar as vias aéreas.

Leia Também:  Deputado Jair Montes pede a estadualização de estradas vicinais de Porto Velho

Remédios para gripe na gravidez

Durante a gestação, é importante evitar o uso de remédios comprados na farmácia, pois podem provocar atraso no crescimento e desenvolvimento do bebê. Se a grávida estiver com sintomas de gripe, deve procurar seu médico de confiança para receber o tratamento mais adequado.

Geralmente, os analgésicos à base de paracetamol e a vitamina C são os únicos remédios que a gestante pode tomar contra a gripe, além de descansar, manter uma boa alimentação e beber muitos líquidos. Quando a mulher está amamentando, também deve evitar o uso de remédios, pois seus ativos podem passar para o bebê através do leite.

(Com informações do portal Tua Saúde)

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Rondônia recebe do Ministério da Saúde segundo lote de doses pediátricas de vacinas contra a covid-19

Publicados

em


Rondônia recebe segunda remessa de vacinas pediátricas para dar continuidade à imunização de crianças de 10 e 11 anos

O Governo de Rondônia por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) recebeu nesta terça-feira (18), na sede da Rede de Frio Estadual, em Porto Velho, mais um lote de vacinas pediátricas contra a covid-19.

São 11.600 doses para serem administradas em crianças. O gestor da Coordenação Estadual de Imunização da Agevisa, Ivo Barbosa, em entrevista coletiva, disse que a faixa etária será reduzida conforme o atendimento do público.

“Nesse momento, o Ministério da Saúde (MS), está priorizando a vacinação do público infanto-juvenil com comorbidades que deverão apresentar uma prescrição médica; crianças que vivem em comunidades quilombolas e com deficiência permanente. Os municípios que não responderem à demanda esperada, podem estar ampliando a vacinação para as crianças sem comorbidades, onde a faixa etária será iniciada por ordem decrescente, diminuindo de acordo com a procura da população.”

Com essa remessa de imunizantes, Rondônia contabiliza um total de 3.111,338 doses de vacinas recebidas pelo Governo Federal. Com o segundo lote de vacinas pediátricas a soma é de 23.200 doses destinadas ao público infanto-juvenil. A distribuição deste lote atenderá seis regionais: Ji Paraná ( 2.550 doses); Cacoal (1.120); Vilhena (970); Ariquemes (1.840); Rolim de Moura (1.220) e Porto Velho (3.900 doses).

O Governo de Rondônia está empenhado em cumprir o Plano Nacional de Aceleração da Vacinação, e tem criado mecanismos para que a população possa completar o esquema vacinal. Os profissionais da Agevisa recomendam que a população verifique a data de retorno registrado no cartão de vacina e vá até a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima para receber o imunizante.

O intervalo entre as doses para todas as vacinas é de 28 dias em Rondônia, conforme decisão conjunta entre Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), Agevisa e Conselho de Secretarias Municipais (Cosems) publicada por meio da Portaria nº 157 de 08 de outubro de 2021.

Na dose de reforço deve ser observado o intervalo de quatro meses após a 2ª dose, e o intervalo de 28 dias após a 2ª dose para pessoas imunossuprimidas. A Agevisa afirma que a vacinação é uma medida preventiva para a redução da ocorrência de casos graves de covid-19 e óbitos.

“Para o Governo é muito importante, pois ao completarmos um ano da vacinação, observamos que realmente estamos fazendo um trabalho que traz resultados, onde podemos notar o grande número de pessoas que estão sendo infectadas pela covid-19, mas que felizmente não estão precisando de atendimento hospitalar como no início da campanha onde tivemos um caos muito grande. Então, a vacinação nesse momento está sendo essencial e a estratégia mais eficiente para proteger a população contra a doença” – ressalta Ivo Barbosa.

MEDIDAS DE PREVENÇÃO

  • Uso de máscaras;
  • Distanciamento social;
  • Etiqueta respiratória;
  • Higienização das mãos, dos objetos de uso pessoal e comercializados, dentre outros.

Essas medidas são importantes tanto para prevenção à covid-19 quanto às síndromes gripais, incluindo a influenza.

Fonte: Governo RO

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Covid-19: Rondônia com 40.016 casos e 888 mortes
Continue lendo

POLÍCIA

RONDÔNIA

PORTO VELHO

POLÍTICA RO

MAIS LIDAS DA SEMANA